sábado, 16 de janeiro de 2021

COLUNAS

Publicidade

Esculpir ou insculpir?

quarta-feira, 8 de julho de 2009

O leitor Mario Henrique Jensen envia a seguinte mensagem ao Gramatigalhas :

"Caros colegas, Qual a diferença entre os verbos esculpir e insculpir ? Como posso escrever : 'Como está esculpido em nossa Constituição' ou 'Como está insculpido em nossa Constituição'. Obrigado."

Envie sua dúvida



Esculpir ou insculpir?

1) Um leitor pergunta qual a forma correta entre os seguintes exemplos, quanto ao sentido figurado dos verbos esculpir e insculpir: I) Como está esculpido em nossa Constituição; II) Como está insculpido em nossa Constituição.

2) Veja-se, por primeiro, que tanto o esculpir como insculpir são verbos que se encontram registrados no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, editado pela Academia Brasileira de Letras1.

3) Ante tal fato, porque a ABL tem a delegação legal para listar no VOLP os vocábulos que existem oficialmente em nosso idioma, não pode haver dúvida acerca da existência oficial de ambas as palavras em nosso léxico, de modo que a solução do problema se faz por uma consulta ao dicionário, para verificação de seu real sentido.

4) Os dicionaristas dão a mesma origem a ambos os verbos e lhes conferem a ambos o mesmo sentido figurado de gravar, de inscrever. Exs.: I) "A vida de sofrimentos esculpiu um ar de derrota em seu rosto"; II) "Insculpiu-se um herói na estima do seu povo"2.

5) Ante tais ponderações, em resposta específica à indagação da consulta, pode-se dizer que estão corretos ambos os exemplos: I) Como está esculpido em nossa Constituição; II) Como está insculpido em nossa Constituição.

___________________

1Cf. Academia Brasileira de Letras. Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. 4. ed. Rio de Janeiro: Imprinta, 2004. p. 321 e 437.

2Cf. HOUAISS, Antônio, e VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. 1. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001, p. 1.212 e 1.623.

______

Atualizado em: 7/7/2009 09:27

COORDENAÇÃO

José Maria da Costa é graduado em Direito, Letras e Pedagogia. Primeiro colocado no concurso de ingresso da Magistratura paulista. Advogado. Mestre e Doutor em Direito pela PUC/SP. Ex-Professor de Língua Latina, de Português do Curso Anglo-Latino de São Paulo, de Linguagem Forense na Escola Paulista de Magistratura, de Direito Civil na Universidade de Ribeirão Preto e na ESA da OAB/SP. Membro da Academia Ribeirãopretana de Letras Jurídicas. Sócio-fundador do escritório Abrahão Issa Neto e José Maria da Costa Sociedade de Advogados.

Publicidade