segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

COLUNAS

Publicidade

Perder de ou perder para?

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

O leitor Antonio Doarte de Souza envia ao autor de Gramatigalhas a seguinte mensagem:

 

"Cada vez com mais freqüência, profissionais da imprensa falam 'O time X perdeu do time Y'. Por entender que quem ganha 'ganha de' e quem perde 'perde para', gostaria de saber se há alguma lógica em 'perder de'... Obrigado pela atenção."

Envie sua dúvida


 

Perder de ou perder para?

 

1) Quando se faz uma indagação como essa - perder de ou perder para? - quer-se saber, em suma, que preposição está a exigir o verbo perder para o seu complemento.

 

2) Esse assunto de relacionamento entre as palavras na frase diz respeito a uma parte da Gramática denominada sintaxe (do grego sin = conjunto + taxe = construção).

 

3) E o capítulo específico da Gramática que trata das preposições exigidas pelo verbo para iniciar seu complemento chama-se regência verbal.

 

4) Em nosso idioma, as questões de construção, ou seja, de sintaxe, são solucionadas pelo uso que nossos melhores autores, desde Camões (1524-1580), fizeram do idioma pátrio. E a expressão melhores autores deve abranger aqueles escritores que empregaram o vernáculo com apuro e zelo.

 

5) Buscar, porém, na obra literária dos nossos melhores autores, como empregaram a regência do verbo perder é como procurar agulha em um palheiro.

 

6) Mas essa pesquisa não é necessária, pois, de um modo geral, estudiosos e gramáticos já realizaram estudos nesse sentido, compilaram milhares de exemplos e sistematizaram, em monografias preciosas, grande parte da sintaxe de vocábulos dessa natureza.

 

7) De modo específico para a indagação feita, o gramático Domingos Paschoal Cegalla ensina que o verbo perder, "na acepção de ser vencido, constrói-se comumente com a preposição de". Ex.: "O Fluminense perdeu do Flamengo".

 

8) Quando se quantifica o resultado do jogo, acrescenta tal autor que se pode usar uma de duas preposições: de ou por. Exs.:

a) "O Santos perdeu do São Paulo de 3 a 2";

 

b) "O Santos perdeu do São Paulo por 3 a 2".

9) E ainda assim finaliza sua lição: "Parece-nos boa também a regência perder para". Exs.:

a) "A Itália perdeu para o Brasil por 3 a 1";

 

b) "Portugal perdeu de 2 a 1 para a Espanha".

10) Em síntese, de modo específico para a indagação feita, tanto se pode dizer perder de como perder para. Vale aqui o princípio de que, quando abalizados autores permitem mais de uma construção, não se deve vedar ao usuário nenhuma delas ("in dubio, libertas").

______  

Atualizado em: 26/2/2008 10:09

COORDENAÇÃO

José Maria da Costa é graduado em Direito, Letras e Pedagogia. Primeiro colocado no concurso de ingresso da Magistratura paulista. Advogado. Mestre e Doutor em Direito pela PUC/SP. Ex-Professor de Língua Latina, de Português do Curso Anglo-Latino de São Paulo, de Linguagem Forense na Escola Paulista de Magistratura, de Direito Civil na Universidade de Ribeirão Preto e na ESA da OAB/SP. Membro da Academia Ribeirãopretana de Letras Jurídicas. Sócio-fundador do escritório Abrahão Issa Neto e José Maria da Costa Sociedade de Advogados.

Publicidade