terça-feira, 27 de outubro de 2020

COLUNAS

Publicidade

Porandubas nº 128

quarta-feira, 23 de janeiro de 2008

A FESTA DOS CACIQUES

Já se sabe que o PSDB é um partido de muitos caciques e poucos índios. O maior cacique se chama Fernando Henrique Cardoso e é dele "o pensamento estratégico" que inspira a sigla. O dicionário do ex-presidente da República recomenda que o partido, na maior capital do país, ceda lugar ao DEM no pleito municipal deste ano. Defende o apoio ao atual prefeito Kassab. E recomenda que Geraldo Alckmin se resguarde para a candidatura ao governo do Estado em 2010, tomando o lugar de Serra, que se candidatará à presidência da República. O pacote fernandista teria sido aprovado e o bolo das comemorações está em vias de ser oferecido ao ex-governador Geraldo. Que ainda não manifestou intenção de (a)prová-lo.

UM BOLO INDIGESTO

O erro "estratégico" de FHC é pensar que a política é uma ciência exata. Imagina que funciona como a agulha hipodérmica. Com uma simples injeção o paciente melhora. Não é bem assim. O amanhã na política pertence ao mundo do imponderável. Ninguém garante que Serra terá a vaga. Aécio Neves não deixará que o rolo compressor fernando-serrista passe por cima do tucanato que habita as florestas acima de São Paulo.

ARTHUR EM VIGÍLIA

Para complicar a equação FHC+JS, há o fator Arthur Virgílio. O líder do PSDB no Senado até pode não ter voto na bancada, mas tem uma voz poderosa. Que ronca nos alvoreceres e entardeceres partidários. Nas páginas amarelas da revista Veja, lançou seu nome às prévias do partido para a Presidência da República em 2010. Tem dito e repetido que não arredará pé da pré-candidatura. Ele, Aécio e o próprio senador Sérgio Guerra, presidente do PSDB, querem evitar a hegemonia paulista no mando/comando do tucanato. Pelo visto, apostam na idéia de que o partido precisa mais de índios do que de caciques. Por isso, a candidatura de Geraldo Alckmin, voltada para conquistar mais índios, tem ainda alguma chance.

AINDA A BOMBA DE SERRA

A CVRD - Companhia Vale do Rio Doce, que agora assina apenas como Vale, acaba de cancelar contrato com uma das empresas participantes da licitação em curso no Metrô por questões técnicas. A empresa iria implantar na Vale um sistema mais simples do que o previsto para o Metrô, na medida em que atenderia trens de carga com menor freqüência operacional. Tudo indica que a descontratada procura oferecer uma tecnologia que ainda não domina.

QUE GRANA, HEIN ?

Sabem quanto foi a arrecadação de impostos em 2007 ? Anotem : R$ 596,984 bilhões. Crescimento real de 12,19%, descontada a inflação. Ou seja, o montante cresceu R$ 64,88 bilhões, bem mais que os R$ 37,27 bilhões arrecadados, em 2007, com a CPMF.

CHIQUE E CHOQUE

Desfile de moda faz parte das coisas chamadas chiques. E chique tem parentesco com charme. Agora, fazer desfile de moda defronte ao esgoto do rio Tietê é coisa pra chocar. Portanto, o choque ganhou do chique. O evento chama a atenção, sim, pelo aspecto da denúncia contra a poluição e a escassez de água. Os convidados, chiques, viram o desfile em um barco chique de três andares. Mas o que ficou gravado foi o choque de roupas escorregando e um mau cheiro que alimentará o tricote das modelos por muitos e muitos anos. Ganha um vestido da Cavalera quem souber descrever um dos modelos exibidos.

MARTA NA ARQUIBANCADA

Marta Suplicy é a única petista que tem condições de ganhar a Prefeitura paulistana. Basta que tucanos e demos entrem na arena dispostos a uma luta de vida ou morte. Não será impossível estabelecer um pacto de não agressão, acenando com a hipótese de apoio recíproco em eventual segundo turno. É pouco provável que um dos três candidatos (Marta, Alckmin e Kassab) leve a melhor no primeiro turno. Na segunda rodada, é mais provável que os contendores sejam o tucano e a ministra.

O IPTU DOS CARIOCAS

No Rio de Janeiro, habitantes de bairros elegantes fazem campanha contra o prefeito César Maia com a decisão de não pagar o IPTU. Dizem que a cidade está esburacada e, mais, que a Prefeitura não toma providência contra o crescente "enfavelamento" da bela capital. A questão é saber se esse movimento tem motivação cívica (o que seria elogiável) ou política. Será que a campanha eleitoral ali já está começando ? Imagine se a população dos 5.564 municípios brasileiros decidisse não pagar IPTU em ano de eleição. A revolta civil é arma poderosa. Destrói um governante.

CONSELHÃO ? PARA QUÊ ?

Se os conselhos dados pelo pomposo Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social não são ouvidos e nem aceitos pelo Governo, por que mantê-lo ? Os conselheiros não são ouvidos. Empresários importantes simplesmente deixaram de comparecer às reuniões. Lula ouve muito, mas só presta atenção ao que é expresso por sua própria boca.

ESCRAAAAACHA !

A história da política brasileira, em qualquer esfera e em qualquer Unidade federativa, é rica de perfis, histórias e estórias, casos e causos. Nunca, porém, chegou a um nível tão baixo de linguagem. No Rio de Janeiro, o deputado Wagner Montes, do PDT, que lidera as pesquisas de opinião para a Prefeitura carioca, é um apresentador de TV que escolheu como bordão o grito de guerra: ESCRAAAAACHA. É a política brasileira vivendo a plenitude de seu escracho.

O FUTURO DE FIDEL

Os cubanos decidirão nas próximas semanas o destino de Fidel Castro. Determinarão se continuará de pijama - aliás, vestido com o roupão esportivo Adidas - ou se deverá vestir o uniforme verde do Exército. Trata-se de uma decisão consciente, cívica, autônoma, indiscutível, irremovível. As pesquisas indicam que ele continuará a ser o manda-chuva, seja qual for o traje vencedor.

LULA E FIDEL

Lula disse que gostaria de ficar tão lúcido quanto Fidel no dia em que uma doença o afastar das lutas cotidianas. Uma questão intriga : o nosso presidente fez um elogio à lucidez de Castro ? Um elogio ao simbolismo encarnado pelo perfil do ditador ? Uma homenagem ao homem doente que o recebeu para uma sessão de fotos e conversa para amaciamento de egos ? Ou simplesmente quis dizer que Fidel não está tão doente, podendo, logo, reassumir as funções de comandante-chefe da Revolução cubana ?

PRIMEIRO ATO, VIVO

Ligo para a Vivo para me informar sobre o uso do celular em Natal (RN). No final do ano passado, não conseguira telefonar dali com um aparelho da concessionária. Ligo *8486 para ouvir uma disparada de encaminhamentos : disque 1, 2, 3, 4, 5 e 6. Escolho uma opção e me deparo com mais números. Outra opção e, de novo, números em série. Falo com a atendente. Que faz novos encaminhamentos. Ao final, o último atendente manda que ligue de Natal, quando lá estiver, de um aparelho fixo, para o telefone 1058. Lembro que já fizera isso e não dera certo. Pede um momento, por favor. Arremata : se o senhor tiver um aparelho triband ou quadriband, não haverá problema. Informo a marca do aparelho. A moça diz : "É quadriband. Não tem problema". Digo : "Tem. Não consegui falar com ele". Ela : "Tente de novo".

SEGUNDO ATO, MORTO

Tento, agora, desvendar o imbróglio de um aparelho fixo, em São Paulo. Ligo para o número 1058. Depois de longa espera, aparece a primeira atendente. Repito a história. Passa para a segunda atendente. Refaço a história. Ela pede novos momentos. Responde : "se o senhor tiver triband ou quadriband....". Garanto-lhe que o meu aparelho é quadriband. "Um momento, vou passar para o específico", o quarto atendente. O tal não quis falar comigo. Mandou recado : telefonar de um aparelho fixo, de Natal, para 1058. Argumentei que já tentara isso. Mais espera. Volta a terceira atendente : "a Vivo não tem cobertura para Natal". E com quadriband ? "Não dá certo. Às vezes, se consegue a ligação com um aparelho antigo". Moral da história : nenhuma banda, antiga ou moderna, consegue deixar Vivo meu celular em Natal. Que permanecerá mortinho da silva nos próximos dias.

JUROS ALTOS

Há quem aposte na elevação dos juros no Brasil como resposta à crise, cujos respingos recairão inevitavelmente sobre a economia brasileira. O temor de recessão invade as searas econômicas. Lula e Mantega garantem que estaremos salvos. Mas a ameaça dará o tom do Fórum Mundial Econômico Mundial, que começará amanhã, em Davos, na Suíça.

CICLO DOS OPORTUNISTAS

A vida de um país obedece a ciclos. Há momentos de crença, desconfiança, estabilidade, pessimismo, otimismo, instabilidade, esperteza. Nos últimos tempos, um ciclo de oportunismo se abriu na festa dos picaretas e oportunistas. Abutres rondam os cemitérios.

MARTA NON GRATA

A ministra do Turismo, Marta Suplicy, faz agrado aos hoteleiros, atendendo todos os seus pleitos. Esquece que o trade é composto de diversos eixos. Em alguns nichos, é considerada persona non grata.

POSSE NA CEBRASSE

Paulo Lofreta tomou posse na Central Empresarial Brasileira do Setor de Serviços. Trata-se da primeira Central na esfera do empresariado. Reúne confederações, federações, associações e sindicatos.

CONSELHOS AO MINISTRO NELSON JOBIM

Esta Coluna dedica sua última nota a pequenos conselhos aos políticos e governantes. Na edição anterior, o espaço foi dedicado ao ex-governador de São Paulo e ex-candidato à presidente da República, Geraldo Alckmin. Hoje, volta sua atenção ao ministro da Defesa, Nelson Jobim.

1. Não prometa mais nada. Depois de adotar restrições ao uso de Congonhas, o senhor recua e libera o aeroporto para escalas e conexões.

2. O dito pelo não dito corrói o que lhe sobra de credibilidade.

3. Seria oportuno passar uma temporada no molho, sem pirotecnia na mídia.

________________

 

Atualizado em: 23/1/2008 08:40

COORDENAÇÃO

Gaudêncio Torquato, jornalista, consultor de marketing institucional e político, consultor de comunicação organizacional, doutor, livre-docente e professor titular da Universidade de São Paulo e diretor-presidente da GT Marketing e Comunicação.

Publicidade