sábado, 16 de janeiro de 2021

COLUNAS

Publicidade

Porandubas nº 199

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Quem é o vi-vi-vi-ce ?

Campanha de 1996 para a prefeitura de Boa Vista, Roraima. De um lado, Ottomar Pinto, ex-governador, candidato a prefeito pelo PTB; de outro, Salomão Cruz, candidato pelo PSDB. Ottomar elegera para sucedê-lo, em 1994, Neudo Campos. Mas a fofoca era de que, ganhando a prefeitura, em 1996, poderia passar apenas dois anos na Municipalidade (pois voltaria ao governo em 1998), deixando o comando com Clodezir Filgueiras, chamado de Mimi, empresário do ramo de automóveis. Mimi era pouco conhecido na capital. Este escriba coordenava a campanha de Totó (como era chamado Ottomar) e Mimi. Passava em Boa Vista uma semana e voltava a São Paulo. No meio da campanha, recebo um telefonema aflito de Luiz Santoro, coordenador do programa de TV.

"Pelo amor de Deus, pegue um avião urgente. A campanha pegou fogo. Arrumaram um gaguinho e o cara aparece toda hora na TV, nos programas noturnos e nas inserções ao longo do dia, tentando perguntar com sua gagueira :

- Qu.qu...que...que..quem é o Vi-vi-vi-ce.. ? Estão chacoalhando nossa campanha. Totó e Mimi estão desesperados à sua procura. Temos de reagir."

Gozação geral

A cidade caía na gargalhada. O gaguinho fazia sucesso perguntando quem era Mimi. Tratava-se de um estratagema. A campanha de Salomão Cruz queria insinuar ao eleitorado que Ottomar, ganhando o pleito, passaria o bastão para Mimi. E quem seria este Mimi, que ninguém conhece ? "Você, eleitor, aprovaria um vice prefeito desconhecido no lugar do prefeito para governar a cidade ? "Era essa a cabreira tática dos opositores.

Corri para Boa Vista. Fui logo atrás do gaguinho. Percorri bairros e feiras, onde frequentava.

- Cadê o gaguinho, você conhece o gaguinho, uma grana para quem descobrir o gaguinho.

Depois de extenuante procura, achei o cara. Conversa vai, conversa vem, o gaguinho cedeu. Fomos, no cair da tarde, fazer uma gravação no mesmo lugar e com o mesmo plano da gravação adversária. Ele teria de dizer a mesma coisa como se fosse o repeteco do que vinha fazendo :

- Qu..em.qu..quem é o Vi-vi-vi-ce ?

Nesse instante, a câmera corta para Mimi, ao lado do gaguinho, que completa com um grande abraço no empresário Clodezir Filgueiras :

- Ah, o vi-vi-ce é meu ami...amigo Mi-mi.

Foi um estouro. Aproveitávamos o mote da campanha de Salomão, que funcionou como teaser (chamariz), para massificar o nome do vice.

Desapareceu pela madrugada

O gaguinho passou o restante da campanha numa cidade da Venezuela, que faz fronteira com Roraima, escondido na casa de uma irmã. Fomos deixá-lo, de madrugada, na estação.

Desapareceu. Para raiva dos adversários. Ficou calado o resto da campanha. Só apareceu após a vitória de Ottomar. Para repetir o refrão :

- Quem..quem..quem é o vi-vi-ce ? Ah, é meu amigo Mi-mi.

Não sei como ele está. Mas o gaguinho virou herói. Sabido como ele só.

Serra confortável ?

Serra continua a manter boa margem nas pesquisas de intenção de voto para a presidência da República : 37%. Dilma se mantém com 16%, sem crescer, e Ciro sobe para 15%. Leitura : a ministra não subiu por conta do retraimento nos palanques do PAC, decorrência do tratamento de saúde a que se submete; o governador paulista também não subiu. Ciro Gomes aumentou pouco. Lula não consegue, por sua vez, esticar a popularidade para projetar com força a imagem de sua pré-candidata. Resumo da ópera : as pesquisas mostram estabilidade nas posições. Mas Serra não pode se considerar tão confortável, como leitura enviesada da pesquisa. Há muita água a correr por baixo da ponte.

Água sob a ponte

A enchente que correrá sob a ponte poderá provocar efeitos positivos e negativos para alguns. Por exemplo, Lula está jogando muita água na lavoura que plantou : aumento do Bolsa Família, aumento dos aposentados, ProUni, injeção no programa Minha Casa, Minha Vida, Luz para Todos e assim por diante. Esse gigantesco cobertor social vai gerar efeitos na campanha, devendo baixar a posição de Serra. Lula, porém, não conseguirá transformar seus círculos de cooptação em votos. A influência será relativa. O voto vai depender do Produto Nacional Bruto da Felicidade Nacional lá por volta de setembro/outubro de 2010.

Heloísa e Marina

Heloísa Helena deverá se candidatar ao Senado em Alagoas. Sua retirada do pleito presidencial abrirá campo para Marina Silva crescer. Marina, como a pororoca a nascer na foz do Amazonas, empurrará as candidaturas principais para baixo. Poderá alcançar entre 10% a 15%, índice suficiente para empurrar a campanha para o segundo turno.

Ciro, mais 15% ?

Ciro Gomes, por sua vez, com seu índice em torno de 15% a 18%, deverá contribuir para a campanha presidencial seguir a rota do segundo turno. Ciro não teria mesmo vez em São Paulo, como candidato ao governo. Sobra para ele a possibilidade de coadjuvante de Lula no pleito federal.

Turismo em alta

A Comissão de Turismo e Desporto da Câmara dos Deputados, presidida pelo incansável deputado gaúcho Afonso Hamm, aprovou recentemente um substitutivo que facilita a emissão de vistos para turistas estrangeiros. Trata-se de uma das bandeiras políticas do atuante deputado fluminense Otavio Leite. O relator da matéria foi o deputado Marcelo Teixeira, profundo conhecedor do setor de turismo. Turistas estrangeiros devem ter toda a facilidade para entrarem no país. A conta será boa para a economia. Nota 10 para o projeto.

Gastos públicos com a Copa

A Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara lança, dia 25/08, a "Rede de Informações para a Fiscalização e o Controle dos Gastos Públicos na Organização da Copa do Mundo de 2014". A ideia é do presidente da Comissão e membro da Subcomissão Permanente de Fiscalização dos Gastos Públicos com a Copa 2014, Silvio Torres (PSDB-SP) e envolverá, além do Tribunal de Contas da União - TCU, os Tribunais de Contas dos Estados e Municípios e a Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor, Fiscalização e Controle do Senado, presidida por Renato Casagrande (PSB-ES). O trabalho da Rede prevê que seus integrantes deverão gerar e encaminhar ao final dos anos de 2009, 2010 e 2011 para a Subcomissão Permanente, relatórios sobre as ações e gastos realizados com recursos públicos para assegurar a organização das 12 cidades que sediarão os jogos do Mundial de Futebol. O presidente do TCU, Ubiratan Aguiar, estará presente.

Lula, Dilma e Lina

O presidente Lula cometeu uma barbaridade a desafiar a ex-secretária da Receita Federal, Lina Vieira, a provar seu encontro com a ministra Dilma. E se os indícios comprovarem a reunião entre as duas no Palácio do Planalto ? E se aparecer o vídeo com o flagrante do carro de Lina entrando no Palácio ? A Chefe da Casa Civil registra versões desmentidas, como os títulos de pós-graduação colocados em seu curriculum; a história mal contada dos cartões corporativos; o dossiê (negado por Dilma e depois confirmado) sobre a família de Fernando Henrique etc. Lina Vieira, técnica e séria, não iria inventar uma história apenas para prejudicar alguém.

Alckmin segura ?

Geraldo Alckmin tem hoje 57% de intenção de voto para o governo de São Paulo. A questão é : sustentará esse índice ? Vai depender dos concorrentes e das circunstâncias. Ciro seria derrotado. Marta Suplicy, idem. O prefeito Kassab desponta como um nome forte e com grande possibilidade de êxito, caso Alckmin seja deslocado, por conveniência, para uma vaga de senador. Mercadante, do PT, encontrará dificuldades e Quércia esbarrará na velha barreira da imagem negativa. Já Romeu Tuma analisa a possibilidade de voltar a ser o candidato do PTB para a vaga.

Correção de déficits  

A atual gestão da OAB/SP encontrou a Casa, em 2003, com um patrimônio negativo de R$ 2.354.882,00. A Seccional exibia déficits anuais seguidos. Em 2003, foi de R$ 14.646.795,00. Encerrará a gestão este ano com um patrimônio líquido positivo de R$ 59.800.969,00. Mais ainda : as anuidades caíram. É só fazer a conta. Em 2003, era de R$ 550,00. Hoje, é de R$ 700,00. Atenção, porém : se considerarmos a inflação pelo ICP-DI, a mensalidade deveria ser de R$ 821,34; pelo IGPM, de R$ 835,62; pelo IPC, de R$ 753,00; pelo INPC, de R$ 779,18; e pelo IPCA, de R$ 780,03. Com mais uma pitada : o preço da xerox nos foros era de R$ 0,20, que em 2005 foi reduzido para R$ 0,15. Preço de hoje.

Intimações on-line

Mais um registro que marca a atual administração : as intimações on-line são gratuitas (antes tinham um custo). E um cartão de crédito que reverte em bônus as compras que o advogado fizer com ele, e os bônus podem ser usados para quitação da própria anuidade.

O xale da ministra

Lina Vieira viu que a ministra Dilma, quando a recebeu no Palácio do Planalto, estava de xale. Mais ainda : o motorista que a levou, terceirizado, poderá ser encontrado e a ele pode-se fazer a pergunta : você levou a ex-secretária da Receita Federal ao Palácio do Planalto ? Cadê o motorista ?

Assim falou Zaratustra

"Não é com a ira que se mata, mas com o riso. Eia, pois, vamos matar o espírito da gravidade! Aprendi a caminhar; desde então, gosto de correr; aprendi a voar; desde então, não preciso que me empurrem para sair do lugar. Agora, estou livre; agora, vôo. Agora, vejo-me debaixo de mim mesmo; agora, um deus dança dentro de mim".

E a gripe, atchim...

Há muito atchim em torno dessa gripe suína. Autoridades dizem que está controlada. E os espirros, seguidos de mortes, se espalham pelo país. Onde está a verdade ? Vai faltar remédio ? Quando chegará a vacina ? E o hemisfério norte, hein, que se prepara para enfrentar um rigoroso inverno ?

Skaf vem aí ?

Paulo Skaf quer ser candidato ao governo de São Paulo. Pelo PMDB. Com um bom tempo de TV e rádio, seus assessores acreditam que poderia quebrar a polarização entre tucanos e petistas. Antes disso, Skaf poderia fazer o exercício : conhecer os convencionais do PMDB; preparar o programa mais avançado e impactante de desenvolvimento (sustentável) para o Estado; abrir a linguagem para a política, atenuando o fiespês, que é uma expressão hermética e restritiva; circular mais intensamente pelas dobras e margens da política; vestir-se com um manto social para compensar as vestes econômicas e empresariais. Tem condições de fazer isso ? A conferir.

A arte da guerra

A arte da guerra, ensinava o general Sun Tzu, reconhece nove variedades de terreno : dispersivo, fácil, controverso, aberto, de estradas cruzadas, sério, difícil, orlado e desesperador. Que terreno abrigará os candidatos em 2010 ?

Meirelles com Dilma ?

Quem pensa em colar Henrique Meirelles e Dilma Rousseff, fazendo com que aquele integre a chapa desta na condição de vice, é amigo da onça. Ora, a ministra já tem cara de tecnicista. Meirelles é a própria extensão da burocracia econômica. A chapa com os dois seria o verso e o reverso da moeda técnica. Dura e fria. Tem gente mesmo que quer estragar o banquete de Lula.

O aborto

De um lado, estará Dilma preconizando o direito ao aborto. De outro, Marina Silva vai abrir o verbo contra o aborto. De que lado estará a Igreja Católica ?

11 mil palavras

Acabam de descobrir : Lula tem um vocabulário de 11 mil palavras, mais do que alguém com curso superior, que domina algo em torno de 9 mil a 10 mil. Lula teria incorporado todos os neologismos gerados pelos escândalos, a partir do mensalão. E, dizem, absorve tudo que ouve.

Conselho ao presidente Lula

Esta coluna dedica sua última nota a pequenos conselhos a políticos, governantes e líderes nacionais. Na edição passada, o espaço foi destinado à senadora Marina Silva. Hoje, volta sua atenção ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva :

1. Evitar atos precipitados em defesa de dona Dilma. Desafiar Lina Vieira a provar que esteve com a ministra-chefe da Casa Civil é um grande risco. E se o motorista que a levou for encontrado e confirmar o encontro ?

2. Ter mais cuidados com as palavras. Quanto mais próximo o pleito, mais efeitos provocarão.

3. Convença-se de uma coisa : seu prestígio não redundará em um turbilhão de votos na urna de Dilma Rousseff. Poderá, até, ajudá-la, no Nordeste. No Sul e Sudeste, a transferência desejada será apenas sonho.

_________________

Atualizado em: 19/8/2009 07:31

COORDENAÇÃO

Gaudêncio Torquato jornalista, consultor de marketing institucional e político, consultor de comunicação organizacional, doutor, livre-docente e professor titular da Universidade de São Paulo e diretor-presidente da GT Marketing e Comunicação.

Publicidade