segunda-feira, 19 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O regime especial automático no ICMS-importação paulista

A Secretaria da Fazenda/SP, através da portaria CAT 26/2010 - que dispôs sobre a apropriação e utilização de créditos de ICMS -, tratou da instituição de um Regime Especial destinado a compensação de ICMS exigível na importação de bens e mercadorias com créditos acumulados.

segunda-feira, 5 de julho de 2010


O regime especial automático no ICMS-importação paulista

Paulo Henrique Patrezze Rodrigues*

Renato Lúcio de Toledo Lima*

A Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo, através da portaria CAT 26/2010 - que dispôs sobre a apropriação e utilização de créditos de ICMS -, tratou, dentre outros temas, da instituição de um Regime Especial destinado a compensação de ICMS exigível na importação de bens e mercadorias com créditos acumulados.

A mais substancial diferença desse Regime Especial em relação aos demais é a desnecessidade de previamente postulá-lo ao Diretor Executivo de Administração Tributária - DEAT.

Em verdade, desde que preenchidos os requisitos legais, a portaria CAT 26/2010 outorga-lhe a concessão de modo automático.

Para correta compreensão, leia-se o que dizem os arts. 29 e 30 da referida Portaria a esse respeito:

Art. 29 - O regime especial a que se refere o artigo 78 do Regulamento do ICMS poderá ser concedido ao estabelecimento que detiver o crédito acumulado do imposto:

I - automaticamente, para compensação do imposto devido na importação de mercadoria ou bem do exterior, na hipótese do § 1º do artigo 78 do Regulamento do ICMS, desde que o beneficiário:

a) requeira, nos termos do artigo 30, a compensação total ou parcial do imposto devido na operação;

b) para o desembaraço aduaneiro, emita a "Guia de Compensação com Crédito Acumulado - GCOMP-ICMS", nos termos da disciplina que trata dos procedimentos relacionados com a importação de mercadoria ou bem do exterior;

(...)

§ 2º - na hipótese de que trata o inciso I, poderá ser compensado com crédito acumulado além do imposto, a multa moratória e os juros de mora, quando for o caso.

Art. 30 - A compensação com crédito acumulado far-se-á mediante autorização eletrônica e deverá ser requerida pelo estabelecimento detentor do crédito acumulado, no sistema e-CredAc, com o preenchimento das seguintes informações:

I - o número de inscrição estadual ou do CNPJ, do estabelecimento detentor do crédito acumulado e do estabelecimento que tiver a obrigação do recolhimento;

II - número da DI - Declaração de Importação, no caso de importação;

(...)

IV - o valor da compensação.

§ 1º - O valor da compensação será debitado na conta corrente no momento do pedido no sistema e-CredAc.

§ 2º - O sistema e-CredAc expedirá notificação eletrônica, cientificando o requerente do deferimento da autorização para compensação e informando-o do lançamento de que trata o § 1º.

§ 3º - A compensação do imposto devido na importação somente se concretizará após a emissão da "Guia de Compensação com Crédito Acumulado - GCOMP-ICMS", a que se refere a alínea "b" do inciso I do artigo 29, e consequente desembaraço da mercadoria ou bem importados.

(...)

Como se nota, o ICMS devido na importação de mercadoria ou bem do exterior, contanto que toda operação de internação tenha se dado em território paulista, pode ser compensado total ou parcialmente, de modo a permitir o desembaraço aduaneiro mediante a emissão da "Guia de Compensação com Crédito Acumulado - GCOMP-ICMS".

Merece reflexão, antes de qualquer providência prática nesse sentido, a instituição desse Regime Especial efetivamente, a saber se poderia dar-se por obra de tal portaria, com validade geral, condicionada ao preenchimento individual das condições que estabelece.

A lei de regência estabelece que "em casos especiais e com o objetivo de facilitar ou de compelir à observância da legislação tributária, as autoridades que o regulamento designar podem determinar, a requerimento do interessado ou de ofício, a adoção de regime especial para o cumprimento das obrigações fiscais" (art. 71, caput, lei paulista 6.374/89, g.n.).

O regulamento do ICMS prevê, nessa esteira, que os regimes especiais de pagamento do imposto, emissão de documentos e escrituração de livros fiscais, de interesse do contribuinte, serão deferidos, a critério do Coordenador da Administração Tributária da Secretaria da Fazenda, se a outra autoridade não houver sido delegada a atribuição, por meio de despacho que estabelecerá as regras especiais a serem observadas pelo contribuinte (art. 479), e que poderá ser alterado ou cassado a qualquer tempo (art. 485).

A conclusão que se apresenta mais plausível é a de que as autoridades fazendárias dispõem de certa discricionariedade para decidir sobre a conveniência ou não de favorecer o contribuinte com regime de exação mais favorável, não sendo possível, a princípio, se falar em direito subjetivo à sua manutenção. Coisa que não significa que a Administração Tributária poderia indeferir de arbitrariamente pleitos nesse sentido.

Recolhe-se da doutrina que "(...) poder discricionário não se confunde com poder arbitrário. Discricionariedade e arbítrio são atitudes inteiramente diversas. Discricionariedade é liberdade de ação administrativa, dentro dos limites permitidos em lei; arbítrio é ação contrária ou excedente da lei. Ato discricionário, quando autorizado pelo Direito, é legal e válido; ato arbitrário é sempre ilegítimo e inválido" (Hely Lopes Meirelles, Direito Administrativo Brasileiro, 33ª ed., 2007, Editora Malheiros, pp. 118-9).

O saudoso mestre prossegue: "daí dizer-se, com inteira propriedade, que a atividade discricionária permanece sempre sujeita a um duplo condicionamento: interno e externo. Externamente, pelo ordenamento jurídico a que fica subordinada toda atividade administrativa (...); internamente, pelas exigências do bem comum e da moralidade da instituição administrativa" (pág. 120).

Com esteio nisso, pode-se observar que a delegação da concessão do regime especial não conflita com a modalidade inaugurada pela portaria em exame. Ao revés, esse ato normativo, a par de revestir-se do caráter de delegação, preconiza critérios objetivos para a automática concessão.

Trata-se, portanto, de norma administrativa geral de efeitos concretos, o que é perfeitamente compatível com o ordenamento tributário brasileiro. O CTN sagra como normas complementares os atos normativos expedidos pelas autoridades administrativas (cf. Art. 100, inc. I).

O ato administrativo enfocado (portaria CAT 26/2010) é adequado para veicular dita delegação, a qual, de resto, é autorizada pela lei de regência do ICMS no Estado. Ainda no escólio de Hely Lopes Meirelles, observa-se que "portaria são atos administrativos internos pelos quais os chefes de órgãos, repartições ou serviços expedem determinações gerais ou especiais a seus subordinados ..." (p. 176).

Segundo Celso Antonio Banderia de Mello:

"Portaria é fórmula pela qual autoridades de nível inferior ao de Chefe do Executivo, sejam de qualquer escalão de comandos que forem, dirigem-se a seus subordinados, transmitindo decisões de efeito interno ..." (Curso de Direito Administrativo.18. ed. Malheiros Editores, 2005, p. 408).

A delegação, portanto, não desborda o ato em apreço e sua validade está fundada na legislação tributária bandeirante.

______________

*Advogados do escritório Fernando Corrêa da Silva e Advogados Associados

_______________

Atualizado em: 1/7/2010 11:47

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Nelson Rosenvald

Migalheiro desde 2020

Sérgio Campinho

Migalheiro desde 2019

Ruy Dourado

Migalheiro desde 2007

Virgínia Cotrim Nery

Migalheira desde 2011

Savio Chalita

Migalheiro desde 2018

Marcelo Narcizo Soares

Migalheiro desde 2018

Roberto Zilsch Lambauer

Migalheiro desde 2010

Maikon Cavalcante

Migalheiro desde 2020

Publicidade