terça-feira, 19 de janeiro de 2021

COLUNAS

Publicidade

Meu chefe, o preguiçoso

sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

O amigo XXXXX (ele pediu para não ser identificado) comenta:

"Meu chefe direto é uma daquelas pessoas que cobra muito e não dá exemplo nenhum, chega tarde, sai cedo. Para você ter ideia toda sexta é feriado para ele, nunca vem. Assume um compromisso e dá uma desculpa qualquer para passar para outra pessoa a responsabilidade, esse tipo de pessoa. Eu faço tudo sozinho. Como posso ser percebido pelo sócio majoritário e crescer no escritório se tenho que me reportar direto a ele?".

XXXXX, obrigado pela sua pergunta. Infelizmente você está em um dos piores cenários possíveis. O proativo querendo crescer abaixo hierarquicamente do preguiçoso. Para falar a verdade, o cenário de ter pessoas que atingiram cargos altos e depois se acomodaram é bastante comum em alguns escritórios. Então vamos lá. Partindo da premissa que para o escritório estar rodando da maneira adequada todos precisam fazer sua parte e do princípio apontado de que seu chefe não está fazendo a dele, vou comentar algumas situações abaixo e você vê qual encaixa em sua realidade.

O escritório está indo bem e o sócio principal nem te conhece: nesse cenário imagino que seu chefe está pegando todo seu trabalho e apresentando ao "big boss" como se fosse dele. Apesar de teoricamente ele poder apresentar um trabalho em nome da equipe que ele coordena, um bom chefe deveria apontar as pessoas que mais se destacaram e que mais ajudam no dia a dia. Se isso não acontece, provavelmente existe um medo escondido de perder o posto dele para você. Nesse caso, uma conversa aberta, mostrando seu descontentamento e necessidade de crescer e ser reconhecido no escritório talvez ajude. Se ele não mudar e o abuso continuar por muito tempo, monte uma apresentação com todos os trabalhos/resultados e tente uma rápida conversa com o sócio. Qualquer dono de escritório fica mais do que feliz em saber que existe um colaborador que está disposto a botar a mão na massa e tem vontade de crescer no escritório.

O escritório está indo bem e o sócio principal conhece seu trabalho: nesse cenário provavelmente você está deixando passar alguma coisa. Mesmo com a visualização de preguiçoso que seu chefe apresenta, ele deve estar contribuindo com mais do que você possa perceber. Ignorando qualquer possibilidade de politicagem e/ou rabo preso, provavelmente esse seu superior deve ter alguma qualidade despercebida por você e importante ao escritório. Ninguém se mantém em um posto (novamente, ignorando o lado corrupto da coisa) se não tem qualidade e apresenta resultados. Se o sócio majoritário conhece seu trabalho sem você ter contato com ele, significa que o seu próprio chefe apresentou as soluções indicando que foi você quem realmente se esforçou para que aquilo acontecesse. Nesse caso, tente passar um pouco por cima da imagem que você tem de seu chefe e alinhe-se cada vez a ele. Se ele é uma pessoa que faz seu nome para o maioral, se tornar o braço direito dele é o passo correto para sua subida no escritório. Mais cedo ou mais tarde o sócio entenderá que sua evolução é eminente, devido ao bom trabalho feito e noticiado pelo seu chefe.

O escritório está indo mal e o sócio principal desconhece seu trabalho: aqui o cenário é crítico. Se prepare para o pior pois os primeiros a serem "cortados" são os que justamente não apresentaram bons resultados. Se o sócio não tem ciência dos seus resultados, provavelmente você será um dos primeiros. Nesse caso extremo, uma conversa direta com o sócio, apresentando um plano concreto de como tirar o escritório do sufoco pode ser uma virada interessante em sua carreira. 

Resumindo: muitos colaboradores acreditam que é só fazer um bom trabalho e pronto, mas aqui o marketing se aplica também: se você não mostrar aos donos do negócio como você está ajudando o crescimento do escritório, eles nunca vão conseguir ver sozinhos. Tente então, sempre, mostrar resultados, não apenas para seu superior imediato, mas para todos os responsáveis da banca.

Espero ter ajudado.

Confira toda sexta-feira a coluna "Marketing Jurídico" e envie suas dúvidas sobre marketing jurídico, gestão de escritórios,  cotidiano dos advogados empreendedores ou dúvidas gerais sobre o dia a dia jurídico por e-mail (com o título Coluna Marketing Jurídico) que terei um grande prazer em ajudar.

Bom crescimento!

Atualizado em: 4/12/2020 08:51

COORDENAÇÃO

Alexandre Motta é consultor e sócio diretor do Grupo Inrise. Com formação e pós-graduação em marketing pela ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing), atuou durante cinco anos em escritório jurídico como responsável pela área de desenvolvimento de negócios e comunicação com clientes. É palestrante oficializado pela OAB (tendo recebido inclusive a Medalha do Mérito Jurídico), escreve artigos de relevância para o mercado atual e é autor dos livros "Marketing Jurídico - Os Dois Lados da Moeda" e "O Guia Definitivo do Marketing Jurídico". Apresenta também o programa de entrevistas Conversa Legal, focado na interatividade dos profissionais do setor jurídico. Desde 2002 mantém, através de sua consultoria, uma clientela de inúmeros escritórios jurídicos sob sua responsabilidade de atuação e crescimento em marketing ético.

Publicidade