sábado, 31 de outubro de 2020

COLUNAS

Publicidade

Cenário - 4.10.18

quinta-feira, 4 de outubro de 2018

Tradicionalmente, o debate na TV Globo encerra uma etapa importante das eleições ao Planalto.

Hoje à noite, porém, quem vai escrever a última página do roteiro e indicar o desfecho será Jair Bolsonaro (PSL).

Ausente por recomendação médica, o presidenciável fará uma live - transmissão ao vivo - em suas redes sociais no mesmo horário (22h) em que os adversários estarão no estúdio.

Materializa-se assim um imprevisto com o qual quase ninguém contava a esta altura da disputa.

Boa parte da expectativa criada em torno do debate na televisão fica esvaziada e migra de forma instantânea para os canais próprios bolsonaristas.

Não há pistas do que pode ser dito, mas é certo que o tempo será aproveitado no limite do que a estratégia de campanha definiu desde a saída do hospital.

Sem o confronto direto com o líder nas pesquisas, os demais tendem a vagar em círculos. E, como em outros momentos, Fernando Haddad (PT) deverá ser (de novo!) o alvo da vez.

O clima de vale-tudo antipetista instalado nas campanhas e nas ruas tem tudo para ser incorporado por Ciro Gomes (PDT). Há dias ele vem ensaiando se apropriar de uma fração desse fenômeno.

O aceno para capturar os votos de Marina Silva (Rede) e Geraldo Alckmin (PSDB), oferecendo-se como candidatura da conciliação, foi o primeiro passo. Os outros serão dados logo mais.

________________________________________

Nas redes

TV Bolsonaro

Os vídeos caseiros, sem aporte de microfones e com cenários improvisados (como a já famosa mesa forrada com toalha de estampa de pimentas) fazem sucesso nas transmissões de Jair Bolsonaro (PSL).

Durante a semana, 500 mil pessoas interagem com seus vídeos. O alcance das publicações chega à casa de dezenas de milhões.

________________________________________

Apoio

Ode à lealdade

ACM Neto (DEM), prefeito de Salvador, estará com Geraldo Alckmin (PSDB) acompanhando de perto o debate de hoje na Globo.

________________________________________

Voto

Ida às urnas

Analistas políticos projetam que esta eleição interromperá a curva ascendente de abstenção.

As apostas da semana são de que a polarização deverá levar mais gente às urnas.

Desde 2006, a ausência dos eleitores só cresce. Passou de 16,75% para 18,12% em 2010 e em 2014 chegou a 19,39%.

________________________________________

PT

O poder das palavras

Jaques Wagner (PT) encabeça as pesquisas para o Senado na Bahia, mas entre um compromisso e outro esta semana encontrou tempo para palpitar sobre a corrida presidencial.

Os elogios a Ciro Gomes (PDT) fluíram sem constrangimento e/ou ressalvas.

________________________________________

Economia 1

Velhas barreiras

Falas recentes do presidente americano Donald Trump recolocaram na agenda dos presidenciáveis que concorrem ao Planalto o tema comércio exterior.

As relações de troca entre Brasil e Estados Unidos sempre foram marcadas por pedidos frequentes de mais abertura e facilidades por ambos os lados.

________________________________________

Economia 2

O PIB da transição

O staff mobilizado pelo governo que ficará responsável pela troca de informações assim que o presidente eleito for confirmado está atuando em diversas frentes.

O grupo destacado para reunir o dados macroeconômicos mais relevantes dedicou esta semana especial atenção ao PIB.

Com as recentes revisões (para baixo!) anunciadas por Banco Central e Ipea, crescer menos de 1% em 2018 passou a ser considerado algo realístico.

________________________________________

Agenda

Homenagem - O STF realiza sessão solene para celebrar os 30 da Constituição Federal

Educação - O presidente Michel Temer apresenta hoje a avaliação de Impacto do Programa de Ensino Médio em Tempo Integral

Propaganda - Termina hoje a transmissão do horário eleitoral no rádio e na TV

Nos jornais

Ibope 1 - Pesquisa divulgada ontem mostra Jair Bolsonaro com 32%, Fernando Haddad (PT), com 23%, Ciro Gomes (PDT) com 10%, Geraldo Alckmin (PSDB) com 7% e Marina Silva (Rede) com 4% (todos os veículos)

Ibope 2 - A tendência é de segundo turno entre Bolsonaro e Haddad (PT). Se fosse hoje, haveria empate técnico (todos os veículos)

Fake news 1 - Na reta final da eleição, os conteúdos falsos se multiplicaram nas redes e no WhatsApp. Desde o fim de semana, 11 publicações falsas de grande repercussão - textos, fotos e vídeos - foram desmentidas pelo Fato ou Fake, o serviço de checagem do Grupo Globo (manchete de O Globo)

Fake news 2 - Os eleitores de Jair Bolsonaro (PSL) são os que mais se informam pelas redes sociais. O diretor-geral do Datafolha, Mauro Paulino, acredita que a disseminação de boatos tem ajudado a turbinar a subida do pesselista nas pesquisas (O Globo)

Debate - Jair Bolsonaro (PSL) descartou participar hoje do debate da TV Globo, o último antes do primeiro turno (todos os veículos)

Constituinte - O presidente do STF, ministro Dias Toffoli, criticou as propostas dos presidenciáveis Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) de fazer uma nova Constituição (Folha de S.Paulo e O Globo)

IR - Os quatro candidatos à Presidência mais bem colocados nas pesquisas prometem rever a cobrança do Imposto de Renda. Dizem que os lucros e dividendos pagos a empresários e acionistas deverão voltar a pagar IR (manchete da Folha de S.Paulo)

Câmbio - O segundo dia de euforia levou o dólar a fechar abaixo dos R$ 3,90 pela primeira vez desde 14 de agosto. A moeda americana caiu 1,16%, a R$ 3,8890 (todos os veículos)

Horário de verão - A pedido do MEC, e por causa da realização do Enem, o horário de verão começará em 18 de novembro. A data de início estava prevista para 4 de novembro (todos os veículos)

Energia - A crise hídrica enfrentada pelo país deve levar ao acionamento de mais usinas termelétricas em janeiro, reservando ao próximo presidente um início de mandato em meio a aumentos significativos das tarifas de energia (manchete do Valor Econômico)

Atualizado em: 4/10/2018 09:22

COORDENAÇÃO

FSB Inteligência,

Publicidade