domingo, 29 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Repercussão acerca das ações ajuizadas para suspensão do FAP

Ana Paula dos Santos

Nos últimos meses diversas empresas têm conseguido liminares e até decisões terminativas declarando a inconstitucionalidade e ilegalidade da majoração sobre Seguro Acidente de Trabalho - SAT, com as alterações trazidas pelo Decreto 6.957/2009, bem como a suspensão da aplicação do multiplicador atribuído pelo FAP.

segunda-feira, 8 de março de 2010


Repercussão acerca das ações ajuizadas para suspensão do FAP

Ana Paula dos Santos*

Nos últimos meses diversas empresas têm conseguido liminares e até decisões terminativas declarando a inconstitucionalidade e ilegalidade da majoração sobre Seguro Acidente de Trabalho - SAT, com as alterações trazidas pelo Decreto 6.957/2009 (clique aqui), bem como a suspensão da aplicação do multiplicador atribuído pelo FAP.

Tais decisões são baseadas no flagrante desrespeito à Carta Constitucional, à legislação vigente e, sobretudo, aos princípios da estrita legalidade, da publicidade, da segurança jurídica e da reserva legal em matéria tributária.

No entanto, as ações judiciais movida por empresas e sindicatos já estão repercutindo de forma positiva, forçando o Órgão Previdenciário e o próprio Governo Federal a corrigir erros grosseiros e inconstitucionalidades notórias acerca das diretrizes estabelecidas para implantação do FAP.

Um claro exemplo foi o Decreto 7.126/2010 (clique aqui), publicado hoje, dia 4/3/2010, que altera o Regulamento da Previdência Social, aprovado pelo Decreto 3.048, de 6 de maio de 1999 (clique aqui), no tocante ao procedimento de contestação do Fator Acidentário de Prevenção.

O aludido Decreto revoga tacitamente as instruções da Portaria Interministerial 329 de 10/12/2009 que determinava que os processos administrativos tivessem caráter terminativo, e impediam o efeito suspensivo, cabendo ao contribuinte eventualmente vitorioso da contestação apresentada compensar seus créditos "na forma da legislação tributária aplicável".

A partir de hoje, os processos administrativos terão caráter suspensivo, garantindo a correta aplicação dos princípios constitucionais e do artigo 151 do CTN (clique aqui). Ou seja, quem ajuizar o procedimento administrativo não terá obrigatoriedade de recolher o SAT e o FAP com as majorações vigentes no exercício fiscal.

A nova norma também cria um novo recurso administrativo para a Secretaria de Política de Previdência Social, a quem caberá a revisão da decisão do Departamento de Política de Saúde e Segurança Operacional, órgão que, de acordo com a antiga Portaria publicada pelo Ministro da Previdência Social, decidia em única instância extrajudicial.

No entanto, infelizmente as empresas ainda deverão travar árduas batalhas a fim de barrar todas as demais inconstitucionalidades e quebra de garantias fundamentais decorrentes dos demais Decretos, Resoluções e Portarias que desvirtuaram toda a intenção original do Fator Acidentário de Prevenção e transformaram em utopia a benesse fiscal (redução tributária) garantida às empresas que invistam na segurança de seus trabalhadores.

Cabe, a nós, contribuintes, continuarmos bater as portas do judiciário para que transformações mais significativas possam garantir a transparência de informações e os dar validade aos benefícios garantidos legal e constitucionalmente.

_________________

*Advogada da Tahech Advogados Associados





________________

Atualizado em: 5/3/2010 12:53

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gustavo Santiago Martins

Migalheiro desde 2019

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Carolina Amorim

Migalheira desde 2020

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Publicidade