quarta-feira, 25 de novembro de 2020

PÍLULAS

Publicidade

Vem por aí

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Logo mais a ministra Cármen Lúcia assume a presidência do STF e do CNJ. Pelos sinais que já nos chegam, o meio jurídico pode esperar grandes realizações. A ministra contou ontem que tem conversado com juízes de execução penal e júris para entender a fundo a realidade do Judiciário tupiniquim. Até o momento, já conversou com 178 magistrados. "Em algumas localidades, há pressão enorme do poder local quando se trata de julgamento pelo júri. E o juiz fica inteiramente em desvalia."

Contou sobre casos em que magistrados atuam com a ajuda de dois servidores apenas. "O que a gente escuta é que, parece, são muitos Brasis. É preciso uma tentativa de transformação, e não de reforma."

A proposta da ministra é que o CNJ faça um "levantamento sério" de "quem é o juiz brasileiro" e quem é o jurisdicionado dessas áreas mais remotas. "Sem esse perfil não há diagnóstico nem prognóstico."

Atualizado em: 2/8/2016 18:58