sábado, 5 de dezembro de 2020

COLUNAS

Publicidade

Cenário - 2.8.18

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

O MDB se reúne hoje para oficializar o nome de Henrique Meirelles como candidato à presidência da República.

Depois de 24 anos sem encabeçar uma chapa, o partido entra na disputa rachado e cheio de dúvidas.

A convenção nacional pretende amenizar pelo menos parte do clima de desconfiança e Meirelles sabe que é peça importante no processo.

Entre as ambições do ex-ministro não está a unanimidade, mas o discurso de união está cada vez mais presente em sua fala.

Meirelles investe dinheiro do próprio bolso para se viabilizar, não se fechou às críticas e tem lidado com o fogo amigo lançando mão da experiência acumulada nos tempos de banqueiro.

O presidente Michel Temer e o senador Romero Jucá (RR) bancam a escolha, porque calculam ser esse o caminho mais seguro para inserir o partido no segundo turno.

MDB

Focos de resistência

O senador Renan Calheiros (AL) é um dos adversários mais duros à candidatura de Meirelles. Publica um artigo hoje na Folha de S.Paulo (leia).

O senador Roberto Requião (PR) também deixa claro que o partido não está olhando para o mesmo horizonte.

As cédulas de votação que os 629 delegados do MDB vão receber foram formatadas com apenas duas opções: o nome do ex-ministro da Fazenda e a expressão "sem candidato".

PT 1

O futuro de Lula

O ministro do STF Edson Fachin conseguiu pacificar a tese de que a ação sobre a liberdade do ex-presidente Lula precisa ser decidida antes do prazo final de registro de candidaturas.

Esse movimento tornado público ontem foi lapidado durante o recesso do Judiciário.

A reação veio dentro do esperado e o clima permite até que a presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, inclua a análise na pauta da próxima quinta-feira, 9/8.

PT 2

Mantendo o cronograma

A sequência de atos públicos em favor de Lula terá amanhã à tarde mais uma etapa.

O PT de São Paulo prepara um encontro entre militantes e simpatizantes na Praça da Sé.

Quem vota

A perspectiva de cada um

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulga hoje um estudo bem amplo que mostra quem são os eleitores que irão às urnas este ano.

A pesquisa indica ainda o perfil social, cultural e econômico dos cidadãos, associado à escolha dos principais candidatos à presidência da República, e quais os meios de comunicação que eles têm usado para se informar.

Mais de duas mil pessoas foram entrevistadas.

Estatuto

Família x famílias

O Senado prepara uma audiência pública que debaterá o Estatuto das Famílias - assim mesmo, no plural -, proposta da senadora Lídice da Mata (PSB-BA).

O texto altera leis do Código Civil que limitam, por exemplo, direitos relacionados à união homoafetiva.

BNDES

Mais transparência

O modelo que orienta a divulgação e a oferta de informações sobre empréstimos e financiamentos do BNDES será incrementado.

O banco de fomento promete lançar, no dia 21, uma ferramenta para ajudar qualquer pessoa a pesquisar isso e muito mais navegando por banco de dados públicos.

Agenda

Alckmin - O pré-candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, participa hoje da série de entrevistas da GloboNews com presidenciáveis, às 22h30.

Indústria - O IBGE divulga hoje a Pesquisa Industrial Mensal: Produção Física - Brasil referente a junho.

Nos jornais

Lula - O STF deve julgar o pedido de liberdade do ex-presidente Lula na próxima semana. O ministro Edson Fachin, relator do processo, defendeu celeridade, uma vez que o caso influencia as eleições. (todos os jornais)

Ciro 1 - O PT e o PSB decidiram sacrificar candidaturas estaduais em nome de um pacto nacional que isolará Ciro Gomes. Os socialistas devem anunciar neutralidade na corrida ao Planalto e o PT desistirá da candidatura de Marília Arraes ao governo de Pernambuco. (manchete Folha de S.Paulo e O Estado de S. Paulo)

Ciro 2 - Ciro Gomes afirmou que não desistiu de receber o apoio do PSB: "Quando entrei nessa luta, sabia que eu era o cabra marcado para morrer". (Folha de S.Paulo e O Estado de S. Paulo)

MDB - Em artigo, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) critica a candidatura de Henrique Meirelles e afirma que o partido "tem a oportunidade de escolher seguir grande e plural, em vez de abraçar uma candidatura inviável". (Folha de S.Paulo)

Alckmin - Pré-candidato do PSDB à presidência da República, Geraldo Alckmin afirmou que há "sete nomes" possíveis para compor sua chapa como vice. O tucano deu a declaração ontem, ao sair da convenção nacional do PRB. (Valor Econômico)

PCdoB - Manuela D'Avila foi oficializada ontem candidata do PCdoB à presidência da República, mas deixou claro que vai tentar, até onde for possível, uma unidade das forças de esquerda. (todos os jornais)

Boulos - Em entrevista, o candidato do PSOL à presidência da República, Guilherme Boulos, disse que a esquerda precisa reconhecer erros e prometeu enfrentar a "República dos bancos". (O Globo)

Vice - O PSC fechou ontem apoio ao pré-candidato do Podemos ao Palácio do Planalto, o senador Álvaro Dias, e anunciou o ex-presidente do BNDES Paulo Rabello de Castro para a vaga de vice. (todos os jornais)

Paes - O pré-candidato do DEM ao governo do Rio, Eduardo Paes, afirmou ontem que não vai fazer campanha exclusivamente para o presidenciável do PSDB, Geraldo Alckmin, apoiado por seu partido no plano nacional. O ex-prefeito terá o apoio do MDB e ainda espera atrair o PDT. (O Globo e Valor Econômico)

Eleitorado - O Brasil atingiu neste ano 147,3 milhões de eleitores aptos a votar. O número foi divulgado pelo TSE e representa um crescimento de 3% do eleitorado em relação ao pleito de 2014. O número de jovens de 16 e 17 anos aptos a votar caiu 14% no período. (Folha de S.Paulo, O Estado de S. Paulo e O Globo)

Selic - O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central manteve a taxa básica de juros inalterada em 6,5% ao ano e, em seu comunicado, não deu indicações mais claras sobre seus próximos passos. A decisão foi unânime. (todos os jornais)

Empresas - Pela primeira vez desde 2011, as empresas brasileiras de capital aberto tiveram, na média, retorno sobre o patrimônio superior à taxa básica de juros (Selic) no primeiro trimestre. (Valor Econômico)

FGTS - O mercado imobiliário do Rio deve ganhar impulso com o pacote de medidas anunciado pelo governo e que passa a valer a partir de 1º de janeiro de 2019. O aumento do limite de financiamento com recursos do FGTS de R$ 950 mil para R$ 1,5 milhão é apontado como um dos principais fatores para a expectativa positiva. (manchete O Globo)

Venezuela - Com a instabilidade do dólar, a área econômica do governo brasileiro identificou a necessidade de aumentar a previsão de despesas orçamentárias neste ano para arcar com o calote da Venezuela. (Folha de S.Paulo)

EUA x China - O presidente americano, Donald Trump, quer aumentar de 10% para 25% a tarifa de importação sobre US$ 200 bilhões em produtos chineses, em mais um capítulo da guerra comercial entre os dois países. (todos os jornais)

Atualizado em: 2/8/2018 08:32