sábado, 24 de outubro de 2020

COLUNAS

Publicidade

Universidades se comprometem (ou comprometem-se...)?

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Universidades se comprometem (ou comprometem-se...)?

1) Um leitor indaga se está correta a colocação pronominal na seguinte frase: "Universidades se comprometem a não penalizar alunos inadimplentes".

2) Ora, em português, o pronome pessoal oblíquo átono, por não ter força sonora própria, pendura-se, quanto ao som, na sílaba forte do verbo mais próximo.

3) Assim, de acordo com a eufonia, pode o pronome estar em uma de três posições: I) - Próclise (pronome antes do verbo), como em "Não se vá!"; II) - Mesóclise (pronome no meio do verbo), como em "Fá-lo-ei com rapidez"; III) - Ênclise (pronome depois do verbo), como em "Buscou-se uma solução".

4) A par dessa observação, deve-se ver que há determinadas palavras que, se existirem antes do verbo, atraem o pronome: negativas, advérbios, pronomes relativos, pronomes indefinidos e conjunções subordinativas.

5) No caso da consulta, o que se tem é uma oração em ordem direta (sujeito [universidades], verbo [comprometem] e complementos), e não aparece nenhuma daquelas palavras que normalmente atraem o pronome para antes do verbo.

6) Pois bem. Quando se tem uma oração com esses dois requisitos (oração em ordem direta e inexistência de palavra atrativa), então é facultativa a colocação do pronome em próclise ou em ênclise.

7) Por isso estão corretas as duas formas de expressão: I) - "Universidades se comprometem a não penalizar alunos inadimplentes" (correto); II) - "Universidades comprometem-se a não penalizar alunos inadimplentes" (correto).

______

 

Atualizado em: 4/11/2008 15:13

COORDENAÇÃO

José Maria da Costa, é graduado em Direito, Letras e Pedagogia. Primeiro colocado no concurso de ingresso da Magistratura paulista. Advogado. Mestre e Doutor em Direito pela PUC/SP. Ex-Professor de Língua Latina, de Português do Curso Anglo-Latino de São Paulo, de Linguagem Forense na Escola Paulista de Magistratura, de Direito Civil na Universidade de Ribeirão Preto e na ESA da OAB/SP. Membro da Academia Ribeirãopretana de Letras Jurídicas. Sócio-fundador do escritório Abrahão Issa Neto e José Maria da Costa Sociedade de Advogados.

Publicidade