sexta-feira, 23 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Novo CPC, advogados e a Justiça privada

Há quem diga que a morosidade do Poder Judiciário está relacionada à quantidade de recursos disponíveis e que os advogados, que fazem o uso de tais, teriam parte desta culpa!

quarta-feira, 30 de junho de 2010


Novo CPC, advogados e a Justiça privada

Stanley Martins Frasão*

Há quem diga que a morosidade do Poder Judiciário está relacionada à quantidade de recursos disponíveis e que os advogados, que fazem o uso de tais, teriam parte desta culpa! Mas é bom alertar que "aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e a ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes" (Constituição da República, ar. 5º, LV - clique aqui). Isso vale para todos!

Sabe-se que os prazos processuais são cumpridos pelos advogados, sob pena de não poderem fazê-lo mais. É a chamada preclusão. E é importante lembrar que "o prazo, estabelecido pela lei ou pelo juiz, é contínuo, não se interrompendo nos feriados" (Art. 178/CPC - clique aqui); que "computar-se-á em quádruplo o prazo para contestar e em dobro para recorrer quando a parte for a Fazenda Pública ou o Ministério Público" (Art. 188/CPC); que "o juiz proferirá: I - os despachos de expediente, no prazo de 2 dias; II - as decisões, no prazo de 10 dias" (Art. 189/CPC); e que "incumbirá ao serventuário remeter os autos conclusos no prazo de 24 horas e executar os atos processuais no prazo de 48 horas, contados: I - da data em que houver concluído o ato processual anterior, se lhe foi imposto pela lei; II - da data em que tiver ciência da ordem, quando determinada pelo juiz. Ao receber os autos, certificará o serventuário o dia e a hora em que ficou ciente da ordem, referida no n. II. (Art. 190 e Parágrafo único/CPC)."

O anteprojeto do novo CPC dilata os aludidos prazos: {(Art. 184. O juiz proferirá: I - os despachos de expediente no prazo de cinco dias; II - as decisões no prazo de dez dias; III - as sentenças no prazo de vinte dias.), (Art. 185. Incumbirá ao serventuário remeter os autos conclusos no prazo de vinte e quatro horas e executar os atos processuais no prazo de cinco dias contados: I - da data em que houver concluído o ato processual anterior, se lhe foi imposto pela lei; II - da data em que tiver ciência da ordem, quando determinada pelo juiz. § 1º Ao receber os autos, certificará o serventuário o dia e a hora em que ficou ciente da ordem referida no inciso II. § 2º Tratando-se de processo eletrônico, a movimentação da conclusão deverá ser imediata.)}.

Em visita ao site do Conselho Nacional de Justiça retira-se, a título de exemplo, algumas informações, base o ano de 2008, sobre a Justiça Estadual: o número de habitantes em MG (clique aqui) era de 19.850.072; o número de servidores - inclusive estagiários e terceirizados - era de 23.597; o número total de magistrados era de 990; isto é, um juiz para cada 20.050,57 habitantes.

Colhe-se, ainda, a informação de que 1.790.652 novas causas foram ajuizadas. Somadas às 2.567.227 causas pendentes de julgamento, deduzidas 1.685.551 sentenças proferidas, percebe-se que ficaram represados 2.672.328 processos em 1ª instância.

Em SP (clique aqui), tomando por base também o ano de 2008, relativamente à Justiça Estadual, extrai-se que o número de habitantes era de 41.011.635, o número total de servidores - inclusive estagiários e terceirizados - era de 55.727; o número total de magistrados era de 2.291; isto é, um juiz para cada 17.901,19 habitantes.

Foram ajuizadas no Estado de SP 6.131.665 novas causas. Somadas às 16.928.231 causas pendentes de julgamento, deduzidas 4.656.567 sentenças proferidas, constata-se que ficaram represados 18.403.329 processos em 1ª instância.

Assim, as ideias que trazem o novo CPC, quanto à redução de número de recursos, ou mesmo de prazos processuais, não será capaz de minimizar o volume de processos represados. Afinal, o diagnóstico mostra que são poucos os juízes e servidores para conseguirem dar vazão à demanda dos jurisdicionados.

Neste caso, uma sociedade, que se diz democrática, deve procurar retirar do Governo o ônus de resolver os problemas que são da responsabilidade de todos os cidadãos. É do estrito dever destes pelo menos tentar resolver tais problemas quando o Estado se mostra deficiente.

Estamos convencidos de que somente a iniciativa privada será capaz de equacionar adequadamente a solução do problema da tão falada morosidade do Poder Judiciário.

E, para tanto, Conselho Federal e Seções Estaduais da OAB, devem realmente fazer uso da lei 9.307/96 (clique aqui), que disciplinou a arbitragem, para dirimir litígios relativos a direitos patrimoniais disponíveis, meio de solução definitiva de controvérsias, através da intervenção de um ou mais árbitros escolhidos pelas partes, sem intervenção estatal. Tudo, é claro, sem prejuízo da mediação e da conciliação.

Dessa forma, pensamos que se for instalada em cada cidade onde houver uma seccional da OAB uma Câmara de Arbitragem e Mediação, com a participação de todos os advogados brasileiros, evitando-se, dentre dos limites da lei 9.307/96, a busca do Poder Judiciário, chegaremos através da Justiça Privada a um bom termo.

______________

*Sócio do escritório Homero Costa Advogados









______________

Atualizado em: 29/6/2010 13:49

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Isabela Chiarini Peixoto

Migalheira desde 2020

Alice Andrade Baptista

Migalheira desde 2004

Antonio Gerassi Neto

Migalheiro desde 2017

Ivan Campos

Migalheiro desde 2015

Edvaldo Nilo de Almeida

Migalheiro desde 2020

André Santos

Migalheiro desde 2020

Bernardo Borchardt

Migalheiro desde 2020

Vanessa Salem Eid

Migalheira desde 2020

Carlos Harten

Migalheiro desde 2007

Lucídio Almeida

Migalheiro desde 2017

Igor Sá Gille Wolkoff

Migalheiro desde 2020

Publicidade