quarta-feira, 28 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A inconstitucionalidade da lei 12.234/10 - II

O pensamento é do mestre imortal Eduardo Couture, autor, também, dos antológicos Mandamentos do Advogado. E tem tudo a ver com a malsinada lei 12.234/10, revogadora do § 2º do art. 110 do CP, que estabelecia como termo inicial do prazo prescricional o tempo decorrido entre a data do fato e o recebimento da denúncia ou queixa.

quarta-feira, 7 de julho de 2010


A inconstitucionalidade da lei 12.234/10 - II

É certo que no processo o tempo é algo mais que ouro: é Justiça

René Ariel Dotti*

O pensamento é do mestre imortal Eduardo Couture, autor, também, dos antológicos Mandamentos do Advogado. E tem tudo a ver com a malsinada lei 12.234/10 (clique aqui), revogadora do § 2º do art. 110 do CP (clique aqui), que estabelecia como termo inicial do prazo prescricional o tempo decorrido entre a data do fato e o recebimento da denúncia ou queixa.

A resistência àquela orientação da alta jurisprudência surgiu com o seu nascimento. Realmente, no STF, o Ministro Nélson Hungria era favorável à interpretação mais benigna e o Ministro Luiz Gallotti sustentava o contrário. Venceu a corrente moderada, com a aprovação da Súmula 146: "A prescrição da ação penal regula-se pela pena concretizada na sentença, quando não há recurso da acusação".

Durante o regime militar, o Código Penal de 1969 (Decreto-lei 1.004, de 21/10/1969), foi radical. O 1º do art. 111, dispunha: "A prescrição, depois de sentença condenatória de que somente o réu tenha recorrido, regula-se também, daí por diante, pela pena imposta e verifica-se nos mesmos prazos". A Exposição de Motivos, assinada pelo Ministro da Justiça Luís Antonio da Gama e Silva, anunciava, triunfante: "37. Em matéria de prescrição, o projeto expressamente elimina a prescrição pela pena em concreto, estabelecendo que, depois da sentença condenatória de que somente o réu tenha recorrido, ela se regula também, daí por diante, pela pena imposta. Termina-se, assim, com a teoria brasileira da prescrição pela pena em concreto, que é tecnicamente insustentável e que compromete gravemente a eficiência e a seriedade da repressão".

O natimorto CP 1969 foi alterado pelo Congresso Nacional, embora mutilado pelo Ato Institucional 5/68. A lei 6.016/73 suprimiu a expressão "daí por diante", restaurando a aplicação mais benigna do instituto. Esse diploma, porém, não entrou em vigor; foi revogado pela lei 6.578, de 11/10/1978 (clique aqui).

Uma nova investida - também durante a ditadura militar - foi desferida contra o entendimento já pacificado na jurisprudência. O § 2º do art. 110 do CP, com a redação determinada pela lei 6.416, de 24/5/1977 (clique aqui), declarou que a prescrição não poderia, "em qualquer hipótese, ter por termo inicial data anterior à do recebimento da denúncia".

A lei 12.234/10 traduz a ideologia penal que animou as ações do Estado autoritário que vigorou de 1964 a 1985. Muito apropriadamente chamada por Nilo Batista de "a direita penal". (Segue).

__________________

 

*Professor titular de Direito Penal da Universidade Federal do Paraná - UFPR, foi membro do Tribunal de Justiça Desportiva da Federação Paranaense de Futebol e diretor-jurídico do Coritiba Foot Ball Club. É um dos advogados que redigiu o recurso para o STJD. Advogado do Escritório Professor René Dotti

 

 

 

 

______________

Atualizado em: 6/7/2010 13:14

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Publicidade