segunda-feira, 26 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Responsabilidade civil e a dengue

Rodrigo Vallejo Marsaioli

O presente artigo, tem o escopo de alertar a população (sobre seus direitos), bem como, os administradores públicos (sobre seus deveres) em relação a responsabilização civil nos casos que tem envolvido o surto de dengue.

segunda-feira, 24 de maio de 2010


Responsabilidade civil e a dengue

Rodrigo Vallejo Marsaioli*

O presente artigo, tem o escopo de alertar a população (sobre seus direitos), bem como, os administradores públicos (sobre seus deveres) em relação a responsabilização civil nos casos que tem envolvido o surto de dengue.

A motivação para tal exposição, se deu - acima de tudo - pelas matérias vinculadas no Jornal A Tribuna, de 4/5/10 e 5/5/10, sobretudo no que diz respeito a morte de uma jornalista, em decorrência de uma dengue hemorrágica e o respectivo atendimento empregado.

Neste particular, ressalta-se que, apesar do fato acima ter ocorrido em Santos/SP, este problema tem assolado toda a Baixada Santista e demais localidades deste Brasil. Bem, vamos aos argumentos.

Omissão do Poder Público na prevenção do surto de dengue

O início do aspecto omissivo do Poder Público tem início no "Contrato Social", escrito por Rosseau (onde se estabelece um acordo entre indivíduos para se criar uma Sociedade, e só então um Estado, isto é, o Contrato é um Pacto de associação, não de submissão). Como assim (?), um leitor mais atento poderia questionar. Explico:

O povo, através do voto, confere legitimidade e autonomia para que seus representantes, in casu, o Poder Executivo, para que possa mediante a receita obtida com os tributos executar seu plano de governo, que - fatalmente - dentre seus objetivos estão a Saúde (ainda mais quando: tutelado pela Lei de Responsabilidades Fiscais, e, fiscalizado pelo Tribunal de Contas e Ministério Público).

Assim, dentre das responsabilidades dos órgãos público de saúde, encontra-se o dever do evitar este tipo de surto.

Colocado, desta forma, a omissão (acima citada), inicia-se no fato quando o cidadão contrai dengue, posto que, denota-se que o serviço público de saúde, em caráter preventivo, não foi eficiente e (nem mesmo) eficaz o suficiente para evitar a crise epidêmica de dengue em toda sua localidade.

A mídia escrita e televisa, há tempos, já vem noticiando sobre o surto de dengue que tem ocorrido, e, isto é relevante, pois retira o caráter da imprevisibilidade que fatalmente o Poder Público poderia suscitar.

As notícias na mídia e as experiências apontadas pelos profissionais da área (médicos plantonista e infectologistas) deixam clara a existência de falha do serviço a ensejar a responsabilização do Ente Público, na medida em que seus agentes se omitiram, por vezes, na solicitação de exames laboratoriais que poderiam ter levado ao diagnóstico da dengue hemorrágica que venha a causar a morte da vítima, bem como, na tomada de medidas efetivas para contenção e para debelar do surto de dengue que nos assola.

É incontestável que os Municípios da Baixada Santista, encontram-se assolados por epidemia de dengue, consoante se infere dos recortes das notícias vinculadas tanto nas mídias: escritas, eletrônica, faladas e televisas. Em razão da aludida epidemia, os Departamentos de Vigilância Epidemiológica da Secretarias Municipais de Saúde (ou a ela equivalente) tem expedido circulares e orientações, exortando a realização de exames que permitissem a identificação da doença e regular tratamento.

Portanto, a evolução anual não deixa margem de dúvida quanto à inércia e omissão, que no campo jurídico, diz-se: negligência, imprudência e imperícia.

Falha no atendimento médico/hospitalar/ambulatorial

Superado o foco em relação a omissão (falha no serviço disponível) preventiva do poder Público (em evitar e controlar o surto epidemiológico), passemos a examinar o aspecto clínico/hospitalar/ambulatorial que tem sido empregado à população em relação a esta doença.

Por vezes, os cidadãos têm chego aos hospitais e postos de saúde com quadro de febre, congestão nasal, dor no corpo e de garganta, etc. E, também por vezes, tão-somente, tem-lhes sido prescrito com antibióticos e/ou antitérmicos, liberando-se, em seguida, o cidadão, sem determinar a realização de qualquer exame, não obstante os sintomas apresentados pelos mesmos, o qual assemelham-se aos verificados em pessoas acometidas de dengue em seu estado mais grave.

Desta feita, outra conclusão não de pode extrair, senão a de concluir pela negligência dos agentes do Poder Público na prestação de um adequado tratamento de saúde à vítima diante da doença recorrente na região, pois as queixas apresentadas, de maneira geral, indicam um quadro compatível com um quadro viral, não podendo ser descartado a dengue.

De mais a mais, o diagnóstico das doenças infecciosas às vezes confunde-se, pois tem uma mesma apresentação clínica. Porém, pela existência de uma epidemia de "dengue" na região, emerge - naquele momento - um alerta para todo profissional de saúde, para um diagnóstico mais preciso. Isto porque, se, caso haja um diagnóstico correto de doente, desde a primeira vez em que esteve no Hospital/Posto de Saúde, o progresso do dengue poderá ser evitado ou, ao menos, retardado.

Assim, devem os funcionários na assistência médica e hospitalar, utilizar-se de meio hábil a formular diagnóstico correto e evitar o progresso da doença, com a determinação imediata dos exames médicos necessários, principalmente por estar a localidade, neste momento, atingida por epidemia de dengue.

Vale ressaltar, a inércia e o descumprimento dos protocolos médicos acima, independentemente das instâncias civil e criminal, o próprio Poder Público pode determinar a abertura de procedimento administrativo para apuração do ocorrido (a negligência, a imperícia e a imprudência de seus prepostos).

Teoria da perda de uma chance

Por fim, ainda de forma incipiente, começam a surgir casos de indenização pela perda de uma chance, teoria francesa segundo a qual o médico - pelo erro no diagnóstico - responde por inviabilizar a cura de uma doença.

É o caso, por exemplo, do não diagnóstico de dengue de fácil constatação e que só vem a ser descoberto muito tempo depois, quando as chances de cura já quase se esvaíram. A este respeito, são (já) numerosos os precedentes jurisprudenciais: TJ/SP, 06ª Câmara de Direito Privado; Apelação com Revisão nº 312.080-4/0-SP; Rel. Des. Magno Araújo; julgado em 02/09/04; vu; BAASP, 2.398/966-e, de 20/12/04; TJ/MG, 17ª Câmara Cível, Processo nº 2.0000.00.503605-7/002, Rel. Desª. Márcia de Paoli Balbino; RT 533/85.

Além disso, sabe-se que a responsabilidade da pessoa jurídica de direito público, quando omissiva, se caracteriza sob duas espécies, a saber, omissão genérica e específica. Ou seja, a responsabilidade estatal se apresenta com feição objetiva, bastando, somente, a prova do fato, do dano e do nexo de causalidade para que o dever de responsabilidade do ente público exsurja. É o que se verifica, nestes casos, uma vez que a inércia administrativa constitui causa direta (e imediata) do não impedimento do dano. A este respeito, confira-se: JTJ 204/89; RT 671/158.

Firme nestes argumentos, e, respeitando as opiniões em contrário, SMJ, entendo que presentes os pressupostos da responsabilidade objetiva do Estado, ou seja, a omissão dos médicos do Município, o dano (morte/lesão - parcial ou permanente - da vítima) e o nexo causal entre eles, resta evidenciado o dever de indenizar.

____________________

*Sócio do escritório Marsaioli & Marsaioli Advogados Associados





________________

Atualizado em: 21/5/2010 13:43

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Publicidade