sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Água, o ouro do século XXI

Um fazendeiro, de nome José, comprou uma fazenda à beira do Rio das Velhas, região valorizada, por ser banhada pelas águas do dito rio.

quarta-feira, 13 de abril de 2005

Água, o ouro do século XXI


Gustavo Brígido de Alvarenga Pedras*

Um fazendeiro, de nome José, comprou uma fazenda à beira do Rio das Velhas, região valorizada, por ser banhada pelas águas do dito rio. Essa compra foi efetuada há muitos anos, quando a água ainda era limpa, cristalina, pura, além de formar uma verdadeira praia na fazenda do produtor rural. Seu José recebeu várias propostas pela sua terra, pois a irrigação se tornou muito cara, e suas terras possuíam abundância de água. A valorização foi ainda maior, depois da construção de alguns açudes pelo Seu José.

Contudo, a Constituição Federal de 1988 e a Lei 9.433/97 determinaram que a água dentro da propriedade do Seu José não seria mais dele, passando a ser de domínio público, e necessária uma outorga (autorização) para o seu uso. Além disso, foi implementada a cobrança pelo uso dos recursos hídricos, ou seja, além do Seu José não ser mais o proprietário daquelas águas inseridas dentro de suas terras, ainda teria que pagar pelo uso delas!

Tal situação pode parecer revoltante, pois o fazendeiro pagou mais pelas terras justamente por serem banhadas pelo Rio das Velhas. Porém, a intenção destas leis é a preservação das águas. Se cada um usar ou poluir as águas dentro de suas terras da forma que achar mais conveniente, outros fazendeiros e mesmo populações serão prejudicados, pois na verdade o Rio das Velhas é um só, e a água poluída em determinada fazenda trará conseqüências danosas para outra subseqüente ao curso d'água. A poluição é transfronteiriça (desconhece fronteiras), não respeitando limites de propriedade e políticos.

A cobrança pelo uso da água viola princípios constitucionais, pois se a Constituição Federal (CF), em seu artigo 225, reconhece que todos têm direito ao meio ambiente equilibrado, não poderia ser permitida a cobrança pelo uso de algo pertencente ao próprio ser humano. Seria o mesmo que cobrar pelo ar que respiramos. A relação existente entre o homem e a água antecede o direito, e é elemento essencial à sua sobrevivência.

Além disso, o direito de propriedade consagrado também pela Constituição Federal, art. 5º, XXII, ficaria restringido. Não teria sentido que a União, sem recorrer a regular processo expropriatório, simplesmente se assenhorasse do patrimônio privado, no caso, as águas do Seu José. Se a CF assegura o direito de propriedade, a expropriação desse direito deve ser compensada monetariamente, mediante indenização. Do contrário, haveria verdadeiro confisco, o que é vedado pela CF. Assim, os proprietários devem ser indenizados pela perda da propriedade sobre as águas e do respectivo solo que elas ocupam.

Outra crítica à legislação, é que o governo federal tenta concentrar o controle dos recursos hídricos em suas mãos, porém, acredita-se que os municípios deveriam ter maior autonomia para isso, já que são ELES que sofrem diretamente as conseqüências de uma má administração dos recursos hídricos. A administração de um córrego que se inicia e termina em um mesmo município, embora pertença aos Estados, constitui atribuição dos municípios. A Constituição Federal excluiu o município como proprietário das águas.

A questão é que nem sempre se sabe a real intenção do governo. É o benefício da população ou a captação de recursos?

Assunto em pauta é a "transposição" do Rio São Francisco. No Nordeste, irão aproveitar a água do Velho Chico para beneficiar outros rios de águas inconstantes. O argumento do governo é que este projeto irá levar água para populações antes "banhadas" pela seca. Ou será que os objetivos são eleitoreiros e para beneficiar indústrias que precisam de um fluxo de água próximo para despejar sua sujeira?

Diferentemente da disponibilidade da água, o tema é infinito, abrangendo inúmeros outros aspectos, que poderão ser abordados em outra oportunidade.
____________

*Artigo publicado no jornal O Tempo - edição de 7 de dezembro de 2004
____________

*Diretor do Departamento de Direito Ambiental do Instituto dos Advogados de Minas Gerais - IAMG









__________

Atualizado em: 12/4/2005 12:17

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Marcelo Branco Gomez

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020
João Ibaixe Jr

João Ibaixe Jr

Migalheiro desde 2019
Jones Figueirêdo Alves

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011
Júlio César Bueno

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004
Justiliana Sousa

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020
Quésia Falcão de Dutra

Quésia Falcão de Dutra

Migalheira desde 2019
Ivo Ricardo Lozekam

Ivo Ricardo Lozekam

Migalheiro desde 2020
Sérgio Roxo da Fonseca

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004
Cleanto Farina Weidlich

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007
Levi Rezende Lopes

Levi Rezende Lopes

Migalheiro desde 2020
Ivan Esteves Barbosa

Ivan Esteves Barbosa

Migalheiro desde 2020
Almir Pazzianotto Pinto

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003
Jeniffer Gomes da Silva

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Publicidade