terça-feira, 27 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A inconstitucionalidade da lei 12.234/10 - I

Em absoluta má hora foi aprovado o projeto que se converteu na lei 12.234, sancionada pelo Presidente da República em 5 de maio. O art. 109, caput e inciso VI e o art. 110, § 1.º, do Código Penal sofreram as seguintes alterações.

terça-feira, 6 de julho de 2010


A inconstitucionalidade da lei 12.234/10 - I

A manifesta violação ao princípio da paridade de armas

René Ariel Dotti*

Em absoluta má hora foi aprovado o projeto que se converteu na lei 12.234 (clique aqui), sancionada pelo Presidente da República em 5 de maio. O art. 109, caput e inciso VI e o art. 110, § 1º, do Código Penal (clique aqui) sofreram as seguintes alterações: Art. 109. "A prescrição, antes de transitar em julgado a sentença final, salvo o disposto no § 1º do art. 110 deste Código, regula-se pelo máximo da pena privativa de liberdade cominada ao crime, verificando-se: (...) VI em 3 anos, se o máximo da pena é inferior a 1 ano". Art. 110. (à) "§ 1º A prescrição, depois da sentença condenatória com trânsito em julgado para a acusação, regula-se pela pena aplicada, não podendo, em nenhuma hipótese, ter por termo inicial a data anterior à da denúncia ou queixa".

A primeira modificação ampliou o prazo prescricional de 2 para 3 anos. E a segunda, surgiu para "excluir a prescrição retroativa", como foi triunfalmente anunciada a ementa da nova lei. O texto alterado (§ 1º do art. 109), não tinha o complemento agora introduzido: "não podendo, em nenhuma hipótese, ter por termo inicial a data anterior à da denúncia ou queixa". Ao contrário, o revogado § 2º do art. 109, assim dispunha: "A prescrição, de que trata o parágrafo anterior, pode ter por termo inicial data anterior ao recebimento da denúncia ou da queixa".

A nova lei atenta manifestamente contra o princípio constitucional da razoável duração do processo (CF, art. 5º, LXXVIII), introduzido pela Emenda 45, de 8/12/04 (clique aqui).

É elementar que as alterações traduzem a delirante onda de recrudescimento punitivo alimentada pela mídia com o paradigmático discurso do crime, ou seja, a exploração sensacionalista pela imprensa, rádio e televisão da tragédia humana.

Na falta de uma Política Criminal, fundada em princípios científicos sobre o delinqüente, o delito e as reações penais, o legislador pratica, com absoluta liberdade, o direito penal de ocasião, recorrendo à legislação de pânico para, supostamente, combater o surto da criminalidade violenta (chacinas, latrocínio, homicídio qualificado, sequestro, etc.) e a proliferação da delinqüência dos respeitáveis (peculato e outros crimes contra a Administração Pública, o sistema financeiro nacional, a ordem tributária, a ordem econômica, as relações de consumo, etc.).

O novo diploma segue a ilusão dirigida às massas de que a lei penal é um instrumento adequado para "resolver" os problemas do crime (Segue).

__________________

 

*Professor titular de Direito Penal da Universidade Federal do Paraná - UFPR, foi membro do Tribunal de Justiça Desportiva da Federação Paranaense de Futebol e diretor-jurídico do Coritiba Foot Ball Club. É um dos advogados que redigiu o recurso para o STJD. Advogado do Escritório Professor René Dotti

 

 

 

 

______________

Atualizado em: 5/7/2010 14:14

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Publicidade