sábado, 5 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A Portaria PGFN 180/10 e a responsabilização por créditos previdenciários

Desde 1993 vigorava o art. 13 da lei 8.620/93, o qual trazia prescrição no sentido de que o titular da firma individual, os sócios, os administradores, os gerentes e os diretores de sociedade limitada respondem solidariamente, com seus bens pessoais, pelos débitos junto à Seguridade Social.

quarta-feira, 10 de março de 2010


A Portaria PGFN 180/10 e a responsabilização por créditos previdenciários

Carlos Marcelo Gouveia*

Desde 1993 vigorava o art. 13 da lei 8.620/93 (clique aqui), o qual trazia prescrição no sentido de que o titular da firma individual, os sócios, os administradores, os gerentes e os diretores de sociedade limitada respondem solidariamente, com seus bens pessoais, pelos débitos junto à Seguridade Social.

Essa regra foi utilizada ao longo dos anos pelo Fisco para o fim de atribuir responsabilidade aos sócios, sejam administradores ou não, de sociedades limitadas pelo recolhimento das contribuições previdenciárias devidas pela empresa, sem a comprovação de ato ilícito de gestão que justificasse a responsabilização tributária. Na prática o que ocorria era a responsabilização do sócio sem poderes de gestão, inclusive na hipótese do mero inadimplemento tributário por parte da empresa.

O art. 13 da lei 8.620/93, no entanto, ia de encontro aos mandamentos que disciplinam o tema no âmbito do CTN (clique aqui), notadamente o artigo 135, III, desse Diploma Legal, o qual admite a responsabilização tributária apenas dos "diretores, gerentes e representantes de pessoas jurídicas de direito privado" e nas hipóteses comprovadas de "atos praticados com excesso de poderes ou infração de lei, contrato social ou estatutos".

Da clareza da prescrição complementar tributária depreende-se que o pressuposto à responsabilização pessoal por crédito tributário exigível de pessoa jurídica de direito privado é a prática de ato por seu administrador que extrapole os limites legais e societários do qual resulte a obrigação fiscal. Não há espaço para a atribuição da responsabilidade tributária ao sócio da sociedade empresária sem poderes de gestão e tampouco sem qualquer comprovação sobre a existência do ato ilícito intencionalmente praticado (dolo).1

Nesse embate destaca-se que a integração normativa inerente à higidez do ordenamento jurídico exige submeter a previsão de lei ordinária aos preceitos norteadores traçados pela lei complementar de caráter geral, a qual, em sede tributária, corresponde ao CTN, a teor do art. 146, III, da Constituição Federal.2

Com essas considerações os contribuintes conseguiram combater com êxito a pretensão fazendária perante o Poder Judiciário, de forma a sedimentar a jurisprudência no sentido de que o art. 13 da lei 8.620/93 deve ser aplicado em consonância com os ditames do art. 135, III, do CTN, o que impôs ao Fisco a necessidade de prévia demonstração da atuação do sócio na gestão da sociedade com a prática de atos com excesso de poderes, infração de lei ou ao contrato social para que fosse viável a responsabilização por créditos previdenciários da sociedade empresária.3

Nesse cenário é que adveio a revogação expressa do art. 13 da lei 8.620/93 pela MP 449/08 (clique aqui), posteriormente convertida na lei 11.941/09 (clique aqui), a qual, apesar de não constar na correspondente exposição de motivos, por certo decorreu da sua patente inconstitucionalidade.

Ainda que a revogação não produza efeitos pretéritos, ao menos espelhou a sensibilidade do Poder Executivo, ratificada pelo Poder Legislativo, de que se tratava de norma estranha ao ordenamento jurídico, validando a argumentação desenvolvida ao longo do tempo pelos contribuintes e, sobretudo, gerando um sentimento de segurança contra possíveis abusos do Fisco no que tange à cobrança de créditos de pessoa física excluída do campo de sujeitos passíveis de arcarem com a responsabilidade por contribuições previdenciárias.

Eis que surge, então, a Portaria 180, editada pela Procuradoria da Fazenda Nacional em 25 de fevereiro de 2010 (clique aqui), a qual traz previsão no sentido de responsabilizar o sócio de pessoa jurídica constituída sob a forma de responsabilidade limitada por créditos previdenciários desta, gerados em momento anterior à edição da MP 449, independentemente da comprovação de atuação na gestão da empresa com excesso de poderes, infração à lei ou ao contrato social.

A despeito das demais normas veiculadas pela Portaria PGFN 180/10 que podem ter utilidade benéfica, com essa específica disposição a Procuradoria da Fazenda Nacional ignora - ou se sobrepõe, fazendo crer que seus poderes são ilimitados -, a patente inconstitucionalidade do já revogado art. 13 da lei 8.620/93, impondo ônus e preocupações aos contribuintes sócios de sociedades limitadas em momento no qual a questão parecia devidamente solucionada.

Aos prejudicados resta a tutela do Poder Judiciário para que seja reafirmada em cada caso concreto a impossibilidade de responsabilização tributária sem comprovação da adoção de ato ilícito de gestão pelo contribuinte, restabelecendo a tão desejada segurança jurídica.

_________________

1 A necessidade de comprovação do dolo para a responsabilização do administrador de sociedade limitada foi ratificada ainda pelos arts. 1.016 e 1.053 do Novo Código Civil.

2 A Súmula Vinculante 8 do Supremo Tribunal Federal ratifica a sobreposição do Código Tributário Nacional sobre leis ordinárias no que tange a normas gerais em matéria tributária.

3 Nesse sentido: REsp 717.717 / SP, Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça, Rel. Min. JOSÉ DELGADO, publicado em 08.05.2006.

________________

*Advogado do escritório Mesquita Neto Advogados





__________________

Atualizado em: 9/3/2010 11:14

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Camila Crespi Castro

Migalheira desde 2019

Guilherme Alberge Reis

Migalheiro desde 2020

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Publicidade