quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Transportes: PIS/Cofins - a não cumulatividade cumulativa

Rodrigo Ribeiro Fontão

Enquanto os empresários brasileiros lutam pelo crescimento de suas empresas para enfrentar a concorrência dos grandes players do mercado globalizado, nossa legislação dificulta sobremaneira o trabalho daqueles a quem deveria estimular ou, na pior das hipóteses, não atrapalhar.

sexta-feira, 6 de agosto de 2010


Transportes: PIS/Cofins - a não cumulatividade cumulativa

Rodrigo Ribeiro Fontão*

Enquanto os empresários brasileiros lutam pelo crescimento de suas empresas para enfrentar a concorrência dos grandes players do mercado globalizado, nossa legislação dificulta sobremaneira o trabalho daqueles a quem deveria estimular ou, na pior das hipóteses, não atrapalhar.

A alta carga tributária aliada ao excesso de formalismo de nossa legislação para determinação dos tributos a recolher mensalmente que cria distorções e possibilita aos órgão de fiscalização, sempre focados no aumento da arrecadação, representam os maiores obstáculos ao crescimento enfrentados por nossos empreendedores.

Neste linha de excessos de normas e de formalismo, ocupam lugar de destaque as contribuições sociais não-cumulativas sobre o faturamento - PIS/PASEP e COFINS - com restrições de toda ordem para a utilização de créditos e para apuração dos valores a recolher, cabendo destacar a situação das empresas transportadoras.

É indiscutível que os custos e despesas regularmente suportadas pelos transportadores, na realização, do serviço devem ser considerados como insumos e, desta forma, compor a base para cálculo dos créditos PIS e da COFINS para dedução dos valores devidos.

Todavia, custos essenciais à prestação dos serviços, como seguros, vigilância patrimonial, rastreamento de cargas via satélite, fardamento, alimentação, vale-transporte, pedágio pelo uso de vias públicas, além de outras. são barrados pelo Fisco na hora de autorizar os créditos.

A vedação ao aproveitamento de créditos sobre tais custos não encontra, porém, amparo na Constituição e nas normas legais em vigor, representando excesso de rigor, e por que não dizer, falta de bom censo das autoridades fiscais, restando ao contribuinte utilizar dos meios jurídicos disponíveis para fazer valer o seu direito.

Embora sejamos obrigados a reconhecer que a garantia dos direitos do contribuinte sempre que depender de medida judicial não seja o caminho ideal, para mudar a situação o único caminho disponível é provocar a manifestação do sempre independente Poder Judiciário.

_______________

*Advogado e Sócio do escritório Piazzeta e Boeira Advocacia Empresarial

_______________

Atualizado em: 5/8/2010 09:42

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Marília Lira de Farias

Marília Lira de Farias

Informativo Migalheira desde 2020
Quésia Falcão de Dutra

Quésia Falcão de Dutra

Informativo Migalheira desde 2019
Celso Cintra Mori

Celso Cintra Mori

Informativo Migalheiro desde 2005
Lilia Frankenthal

Lilia Frankenthal

Informativo Migalheira desde 2020
Valmir Pontes Filho

Valmir Pontes Filho

Informativo Migalheiro desde 2004
Murillo de Aragão

Murillo de Aragão

Informativo Migalheiro desde 2018
Allan de Oliveira Kuwer

Allan de Oliveira Kuwer

Informativo Migalheiro desde 2020
Ricardo Alves de Lima

Ricardo Alves de Lima

Informativo Migalheiro desde 2020
Scilio Faver

Scilio Faver

Informativo Migalheiro desde 2020
Cleanto Farina Weidlich

Cleanto Farina Weidlich

Informativo Migalheiro desde 2007

Publicidade