quinta-feira, 28 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Golfo do México, um divisor de águas

A explosão na plataforma da British Petroleum no Golfo do México, responsável pelo vazamento incontido de petróleo por 90 dias seguidos, destruindo o ecossistema local, não foi somente o maior desastre ambiental dos EUA. Pouco a pouco se gera a percepção de que o alcance daquela tragédia ultrapassa os simples limites da ecologia.

terça-feira, 27 de julho de 2010


Golfo do México, um divisor de águas

Gilberto de Mello Kujawski*

A explosão na plataforma da British Petroleum no Golfo do México, responsável pelo vazamento incontido de petróleo por 90 dias seguidos, destruindo o ecossistema local, não foi somente o maior desastre ambiental dos EUA. Pouco a pouco se gera a percepção de que o alcance daquela tragédia ultrapassa os simples limites da ecologia, afetando a psique coletiva americana em profundidade, abalando nas bases a crença da maior potência em sua autoridade e liderança mundial, e em sua confiança nas próprias instituições, somada à crise na segurança do dólar e ao desconforto com as guerras do Iraque e do Afeganistão.

O que vazou naqueles 90 dias não foi só petróleo, mas também e principalmente a confiança que os americanos gostam de exibir em sua performance econômica e política, ameaçada também pelo crescimento incontido da China, gastando agora mais energia do que os EUA.

Em artigo publicado no The New York Times e republicado no Estadão, o economista Peter S. Goodman, reconhece que o incidente do Golfo "enfraqueceu o arrogante sentimento de controle e comando do qual os americanos gostam de se gabar" (OESP, 21/7/10). Foi este o dano mais profundo produzido pelo vazamento. Nas palavras da psicóloga Nadine Kaslow, da Universidade Emory, "a psique nacional está muito deprimida." Caso se interrompa o vazamento, - agrega a psicóloga - a sensação que paira no ar é que outra desgraça virá em seguida.

Como se vê, insegurança coletiva para ninguém colocar defeito. O Brasil, na parte que lhe toca, a exploração do pré-sal, já põe as barbas de molho, e o ministério de Minas e Energia manifestou ao governo americano que interessa ao Brasil conhecer a fundo os resultados das investigações oficiais sobre a explosão da plataforma da BP (British Petroleum). O governo brasileiro se assusta: o jornal inglês "Financial Times" profetiza que o vazamento no poço da BP torna inviável o projeto da Petrobras sobre o Pré-Sal. Inviável, eis aí a palavra fatal com todas as letras (OESP, Economia, B7, 21/7/10).

O mundo numa encruzilhada

O acima exposto é a leitura negativa do incidente no Golfo do México. Mas, como sempre, há a leitura positiva, que a maioria dos observadores ainda se recusa a fazer. A leitura positiva do drama do vazamento, com a destruição ou comprometimento sem data para acabar do ecosistema local, é, em resumo, a seguinte: o reino do petróleo como a principal fonte energética que move o mundo, está com os dias contados. Urge, mais do que nunca, a implantação de fontes alternativas de energia. O presidente Obama, longe de se abater com o incidente do Golfo, já partiu para uma iniciativa a favor da energia limpa. Alguns observadores mais perspicazes dizem até que a meta da energia limpa constitui a causa principal do governo Obama, mostrando assim sua aguda visão de estadista.

Creio ser esta a verdadeira mensagem, o aviso crucial que se levanta daquelas ondas encardidas de petróleo, extinguindo a fauna e a flora locais no Golfo do México. Mais do que nunca temos que possuir olhos de ver e ouvidos de ouvir para percebermos que está mais do que na hora de trocar o óleo mineral pela energia do etanol, da eletricidade, do sol, do vento, e de reverter tudo o que se gastou nas armas atômicas em aplicação da energia nuclear para fins pacíficos.

O presidente Lula, em vez de ser fotografado e televisionado com as mãos sujas de petróleo, exaltando demagogicamente as expectativas sobre o pré-sal, deveria divulgar sua imagem em meio a um canavial a perder de vista. E aqui uma observação para refletir melhor: o destino dos países emergentes, como o Brasil, por exemplo, não é repetir o Primeiro Mundo, com suas qualidades e defeitos, e sim ultrapassar o Primeiro Mundo no que ele tem de negativo, danoso e perigoso para a segurança da humanidade. Tentar a simples equiparação com os países adiantados seria nos rendermos mais uma vez ao nosso complexo de vira-lata, como diria Nelson Rodrigues.

O petróleo, que nasce da decomposição de dejetos animais e vegetais pré-históricos, deve ser devolvido para onde estava, na pré-história, à paz em que repousa no fundo da terra e do mar, para que os homens também tenham paz.

___________________



 

*Ex-Promotor de Justiça. Filósofo e ensaísta





______________

Atualizado em: 26/7/2010 13:47

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

Publicidade