quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Revolta da vacina

No início do século XX, o Rio de Janeiro não mantinha serviços suficientes para enfrentar as epidemias como a da febre amarela, febre bubônica e varíola.

quinta-feira, 8 de abril de 2010


Revolta da vacina

Sérgio Roxo da Fonseca*

No início do século XX, o Rio de Janeiro não mantinha serviços suficientes para enfrentar as epidemias como a da febre amarela, febre bubônica e varíola.

O Presidente Rodrigues Alves autorizou o prefeito Pereira Passos tomar medidas no sentido de não apenas para urbanizar a cidade, como também para implantar serviços de saúde.

Foi então aberta a avenida Central, hoje Rio Branco, com a demolição de vários cortiços, expulsos seus pobres moradores para os morros do centro da cidade. Favela era o nome de um dos morros, pois ali se plantavam favas. Todos nós conhecemos qual foi o resultado dessa política. O Prefeito foi apelidado de "Bota Abaixo".

Na área da saúde, nomeou-se o dr. Oswaldo Cruz, paulista de São Luiz do Paraitinga, para desenvolver um projeto de eliminação das epidemias.

Sob o nome de "mata-mosquitos", o dr. Oswaldo Cruz criou grupos de pessoas com o poder de invadir residências com o objetivo de eliminar os mosquitos transmissores das epidemias. Houve fortíssima reação contrária.

Em seguida, impôs uma política de vacinação obrigatória, resultante de lei, afirma-se que funcionários invadiram residências e aplicaram a vacina à força.

Os cadetes da Praia Vermelha, os intelectuais positivistas, entre outros, rebelaram-se contra a vacinação obrigatória. Eclodiu o episódio denominado Revolta da Vacina, ocorrido entre 10 e 16 de novembro de 1904.

A imprensa posicionou contra a vacinação. Há ilustrações noticiando que pessoas vacinadas haviam se transformado em lobisomem. Políticos de renome, como Rui, contra o governo. Obrigar alguém a vacinar-se era ferir a sua liberdade individual, violando a sua dignidade pessoal.

Houve choques armados. Pelo menos cinquenta pessoas morreram no Rio. Com apoio do Exército, os governos saíram vencedores. O dr. Oswaldo Cruz levou a cabo sua política contra a insalubridade. Ganhou notoriedade internacional. Teria sido o primeiro nobelista brasileiro, se então já existisse o Prêmio Nobel. O pensador francês Anatole France, ao visitar o Rio em 1906, saudou-o dizendo: "O senhor fez o mesmo que Hércules. Matou a hidra. É um benfeitor da humanidade".

Até a sua morte, o dr. Oswaldo Cruz, quando reconhecido na rua, era vaiado pelas mesmas pessoas cujas vidas tinham sido por ele salvas.

________________



 

*Advogado, Procurador de Justiça aposentado do Ministério Público de São Paulo, professor da Faculdades COC

 





 

 

__________________

Atualizado em: 5/4/2010 17:30

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Levi Rezende Lopes

Migalheiro desde 2020

Thiago Boaventura

Migalheiro desde 2017

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Pedro Dalese

Migalheiro desde 2020

Pablo Domingues

Migalheiro desde 2017

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Publicidade