sábado, 28 de novembro de 2020

COLUNAS

Publicidade

Neymar ou Rivellino?

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Um dos maiores jogadores de futebol de todos os tempos foi confrontado por um simpático espectador do Cartão Verde na semana passada: "Rivellino, queria saber se você acha que Neymar é melhor do que você, cara".

O craque ensaiou um drible no perguntador: "É outro futebol. Ele é um grande jogador, mas joga totalmente diferente do que eu jogava. É um atacante, eu sempre fui um meia, armador, embora tivesse uma boa chegada. Não vou dizer que eu fui melhor do que o Neymar nem que o Neymar é melhor do que eu. Se jogássemos juntos, seria fantástico".

Como grande armador que realmente chegava à área com apetite de goleador, tanto que fez 43 gols em 121 jogos pela Seleção, 144 em 474 jogos pelo Corinthians e 53 em 158 jogos pelo Fluminense, Roberto Rivellino não resistiu a finalizar: "Sinceramente, sinceramente, tinha mais qualidade do que ele".

Será?

O próprio Riva já disse que, "tecnicamente, Neymar é melhor" do que Messi - o que equivale a reconhecê-lo como o melhor jogador do mundo na atualidade, pelo menos em potencial técnico. Nem por isso o considera um autêntico herdeiro da mais emblemática camisa do futebol brasileiro: "O camisa 10 era o jogador que criava as jogadas, pensava o jogo e marcava gols. Hoje, não temos jogadores com essas características. Neymar é fenomenal, mas é mais um atacante".

É verdade, embora se possa lembrar, correndo o risco de cometer uma heresia ao compará-lo aos simples mortais, que Rei Pelé, sinônimo da camisa 10, também não era um armador, mas, sim, um atacante - o atacante, melhor dizendo. Mesmo Rivellino, quase sempre encarregado de organizar o jogo ofensivo de sua equipe, não era o típico armador brasileiro dos anos 1950, 1960 e 1970, alguém como Didi ou Gérson, mais preocupado em criar chances de gol do que em concretizá-las. Riva era um armador de feições próprias, com ímpeto de goleador.

Foi o que encantou outro gênio da bola, também camisa 10, o semideus Diego Armando Maradona, que disse, certa vez, em entrevista ao repórter Luciano Junior, da Band: "Eles entravam em campo... Pelé ia para um lado, e eu ia para onde ia Rivellino. Rivellino, para mim, significava tudo o que eu queria ser como jogador de futebol: rebelde; mau, quando tinha de ser mau; goleador, quando tinha de ser goleador; passava a bola como queria, sempre com a canhota. A direita podia estar morta, mas a esquerda fazia de tudo. Cresci, como argentino, idolatrando um brasileiro, que se chamou Rivellino, que se chama Rivellino".

Neymar também tem fã ilustre entre mitológicos camisas 10. Logo depois de comandar a Seleção Brasileira na conquista do título da Copa das Confederações, em 2013, foi saudado por Zico em entrevista ao Yahoo! Esporte Interativo: "Como outros grandes camisas 10 da Seleção, fez um gol de gênio como Pelé (contra o Japão), uma bomba de esquerda como Rivellino (na decisão contra a Espanha), um de falta à Zico (contra a Itália)".

Neymar, mais do que Rivellino, cabe na receita de craque imortalizada pelo filósofo Neném Prancha: "Jogador bom é que nem sorveteria, tem várias qualidades." Riva quase não cabeceava, pouco usava a perna direita, recusava-se a bater pênalti. É verdade, insistiria Maradona, que "a esquerda fazia de tudo". Aos 22 anos, completados no dia 5, o destro Neymar tem 192 gols como profissional - 11 de cabeça, 40 de pé esquerdo. Não chuta como Rivellino, mas já marcou oito gols em cobranças de falta e outros 35 de pênalti.

Rivellino é campeão do mundo, uma das mais fulgurantes estrelas da Seleção que conquistou o tri no México, em 1970. Tinha, então, 24 anos, completados no primeiro dia daquele ano. Neymar, solitária estrela de primeira grandeza da Seleção que tentará o hexa, poderá tirar a dúvida do espectador do Cartão Verde no dia 13 de julho, no Maracanã, de preferência diante da Argentina do mais fantástico admirador do nosso incomparável Roberto Rivellino.

Outras Copas

Roberto Rivellino, autor de três dos 19 gols brasileiros na conquista do tri em 1970, disputou mais duas Copas do Mundo: em 1974, quando o Brasil ficou em quarto lugar, fez outros três gols; em 1978, quando o Brasil foi o terceiro colocado, contundiu-se na estreia (1 a 1 com a Suécia) e voltou a jogar apenas alguns minutos nos 3 a 1 sobre a Polônia e nos 2 a 1 sobre a Itália, sem marcar nenhum gol.

Estreante

Neymar da Silva Santos Júnior vai disputar no Brasil a sua primeira Copa do Mundo, pois o técnico Dunga achou que ele ainda era muito verde para convocá-lo em 2010, embora não faltassem torcedores e analistas que quisessem vê-lo em ação na África do Sul. Campeão da Copa das Confederações de 2013, marcou quatro gols em cinco jogos. Vice artilheiro, foi eleito o melhor jogador da competição.

Pelo clube

Rivellino jogou no Corinthians de 1965 a 1974, tendo sido campeão do Torneio Rio-São Paulo de 1966; foi para o Fluminense em 1975, ganhou o bicampeonato carioca (1975/1976) e transferiu-se para a Arábia Saudita em 1978. Neymar estreou profissionalmente em 2009 e foi tricampeão paulista (2010, 2011 e 2012), campeão da Copa do Brasil (2010) e da Libertadores (2011) pelo Santos; em sua primeira temporada no Barcelona, conquistou o título da Supercopa da Espanha de 2013.

Identidade verde

Curiosamente, tanto Rivellino quanto Neymar eram torcedores do Palmeiras na infância. Numa entrevista ao Estadão, em 2010, Rivellino abriu o jogo: "Nasci palmeirense, assim fui até a adolescência. Quando jogava salão pelo Banespa, fui convidado para fazer um teste no Palmeiras. Cheguei lá, mas não me deram muita bola. Fiquei chateado e disse que iria jogar no maior rival". Em 2004, numa entrevista ao pesquisador Antônio Venâncio, Neymar já tinha justificado a paixão infantil: "Ah, eu peguei a época em que o Palmeiras sempre foi campeão, do Evair, Rivaldo".

Atualizado em: 10/2/2014 07:27

COORDENAÇÃO

Roberto Benevides é jornalista, foi por muitos anos colunista e o editor do caderno de esportes de O Estado de S. Paulo, trabalhou também no JB, na Folha de S.Paulo, nas revistas Veja, Exame, Quatro Rodas, Placar e Época. Nos últimos dois anos, fez a coordenação editorial de uma coleção de 15 livros sobre esportes olímpicos publicada pelo editora do Sesi.

Publicidade