quinta-feira, 26 de novembro de 2020

COLUNAS

Publicidade

Mini-Conto

sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

 

"Ninguém é escritor por haver decidido dizer certas coisas, mas por haver decidido dizê-las de determinado modo."

Jean-Paul Sartre

Ambos chegaram cansados. Sentaram-se num tronco de árvore, deixando as pastas do lado. Afrouxaram a gravata e se puseram a conversar.

- Lembras do Silva ?

- Aquele um moreno, de bigodes ?

- Sem bigodes. O que imitava peixes. Nunca vi imitador igual. Imitava truta, golfinho, bagre ...

- Mas golfinho não é peixe.

- Mas ele imitava golfinho.

- Então ele imitava mais do que peixe.

- Mais do que peixe, mas especialmente peixe : imitava bacalhau, salmão. Imitava lúcio, solha. Imitava lêmure.

- Lêmure é peixe ?

- Sim, lêmure é peixe. Imitava marlim, peixe-serra ...

- Grande imitador, hein ?

- Pois é. Morreu.

- De quê ?

- Afogado.

- Que ironia do destino. O nosso Silva morrer afogado.

E mais não disseram. Dali mesmo levantaram vôo, pasta embaixo do braço. Lá foram eles, em direção ao sul, imitando pássaros. Canários, ou pelicanos. Talvez gaivota ou morcego. Sei lá. Não entendo muito de aves.

Atualizado em: 24/1/2008 13:21

COORDENAÇÃO

Adauto Suannes foi desembargador aposentado do Tribunal de Justiça de São Paulo, membro fundador do IBCCRIM - Instituto Brasileiro de Ciências Criminais, da Associação Juízes para a Democracia e do Instituto Interdisciplinar de Direito de Família.

Publicidade