domingo, 29 de novembro de 2020

COLUNAS

Publicidade

Cenário - 5.7.18

quinta-feira, 5 de julho de 2018

A política e a economia deram as mãos e a Câmara dos Deputados conseguiu votar ontem pendências importantes que ameaçavam fazer sombra nas expectativas.

Um dos itens levados a plenário foi o PL 8.939/17, que permite à Petrobras transferir a outras petroleiras até 70% dos direitos de exploração do pré-sal na área cedida de forma onerosa.

O texto ainda precisa ir ao Senado. Se passar, as condições favoráveis a um leilão de blocos estarão garantidas e as possibilidades de a União arrecadar R$ 100 bilhões, abertas.

Os deputados também aprovaram o substitutivo ao PL 10.332/18 que permite a privatização de seis distribuidoras de energia controladas pelas Eletrobrás - os destaques serão debatidos na próxima semana: previsão de mais arrecadação.

As duas votações recolocaram em foco parte da urgência econômica na qual 2019 é protagonista desde agora.

A preocupação generalizada com o agravamento da crise fiscal foi um dos estímulos para a Câmara se mexer.

Com a fraqueza da retomada do crescimento, o câmbio sob estresse e tantas incertezas eleitorais no ar, a conjuntura projetada para o próximo ano é - e será cada dia mais - um problema para todos os partidos.

Orçamento

O calendário e as contas

Está tudo pronto para a Comissão Mista de Orçamento (CMO) votar na próxima quarta-feira, 11, o parecer ao projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) 2019.

Mantido o trato entre os partidos, o tema deverá ser analisado no mesmo dia, em plenário, em sessão conjunta do Congresso Nacional.

Destaques poderão ser apresentados até o meio-dia de hoje - registra-se que o relatório foi alvo de 1,9 mil emendas, analisadas em parte ou no todo.

Basicamente, o que está colocado é 1) combate ao desequilíbrio fiscal por meio do corte de despesas administrativas, 2) veto a reajustes ao funcionalismo público e 3) barreiras a novos incentivos.

Eleições 1

O que foi dito e entendido

Os presidenciáveis que falaram ontem ao PIB industrial - a convite da CNI - abriram-se mais no detalhamento das propostas que pretendem emplacar caso cheguem ao Planalto.

A julgar pelas análises e percepções refletidas na mídia, hoje, a performance de todos foi melhor do que em encontros anteriores.

O tom mais assertivo e direto indica que o tempo para meias palavras acabou.

Eleições 2

O destino de Maia

O dia é de uma nova rodada de especulações em torno do que fará o DEM em relação à pré-candidatura do presidente da Câmara Rodrigo Maia.

Frete

Novas etapas

Aprovada pela Câmara, a nova tabela do frete ainda deverá passar pelo Senado, mas é possível considerar uma possibilidade de acordo futuro com a inclusão dos transportadores autônomos, empresas de transporte, embarcadores e contratantes de frete na definição dos preços semestrais.

Outro aspecto a ser considerado é a inclusão da sazonalidade da agricultura como elemento a definir valores diferenciados nos preços mínimos - demanda defendida pelos produtores rurais.

Conjuntura

A inflação de junho

O IBGE divulgará amanhã a inflação oficial de junho (IPCA). As expectativas no mercado são de alta.

A prévia (IPCA-15) que bateu em 1,11% mostrou o quanto os impactos da greve dos caminhoneiros vão demorar a ser assimilados.

Agenda

Sociedade - O IBGE divulga hoje a pesquisa Perfil dos Estados Brasileiros e um levantamento sobre o perfil dos municípios brasileiro.

Fronteira - Os ministros Aloysio Nunes Ferreira (Relações Exteriores) e Gustavo do Vale Rocha (Direitos Humanos) visitam hoje abrigos onde estão alojadas pessoas que tentaram entrar ilegalmente nos Estados Unidos.

Nos jornais

Eleições 1 - Em um encontro ontem com cerca de 2 mil empresários, em Brasília, pré-candidatos à presidência apresentaram propostas econômicas como o controle do câmbio e dos juros e a redução de impostos para as empresas. (manchete O Estado de S. Paulo)

Eleições 2 - Rivais na disputa pelo Planalto, Jair Bolsonaro (PSL) e Ciro Gomes (PDT) provocaram ontem reações antagônicas na plateia formada por empresários: Ciro foi vaiado e Bolsonaro aplaudido. (Folha de S. Paulo)

Eleições 3 - No encontro com a indústria, os principais pré-candidatos trataram de temas caros ao setor, mas nem todos agradaram. Enquanto Marina e Ciro causaram desconforto ao criticar a reforma trabalhista, Bolsonaro e Alckmin foram aplaudidos diversas vezes. (O Globo)

Investigação 1- A investigação de fraudes em contratos do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), de 1996 a 2017, revelou a participação da Philips e Jonhson & Jonhson. O valor dos contratos é de R$ 1,5 bilhão - R$ 600 milhões são considerados dano aos cofres públicos. (manchete O Globo)

Investigação 2 - O principal executivo da General Electric para a América Latina, Daurio Speranzini Junior, foi preso temporariamente ontem na operação Ressonância, que investiga fraudes em licitações na Secretaria de Saúde do Rio e no Into. (todos os veículos)

Geddel - O juiz Vallisney de Souza, da 10ª vara Federal de Brasília, absolveu o ex-ministro Geddel Vieira Lima do crime de obstrução de Justiça. Ele era acusado de tentar atrapalhar a delação de Lúcio Bolonha Funaro. (O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo e O Globo)

Herzog - A Corte Interamericana de Direitos Humanos condenou, por unanimidade, o Brasil pelo assassinato do jornalista Vladimir Herzog, que morreu em 25 de outubro de 1975 após ser submetido a tortura. (O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo e O Globo)

Indústria - Após queda de 10,9% na produção de maio, na comparação com abril, a indústria deve recompor apenas parcialmente as perdas em junho, o que fará o setor fechar o segundo trimestre com uma queda expressiva, de mais de 4%, segundo a Pesquisa Industrial Mensal (PIM), divulgada ontem pelo IBGE. (todos os veículos)

Golden Share - O Tribunal de Contas da União (TCU) deve autorizar a União a vender as ações de classe especial ("golden share", na expressão em inglês) que ainda possui em empresas privatizadas. (manchete Valor Econômico)

Vacinação - Um em cada quatro municípios do país tem cobertura abaixo do ideal em todas as vacinas obrigatórias para bebês e crianças, situação que eleva a ameaça de retorno de velhas doenças e de surtos daquelas nunca eliminadas. (manchete Folha de S.Paulo)

Atualizado em: 5/7/2018 08:41