sábado, 28 de novembro de 2020

COLUNAS

Publicidade

Londres, capital do nosso futebol

segunda-feira, 12 de maio de 2014

O melhor time do futebol brasileiro é o Chelsea. Tanto é que emplacou quatro jogadores na Seleção convocada por Luiz Felipe Scolari para disputar a Copa do Mundo. É o mesmo número de convocados que atuam em campos do Brasil. Com uma diferença: David Luiz, Oscar, Ramires e Willian, os quatro da equipe londrina, certamente entrarão em campo, mas Jefferson, Victor e Jô, no máximo, verão os jogos do banco de reservas. Fred, titular, é a única exceção entre os convocados que jogam por aqui.

E do futebol londrino ainda virá o volante Paulinho, que pode até ter se despedido do Tottenham nos 3 a 0 sobre o Aston Villa neste domingo, Dia das Mães, mas não voltará tão cedo a atuar por uma equipe brasileira. Outros grandes europeus já estão na briga pelo craque que mata de saudades a torcida corinthiana.

Não se responsabilize Felipão pela esquisitice geográfica. O melhor do futebol brasileiro atual realmente se divide entre a Inglaterra, a Espanha, a Itália, a Alemanha e a França, os cinco países de onde vêm 16 dos 23 chamados para a Seleção. Viva o futebol europeu, que ainda nos está cedendo um jogador em atividade na Rússia e outro na Ucrânia. Ou seja: 78% da Seleção virão dos campos europeus para disputar o hexa.

Esquisito, não é? Mais esquisito ainda é constatar que a lista, pouquíssimo contestada, não tem ninguém do São Paulo, do Corinthians, do Santos, do Flamengo, do Vasco, do Botafogo, do Cruzeiro, do Internacional e do Grêmio, todos campeões brasileiros, mas inclui um jogador do Toronto, time canadense que disputa a MLS - ou Major League Soccer, a liga de futebol dos EUA e do Canadá - sem jamais ter sequer chegado aos play-offs.

Também não se responsabilize Felipão por mais esta esquisitice geográfica. Afinal, o Toronto tem, desde 2006 uma média de mais de 20 mil pagantes por jogo na MLS - número que, no último Campeonato Brasileiro, só foi ultrapassado por Cruzeiro, Corinthians, Flamengo e São Paulo. A média de público do Brasileirão de 2013 foi de 14.951 pagantes por jogo. A média da MLS passou dos 18 mil pagantes. É por essas e outras que o Toronto pode contratar Júlio César, o goleiro titular de Felipão.

O maior problema do futebol brasileiro não é técnico nem tático, mas gerencial, como mostram os números que vêm sendo cuidadosamente estudados pelo consultor Amir Somoggi nos últimos anos: em 2003, os 20 maiores clubes do Brasil faturaram R$ 652 milhões e gastaram R$ 411 milhões com o futebol; em 2013, a receita total encostou em R$ 3,1 bilhões, mas as despesas com o futebol passaram de R$ 2,2 bilhões. Ou seja: o futebol custava 63% da receita dos grandes clubes em 2003 e levou 73% no ano passado. Pior ainda: a dívida acumulada, que era de R$ 1,1 bilhão em 2003, ultrapassou os R$ 5 bilhões no último exercício.

Difícil é saber onde foi parar tanto dinheiro tal é a indigência técnica de quase todos os times da Série A e de todos da Série B. E é nesse período de muito dinheiro ganho e desperdiçado que foram embora dos campos do Brasil 19 dos 23 jogadores chamados por Felipão para a campanha do hexa.

Por pura ironia, a nova capital do futebol inglês fica a mais de 300 quilômetros de Londres. É Manchester, que, neste domingo, comemorou o quarto título nacional conquistado pelo City, com direito a maciça invasão do gramado do Etihad Stadium por torcedores enlouquecidos, mas nada agressivos, após os 2 a 0 sobe o West Ham.

O time do Fernandinho, volante polivalente convocado para a Copa após um único jogo pelo Brasil sob o comando de Felipão, fechou a Premier League com 86 pontos, quatro a mais do que o Chelsea. Entre eles, com 84 pontos, ficou o Liverpool de Philippe Coutinho e Lucas Leiva, que não estão entre os 23 chamados para a Copa.

Manchester City, Liverpool, Chelsea e Arsenal, mais um time de Londres, disputarão em 2015 a Liga dos Campeões da Europa. Everton, também de Liverpool, e Tottenham representarão o futebol inglês na Liga Europa. Dos seis, somente Arsenal e Everton não têm nenhum brasileiro no elenco.

Talvez seja o caso de, nas próximas negociações com os europeus, os clubes brasileiros fincarem o pé: só cedem seus jogadores se eles nos cederem seus gerentes. Se a tática não der certo com os grandes da Europa, a gente pode tentar a permuta pelo menos com o Toronto. Neste caso, o prefeito Fernando Haddad tem como ajudar, oferecendo ao colega canadense Rob Ford, mais afeito ao crack do que aos craques, a chance de se inscrever no programa Braços Abertos, destinado aos viciados da Cracolândia. Afinal, parece mais fácil tirar o prefeito de Toronto do crack do que esperar a salvação do futebol brasileiro com seus atuais dirigentes.

Craque

No domingo anterior à convocação da equipe que vai lutar pelo hexa, Tostão fez a pergunta em sua coluna na Folha de S.Paulo: "Quem serão os 23? Felipão disse que nem Murtosa, seu fiel escudeiro, sabe todos os nomes. Será que alguém vai dar o furo, antes do anúncio oficial?"

Na quarta, dia da convocação, Tostão voltou ao tema, bastando-lhe 12 linhas da coluna para mostrar, mais uma vez, que continua a enxergar o futebol com a mesmíssima sensibilidade de seus tempos de incomparável craque dos gramados - e acertou 22 dos 23 nomes que, pouco depois, foram anunciados pelo técnico.

Embora já não acompanhe tão de perto o trabalho da Seleção, como fazia nos primeiros anos de cronista, e não concorde com todas as escolhas de Felipão, só não acertou a convocação de Hernanes. Tinha cravado Lucas Leiva. E, mineiramente, começara assim a sua coluna: "Palpito, com grande chance de errar..."

Negociando

Discretamente, os centroavantes Fred e Jô já falam que, dependendo do desempenho do Brasil na Copa, esperam boas propostas para voltar ao futebol europeu. Ou seja: no mínimo, esperam que Fluminense e Atlético Mineiro lhes paguem mais.

Um e outro

De Cristiano Ronaldo, em entrevista ao SporTV, na semana passada: "Vejo o Neymar como um grande jogador. Acho que tem demostrado nos últimos tempos que é um jogador de futuro, com uma margem de projeção muito grande. Sua adaptação no Barcelona não foi a melhor, digamos assim, teve alguns problemas no princípio, mas não tenho dúvida nenhuma de que tem potencial para ser um dos melhores jogadores do mundo ou ser o melhor jogador do mundo". De Romário, em entrevista a Marluci Martins, do jornal Extra: "Tomara que o Neymar seja o cara. Mas não sei... Gostaria que ele fosse o craque, com o Brasil campeão. Mas há o Messi e o Cristiano Ronaldo. E o Rooney também pode surpreender."

Fim de papo

"Eu sou uma pessoa de bem com a vida. Eu torço pela Seleção Brasileira, eu torço para o Brasil dar certo." - Fernando Henrique Cardoso, em entrevista a Roberto D'Ávila, no canal Globo News, na madrugada de domingo, 11 de maio.

Atualizado em: 12/5/2014 07:41

COORDENAÇÃO

Roberto Benevides é jornalista, foi por muitos anos colunista e o editor do caderno de esportes de O Estado de S. Paulo, trabalhou também no JB, na Folha de S.Paulo, nas revistas Veja, Exame, Quatro Rodas, Placar e Época. Nos últimos dois anos, fez a coordenação editorial de uma coleção de 15 livros sobre esportes olímpicos publicada pelo editora do Sesi.

Publicidade