sexta-feira, 23 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Ortotanásia: homicídio piedoso?

O novo Código de Ética Médica, em vigência desde o dia 13 de abril de 2010, revisado e atualizado, traz inúmeras inovações. Uma delas, crucial para o enfrentamento sem um debate mais aprofundado com a comunidade, é relacionada com a ortotanásia.

terça-feira, 15 de junho de 2010


Ortotanásia: homicídio piedoso?

Eudes Quintino de Oliveira Júnior*

O novo Código de Ética Médica, em vigência desde o dia 13 de abril de 2010, revisado e atualizado, traz inúmeras inovações. Uma delas, crucial para o enfrentamento sem um debate mais aprofundado com a comunidade, é relacionada com a ortotanásia. O Conselho Federal de Medicina já se manifestou anteriormente pela Resolução 1805/06 (clique aqui), que permitia ao médico a realização da ortotanásia, isentando-o de qualquer processo administrativo de natureza ética e afastando sua responsabilidade criminal. A Justiça suspendeu os efeitos da Resolução em razão de sua ilegalidade, pois, na hierarquia das leis, bateu de frente com o CP (clique aqui), que pune o homicídio piedoso.

No recente estatuto, voltou à cena, de forma oblíqua e indireta, o aconselhamento para a prática da ortotanásia. De forma incisiva o novo Código estabelece que o médico não pode abreviar a vida do paciente, quer seja a pedido dele ou de seu representante legal. É bom que se diga que o recém-publicado estatuto coloca em evidência e prestigia de forma imperiosa o princípio da autonomia da vontade do paciente.

O Código abre, no entanto, propositadamente, uma exceção à regra de preservação da vida. Como uma conduta imperativa dirigida ao médico, obriga-o a oferecer todos os cuidados paliativos disponíveis no local de atendimento ao doente terminal, mas não o incentiva a empreender ações diagnósticas ou terapêuticas que sejam inúteis ou obstinadas.

A ortotanásia, numa conceituação despojada de rigorismo técnico, é a suspensão que o médico faz dos meios artificiais para prolongar a vida do doente irreversível, ministrando-lhe, no entanto, medicamentos para diminuir o sofrimento, além de conferir confortos familiar, psíquico e espiritual. É um caminhar lento, compassado, para conduzir o paciente até a morte. A Igreja Católica editou o documento "Declaração sobre a Eutanásia", aprovado em 1980, no qual considerar lícita a conduta do médico que, na iminência de uma morte inevitável, depois de ter lançado mão de todos os recursos existentes para a manutenção da vida, renuncia a tratamento que ofertaria somente um prolongamento precário e penoso da vida, sem, contudo, interromper os cuidados paliativos devidos aos pacientes.

O Código de Ética Médica foi introduzido no campo legislativo por uma Resolução do Conselho Federal de Medicina, que levou o nº 1931 (clique aqui), de 17 de setembro de 2009 e, como tal, não tem força para se sobrepor ao CP, que criminaliza a conduta ortotanásica como homicídio piedoso.

O senador Gerson Camata é autor de um projeto, já aprovado pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal, que pretende excluir a roupagem de ilicitude da ortotanásia. O projeto define o paciente em estado terminal como sendo aquele portador de doença incurável, progressiva e em estágio avançado, com prognóstico de morte próxima. Paralelamente, institui procedimentos paliativos, mitigadores do sofrimento, com a contribuição de assistência psíquica, social, familiar e espiritual. O paciente em fase terminal passa a ser o responsável pela autorização da ortotanásia e, na impossibilidade, seus familiares ou seu representante legal, para que o médico suspenda os procedimentos desproporcionais e extraordinários destinados a prolongar artificialmente a vida.

Se vingar o projeto de lei, a autonomia da vontade humana passa a ser responsável pela valoração da morte digna e o Código de Ética Médica não esbarrará mais na proibição penal.

____________________

*Advogado, Reitor da Unorp - Centro Universitário do Norte Paulista






_______________

Atualizado em: 14/6/2010 13:48

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

Paulo Sá Elias

Migalheiro desde 2011

Viviane Limongi

Migalheira desde 2017

Elisa Cruz

Migalheira desde 2020

Miguel Reale

Migalheiro desde 2002

Juliana Flávia Mattei

Migalheira desde 2019

Valdirene Lopes

Migalheira desde 2013

Gustavo da Rocha Schmidt

Migalheiro desde 2020

Débora Lins Cattoni

Migalheira desde 2010

Amanda Lobão

Migalheira desde 2020

Michelle Tonon

Migalheiro desde 2020

Milena Fório

Migalheira desde 2018

Silvio Guidi

Migalheiro desde 2020

Felipe Machado Caldeira

Migalheiro desde 2011

Heloisa Carpena

Migalheira desde 2020

Publicidade