terça-feira, 2 de março de 2021

COLUNAS

Publicidade

Porandubas nº 344

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Abro a coluna com uma historinha do prefeito de Itapetininga/SP, Joaquim Aleixo Machado, entre os anos de 1964 e 1969.

Aleixo aguardava para falar com o governador do Estado de São Paulo. Tomou um chá de cadeira. Ante a excessiva demora, foi cobrar explicações da recepcionista :

- Puxa, eu já estou aqui há mais de 3 horas e ele não me chama ?

-... Pois é, sr. Aleixo, é que chegou um pessoal de Brasília...

- Ah... Mas que bom... Diga a ele que tenho preferência. Eu vim de Opala ! (Enviada por Lucélio de Morais)

Campanha nas ruas

2013 está sendo aberto pela ventania de 2014. A presidente Dilma Rousseff decidiu sair da toca. Começou a campanha da reeleição pelo Nordeste. Coisa planejada. Pois é a região que melhor avalia o desempenho da mandatária, na esteira de grande admiração que o povo tem por Lula, considerado pelos nordestinos O Pai dos Pobres. Dilma, nos últimos dias, correu Estados, olhando canteiros de obras, puxando a orelha de gestores, vestindo gibão de couro, abraçando um, cochichando com outro. A visita ao NE faz parte de sugestões feitas por Lula.

Destravamento da gestão

Diz-se, à boca pequena, que Lula teria aconselhado sua pupila a destravar a gestão. São evidentes os sinais de que a administração federal está emperrada. De cerca de 80 obras ligadas à Copa, apenas umas 5 estariam atendendo ao cronograma. Há queixas contra o estilo centralizador da presidente. O medo campeia na Esplanada dos Ministérios. Ministros temem tomar decisões, principalmente quando estão envolvidos altos volumes de verbas. A liturgia da benção é cobrada com muito rigor : os pedidos entram pelos vãos da Casa Civil, sobem aos olhos da ministra Gleisi, que consulta seus técnicos e, depois de tudo isso, caem sobre a mesa da presidente.

Quem manda na fazenda ?

O empresariado, à vista do calendário defasado de obras e contemplando as querelas internas no Ministério da Fazenda, põe o pé no freio. Os investimentos entram em refluxo. Quem manda na Fazenda ? Guido Mantega ? Não é a percepção dos empresários. Nelson Barbosa, o secretário-executivo ? Pode ser, mas, nos últimos tempos, o Arno Augustin (é o que se ouve) passou a ser a extensão do pensamento da presidente. Há uma disputa intestina em torno da cadeira hoje ocupada por Mantega. Barbosa seria o sucessor natural, mas teria perdido a força extraordinária acumulada ao longo dos últimos anos. Há quem veja em Nelson Barbosa uma faceta mais ligada ao mercado; e há quem identifique em Augustin a faceta colada no Estado mais intervencionista.

Dilma e os empresários

Um dos conselhos de Lula para Dilma teria como foco articulação mais intensa da presidente com os empresários. De fato, nas últimas semanas, observou-se uma agenda mais voltada para setores produtivos. Grandes empresários teriam sido convocados para uma conversa com a presidente, sob temáticas abrigando investimentos, infraestrutura, concessões, PPPs, etc.

Campos desenha a esfinge

Também é fato que o governador Eduardo Campos, de PE, que preside com mão de ferro o PSB, abriu agenda de articulação com o alto empresariado nacional. Estaria buscando apoio e simpatia para sua eventual candidatura à presidente da República em 2014. Campos foi o maior beneficiário do pleito municipal. Seu partido pode ser considerado o maior vitorioso. Conta, hoje, com cerca de 500 prefeituras. E domina espaços importantes, inclusive algumas capitais. Pernambuco, por seu lado, foi transformado, no ciclo lulista, em grande canteiro de obras. Daí a boa avaliação interna do governador socialista. Que aprecia vestir-se de esfinge.

Morde e assopra

Eduardo Campos morde e assopra. De um lado, faz fortes críticas às diretrizes econômicas da administração federal, assume a vanguarda da luta pela repactuação da Federação - visando maior equilíbrio entre os entes federativos - pede mais agilidade no processo decisório. De outro lado, reafirma seu apoio incondicional (?) à reeleição da presidente Dilma em 2014. E lembra : a porta deve ter uma fresta aberta para permitir eventual voo próprio em 2014. O que segura Eduardo Campos na base governista é a interrogação que se faz sobre os horizontes econômicos. Se a locomotiva descarrilar, ele pulará fora do trem e sairá como candidato em 2014. Se o bolso das massas continuar suprindo bem o estômago, Dilma não será abalada. Nesse caso, o neto de Miguel Arraes permanecerá no trem situacionista. Com os olhos contemplando a paisagem de 2018.

Aécio e Eduardo

Fala-se também numa chapa envolvendo Aécio Neves e Eduardo Campos. Seria possível ? Em política, tudo é possível. Ocorre que Eduardo Campos teria melhores chances como cabeça de chapa do que Aécio Neves. Agregaria mais partidos situacionistas. Aécio ficaria sob o escudo exclusivo do PSDB. Até o DEM pensa em abandonar a parceria com os tucanos. Agora, para Eduardo Campos, o melhor cenário seria o de quatro candidaturas : a situacionista (Dilma), a oposicionista (Aécio), a dele, com uma marca de independência no meio, e uma alternativa, como a da Marina Silva, por exemplo. Claro, esse cenário só seria favorável a ele na perspectiva de uma economia no fundo do poço.

E Alckmin, hein ?

Geraldo Alckmin passa um pente fino no governo. Cria novas áreas na administração. Entre elas, um setor responsável para verificar ações prioritárias e fiscalizar obras. Controle da gestão.

E Cabral, hein ?

Já o governador do RJ, Sérgio Cabral, quer deixar o cargo meses antes do termino do governo. Para que ? Espera ser chamado pela presidente Dilma para comandar uma Pasta. Cabral, porém, não é unanimidade no PMDB.

E Paes, hein ?

O prefeito do RJ, Eduardo Paes, só pensa em tirar proveito dos eventos esportivos que terão a bela capital carioca como cartão postal. E o que quer com isso ? Ampliar a visibilidade e jogar seu nome no elenco de eventuais candidatos do PMDB à presidência da República em 2018. Paes, igualmente, não fecha muitas oposições em torno dele. É o maior papagaio de pirata do partido.

E Haddad, hein ?

Intenciona fazer uma administração de impactos. Vai ajudar Lula a alavancar o PT e viabilizar a candidatura petista ao governo paulista em 2014. A administração serviria de base de decolagem do candidato petista. O prefeito de SP enfrentou a primeira greve em 23 dias de gestão : motoristas e cobradores de ônibus da empresa Transppass paralisaram atividades na manhã de ontem na zona oeste de SP. Mas a greve acabou. Haddad pensa em aplicar multa à concessionária do serviço. A conferir.

O candidato do PT

E quem seria o candidato do PT ao governo de SP em 2014 ? Os nomes em especulação são estes : Aloysio Mercadante, ministro da Educação; Alexandre Padilha, ministro da Saúde; Marta Suplicy, ministra da Cultura; Luiz Marinho, prefeito de São Bernardo do Campo. Leituras : Mercadante é perfil polêmico, considerado raivoso, velha carta marcada e desgastada; Padilha, que contaria com a preferência de Lula, não tem bons resultados a apresentar na Saúde; Marta é a "eterna" candidata e com alto índice de rejeição; Marinho é perfil ainda tosco para os fortes setores médios. Não tem carisma, ao contrário de Lula.

Apartidarismo

Subiu o número de brasileiros sem partido político. Pesquisa do Ibope mostra queda na popularidade do PT. Entre 2010 e 2012, o partido perdeu quase 10 pontos porcentuais na preferência do eleitorado. Pela primeira vez desde 1988, o número de brasileiros apartidários superou o de pessoas que afirmam ter preferência por legendas. No final de 2012, 56% das pessoas diziam não ter nenhuma preferência partidária, contra 44% que apontavam preferência por alguma legenda.

52 mil a menos

A indústria paulista encerrou 2012 com 52,5 mil vagas a menos. Recuperação em 2013 fica abaixo das perdas. Dados da FIESP/CIESP. O presidente Paulo Skaf põe na agenda a prioridade para o Brasil recuperar a competitividade. Argumenta : "Para isso, é muito importante o fortalecimento da indústria. Nela estão os melhores empregos e os melhores salários".

Folclore mineiro

Pequenos relatos enviados por Adauto Francisco do Amaral, contabilista e advogado.

Juscelino Kubitscheck sabia que não podia contar com Café Filho, o vice que assumiu a presidência da República após o suicídio de Vargas, em 1954. Irritado com Café Filho, JK conversou com um governador nordestino, muito curioso.

- Doutor Juscelino, qual é, em toda essa história, a posição do Café ?

- Qual Café ? O vegetal ou o animal ?

Tancredo Neves era ministro da Justiça. Vargas caiu da presidência da República tragicamente, em 1954, Tancredo deixou a Pasta da Justiça, e outro mineiro, José Monteiro de Castro, assumiu o poder como Chefe da Casa Civil. Tancredo destinou-lhe este telegrama :

- Mais amigos do que nunca, mais adversários do que nunca.

Candidato a governador em 1982, Tancredo enfrentava estrada esburacada, a bordo de um velho jipe dirigido por um motorista estouvado e prosa.

- Doutor Tancredo, como nóis sofre !

- Nóis sofre sim, mas ganhando a eleição, nóis vai mandá.

Último de Carvalho, mineiro do PSD, fustigava Dnar Mendes, eleito deputado pela UDN, na Assembleia Legislativa. Numa tarde, para encerrar um debate, Último decretou :

- Para mim Vossa Excelência não existe mais. É um homem morto !

Na tarde do dia seguinte, Último discursava, Dnar levantou a mão :

- Vossa Excelência me permite um aparte ?

- Vá baixar noutro centro !

Conselho à presidente Dilma

Esta coluna dedica sua última nota a pequenos conselhos a políticos, governantes, membros dos Poderes e líderes nacionais. Na última coluna, o espaço foi destinado aos novos prefeitos. Hoje, volta sua atenção à presidente da República :

1. A hora sugere puxão geral de orelhas nos gestores/coordenadores de frentes de serviços e obras. Afinal, por que o cronograma de obras está atrasado ?

2. A ideia de ir a campo conferir in loco as obras em andamento é boa. Mas o simples aparato de marketing pode ser um bumerangue se providências não forem tomadas para colocar o trem nos trilhos.

3. Transparência, objetividade, controles rígidos, atribuição de responsabilidades, punição aos faltosos - eis os conceitos que devem balizar a administração federal nesse momento de dúvidas sobre a performance do Brasil nos eventos esportivos em perspectiva.

____________

Atualizado em: 15/1/2013 09:37

Publicidade