segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

COLUNAS

Publicidade

Adjetivos em Latim

terça-feira, 13 de março de 2012

Já tivemos oportunidade de comentar que os adjetivos qualificativos, em Latim, podem ser da primeira classe ou da segunda. E que os da primeira classe seguem a primeira declinação para o feminino (bona) e a segunda declinação, para o masculino e o neutro (bonus, bonum).

 

Os adjetivos da segunda classe, por sua vez, são declinados pelo modelo da terceira declinação dos substantivos, com algumas variações ou particularidades, quanto ao ablativo singular e ao genitivo plural.

 

Serão parissilábicos os adjetivos que tiverem o mesmo número de sílabas no nominativo e no genitivo singular (fortis, fortis: forte; celeber, celebris: célebre).

 

Nos adjetivos parissilábicos o ablativo singular terminará sempre em "i". O genitivo plural, em "ium".

 

Nos imparissilábicos o ablativo singular terminará em "i" ou em "e" e seu genitivo plural, em "um": vetus, veteris: velho; genitivo plural: veterum).

 

Os adjetivos imparissilábicos, cujo radical termine por duas consoantes ou por "c", têm o genitivo plural em "ium", sendo, por isso, declinados como os parissílabos (o radical é determinado, tomando-se o genitivo singular, sem a terminação "is": prudens, prudentis; "prudent-"; genit. plural: "prudentium"; felix, felicis, felicium; radical: felic-).

 

Se os adjetivos qualificam um nome referente a pessoa, o seu ablativo singular terminará em "e". Exemplo: "a viro sapiente": "por um homem sábio". Mas, "consilio prudenti": "por uma sábia (prudente) providência".

 

Aliás, vejo prudente suspender, por aqui, as considerações sobre as declinações dos adjetivos.

 

Não fora por outras razões, sê-lo-ia pelo receio complicar a leitura dos pacientes migalheiros, tornando-a mais enfadonha do que já é.

 

Ou, então, correria o risco de acontecer comigo o que sucedeu com Johannes van Pauteren (1460-1520), cuja forma latina do sobrenome era 'Despauterius', "gramático flamengo cuja obra permaneceu em uso do século XVI ao XVIII, em especial na França, e ganhou fama de confusa e obscura" (cf. Aurelio, Nova Fronteira, 3ª ed., p.661) e deu origem ao vocábulo "despautério".

 

Tratava-se de uma excelente gramática latina, mas excessivamente recheada de regras e pontilhada de exceções.

Atualizado em: 13/3/2012 07:51

COORDENAÇÃO

Silvio Teixeira Moreira foi desembargador do TJ/RJ, ex-promotor de Justiça do MP/SP, ex-professor de Latim e advogado criminal.

Publicidade