terça-feira, 1 de dezembro de 2020

COLUNAS

Publicidade

Política & Economia NA REAL n° 144

terça-feira, 22 de março de 2011

Economia : está difícil convencer

Em entrevista exclusiva à repórter Claudia Safatle, do jornal "Valor Econômico" de quinta-feira, tema depois repetido no mesmo dia em MG, Dilma Rousseff fez questão de enfatizar, mais de uma vez, que não tergiversará com a inflação. O objetivo era quebrar a desconfiança entre os "formadores de preços na economia", de que a política antiinflacionária com um crescimento razoável é exequível. Quem não é da economia oficial duvida que seja possível segurar o aumento geral de preços perto dos 4,5% do centro da meta este ano e ao mesmo tempo fazer o PIB subir próximo de 5%. Os dois objetivos seriam incompatíveis, no momento, segundo os analistas. A maioria diz que ou se derruba a economia, ou a inflação vai ficar inquietantemente alta. E pelo que desenha a pesquisa Focus do BC, divulgada ontem, Dilma não foi bem sucedida inicialmente em seu propósito. Os analistas financeiros reduziram a projeção de crescimento do PIB em 2011, de 4,10% para 4,03%, e elevaram a projeção da inflação (IPCA) de 5,82% para 5,88%. O pior dos mundos possíveis : preços mais altos e crescimento menor. E é na economia que Dilma joga as fichas de seu governo, bem avaliado pelos brasileiros até agora. Terá de matar alguns tigres para inverter os sentimentos econômicos da maioria. Não será fácil ganhar simpatias somente na conversa.

Purgatório

Além das nuvens econômicas de pouco peso ainda, o céu de brigadeiro da presidente começa a ser levemente tisnado no Congresso. É maior do que transparece a insatisfação dos parlamentares com o corte de R$ 18 bi de emendas. O próprio ministro das Relações Institucionais, Luis Sérgio, em entrevista ao "Valor Econômico", está alertando para um problema que ele classifica de muito sério - Sérgio é a favor do pagamento das emendas. E tem mais : o projeto do presidente do Congresso, José Sarney, mudando as regras das MPs, proposta que não agrada nem ao governo nem à Câmara.

Céu

No momento, para enfrentar essas turbulências, Dilma tem um trunfo de valor : a aceitação de seu governo nos seus primeiros três meses. Segundo o Datafolha, igual à de Lula e melhor do que as de Collor, Itamar e FHC no mesmo período. Poucos parlamentares e partidos abrirão divergências públicas com o governo nessas circunstâncias. Dilma terá paz até para continuar tratando as nomeações do segundo escalão à conta-gotas.

Pergunta incômoda

Em breve teremos mais medidas governamentais de restrições à oferta de crédito com o objetivo de reduzir a demanda e conter a inflação. Há uma pergunta que merece reflexão e sobre a qual não se sabe a resposta : há uma "bolha" se formando no mercado imobiliário brasileiro ? Depois de tanta valorização dos imóveis e da corrida dos bancos para financiar projetos, melhor investigação o assunto merece. Sobretudo quando vemos o exemplo dos EUA, onde o setor imobiliário passou anos como a vedete do impulso econômico e depois foi o carrasco da quebra do sistema financeiro. O BC em suas pesquisas econômicas analisa o setor ? O que pensa a respeito ?

Japão : possível impacto

Economistas do mundo inteiro parecem ter chegado ao consenso de que o impacto direto dos desastres ambientais do Japão gravitam entre 0,2% e 0,3% do PIB. Se se considerar o impacto indireto resultante da deterioração das expectativas, o PIB poderia cair até 1%. Esta última expectativa, contudo, é uma espécie de "bola de cristal científica". De toda a forma, o Japão deixa de ser relevante para a recuperação mundial este ano, do ponto de vista positivo. Contará do lado negativo. O maior perdedor deste processo são os EUA no campo internacional.

Petróleo, Líbia e mercados

Está se consolidando no mercado internacional a idéia de que os preços do barril do petróleo vão ficar ao redor de US$ 100. Atrás desta cotação virá uma tsunami de reavaliações de expectativas acerca da recuperação da maior economia mundial, os EUA, bem como as principais economias. Isto vai coincidir com a temporada de publicações dos resultados corporativos nos principais mercados mundiais. A volatilidade é para cima. Quase sem nenhuma dúvida.

Panamericano

O tempo passa e as informações sobre a operação de aquisição do Banco Panamericano pelo BTG permanecem obscuras. Ninguém parece lembrar mais do assunto. Terá sido esta a estratégia dos envolvidos na operação ? Até mesmo vale a pena perguntar : quem são os envolvidos ?

Radar NA REAL

18/3/11 TENDÊNCIA
SEGMENTO Cotação Curto prazo Médio Prazo
Juros ¹
- Pré-fixados NA alta alta
- Pós-Fixados NA alta alta
Câmbio ²
- EURO 1,4214 alta alta
- REAL 1,6637 estável/queda estável/queda
Mercado Acionário
- Ibovespa 66.879,93 baixa estável/alta
- S&P 500 1.279,20 estável/alta alta
- NASDAQ 2.643,67 estável/alta alta

(1) Títulos públicos e privados com prazo de vencimento de 1 ano (em reais).
(2) Em relação ao dólar norte-americano
NA - Não aplicável

Brasil - EUA : o real e o simbólico

Do ponto de vista político e diplomático, a visita do presidente Barack Obama ao Brasil foi um sucesso para os dois países e para os dois presidentes. Obama deu seus recados ao mundo, foi simpático, conquistou. Dilma e a sua diplomacia passaram no primeiro teste de valor, com louvor, mesmo não se tendo arrancado do presidente dos EUA uma declaração enfática a respeito da vaga permanente para o Brasil no Conselho de Segurança na ONU. O "apreço" foi pouco. Mas o Brasil pode comemorar o reconhecimento de sua importância política e econômica no mundo. Do ponto de vista comercial, para o Brasil, se resultados houver serão "apreciados" apenas no longo prazo. Além de protocolares referências à cooperação, nada de concreto nas relações comerciais, na abertura maior do mercado americano para os brasileiros. Mesmo com a cobrança efetiva de Dilma, no discurso no Palácio do Planalto e, depois, na conversa reservada entre os dois, segundo relato de autoridades brasileiras.

Pelo contrário

Muito diretamente, o secretário de Comércio de Obama, Gary Locke, em entrevista exclusiva ao jornal "O Estado de S. Paulo", em resposta às queixas brasileiras, disse que "há poucas barreiras para exportar para os EUA" e aconselhou o Brasil a "focar no comércio com o mundo, e não país a país". Sob esse aspecto a viagem foi útil também para Obama. Ele apareceu para seu público interno, em entrevista antes da viagem e no encontro com empresários como defensor das empresas norte-americanas e seus negócios no Exterior e dos 250 mil empregos que as exportações para o Brasil geram por lá. Obama veio ser simpático e vender. E cumpriu seu papel. Neste campo, o Brasil vai ter de ir à luta, não deve esperar "apreço" pelas pretensões de tornar o comércio entre os dois países mais igual. Em tempo : a viagem de Obama foi recebida sem nenhum entusiasmo pela imprensa americana.

Dilma e Patriota mostram novo estilo

Antonio Patriota conseguiu grandes vitórias na visita de Obama, mesmo que sob o silêncio diplomático. O velho estilo pragmático e estratégico do Itamaraty está de volta. Muito em razão do novo chanceler, mas também devido à discrição e sobriedade de Dilma, algo distante do estilo "star" de Lula.

Lula ausente

Lula não faltou somente ao almoço com Obama. Faltou também com a gentileza necessária à diplomacia. A estocada de Obama veio com elegância : citou o antigo presidente sem dizer seu nome no discurso do Teatro Municipal do RJ. Lula parece não dividir palco com ninguém. Quer ser astro solitário.

Lula e política doméstica

O primeiro papel que Lula se atribui na política foi preparar o PT para as eleições municipais. A intenção é levar o partido ao país inteiro, lançar o máximo possível de candidatos. Sem, contudo, desprezar as alianças com os aliados, tida como bem sucedida por ele, nas eleições de outubro passado. Nem todo o PT concorda com isso - que o diga o de MG - mas a influência de Lula e seu prestígio externo devem quebrar qualquer resistência. Especificamente para SP, Lula estaria procurando uma novidade, capaz de abalar a força dos tucanos na capital. A ser posta em prática esta opção, os eternos candidatos Marta Suplicy e Aloizio Mercadante estariam fora do jogo.

O PMDB está em outra

O PMDB não comunga da tese de Lula de preservar no máximo nas eleições municipais o esquema das coligações nacionais e estaduais de 2010. O objetivo do partido é lançar o máximo de candidatos competitivos às prefeituras em 2012. Entende-se : é da força de uma miríade de prefeitos e vereadores em todo o Brasil que o partido pretende manter seus espaços em 2014. O PMDB precisa disso para enfrentar os aliados PT e PSB na repetição da coligação Federal de 2010. Afinal, o PT agora é mais forte na Câmara e o PSB tem mais governadores, além da chance de crescer mais com a incorporação da costela que Kassab está tirando da oposição.

A nova social democracia de Kassab

Lançado o partido, o prefeito Gilberto Kassab começa a enfrentar de fato os primeiros obstáculos para botar de pé um partido com força suficiente como ele pretende para disputar as eleições municipais de 2012 sem dar vexame. Terá de enfrentar contestações nos tribunais, garantir bom tempo na televisão, e naturalmente, reunir quase 500 mil assinaturas de eleitores em pelo menos nove Estados (entre eles, o Distrito Federal). Isso tudo ate o início de outubro. Só assim quebrará a desconfiança de muitos políticos que até gostariam de trocar de partido, mas não querem correr riscos de impedimento eleitoral. Kassab não deve contar com grandes incentivos, mesmo do governo que quer esvaziar mais ainda da oposição. A participação do PT baiano na festa de domingo em Salvador não vai se repetir. Há desconfianças de todos os lados em relação aos propósitos futuros do prefeito, do PSDB e do DEM ao PT, do PMDB até ao possível futuro aliado, o PSB.

Inferno

Kassab saiu a campo num momento particularmente indigesto, quando a rejeição a seu governo no município de SP sobe 12 pontos em apenas quatro meses - de 31% para 43% (Datafolha). E a administração paulistana é o maior dote que Kassab pode levar para a nova legenda.

A oposição no purgatório

DEM, PSDB e mesmo o PPS conseguiram em princípio estancar a sangria que o partido de Kassab poderia abrir em suas bases. Mas eles não estão tranquilos, um segundo round pode ocorrer se Kassab avançar. E o governo de Brasília emite bons sinais para um grupo nem tão pequeno de insatisfeitos e de alguns com comichões governistas. O contra-ataque pode ser a tentativa de fundir as três siglas em torno de um partido único. Desde o meio da semana passada se fala nessa possibilidade. Antes, porém, DEM e PSDB precisarão fazer fogo morto de suas fogueiras de vaidade internas. Tudo para vencer o boicote natural dos governistas do PT e do PMDB.

Ele ainda tem muito que aprender

Deu na coluna da Mônica Bergamo na Folha. Dispensa comentários : "O deputado Tiririca (PR/SP) tem sido um dos mais econômicos. Gastou só R$ 42,03 em março, com 'serviços postais'. Em janeiro pediu reembolso de R$ 519 por duas passagens aéreas - sendo que uma custou R$ 80. O deputado Valdemar Costa Neto (PR/SP), que introduziu Tiririca na política, gastou R$ 17,6 mil em janeiro, com escritório, seguranças e telefonia".

E eles não aprenderam

A um mês da licitação do discutível trem bala, o governo aumenta as pressões para que as empresas privadas engrossem os consórcios concorrentes ou formem novos. As estatais e os fundos de pensão já foram enquadrados. É um movimento parecido com o realizado no leilão da Usina de Belo Monte. Que já está dando confusão. O Grupo Bertin, incentivado a entrar no negócio, nem mesmo com a ajuda do BNDES, conseguiu bancar a sua parte e já saiu do consórcio. Agora corre-se para arranjar um novo sócio, com pressões a grandes grupos, entre eles a Vale.

____________

Atualizado em: 22/3/2011 07:16

COORDENAÇÃO

Francisco Petros é advogado, sócio responsável pela área societária, compliance e de governança corporativa do escritório Fernandes, Figueiredo, Françoso e Petros Advogados. Economista e pós-graduado em finanças. Trabalhou por mais de 25 anos no mercado de capital, em instituições financeiras brasileiras e estrangeiras. Foi presidente da APIMEC - Associação Brasileira dos Analistas e Profissionais de Investimentos do Mercado de Capitais (2000-2002).

José Marcio Mendonça é jornalista e comentarista político; editou o Caderno de Sábado, o suplemento de Cultura do Jornal da Tarde e foi chefe de redação da sucursal de Brasília dos jornais: O Estado de S.Paulo e Jornal da Tarde. Apresenta: A Palavra de Quem Decide na Rádio Eldorado e escreve para o Portal Estadão e no Blog: A Política como Ela é.

Publicidade