terça-feira, 24 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

As Novas Regras da Lei nº 10637/02 Relativas à Contribuição ao PIS

Com a edição da MP nº 107 , a partir de 1/2/03 as receitas decorrentes da venda de ativo imobilizado não integrarão a base de cálculo da referida contribuição, sendo permitido também o desconto dos créditos relativos às despesas com energia elétrica consumida nos estabelecimentos da pessoa jurídica.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2003


As Novas Regras da Lei nº 10637/02 Relativas à Contribuição ao PIS

Mário Comparato*

Daniela Spigolon Loureiro*

A Lei 10637/02 introduziu duas importantes mudanças na sistemática de cálculo das contribuições devidas pelas empresas ao PIS (Programa de Integração Social):

· a aplicação do mecanismo conhecido como o da "não-cumulatividade", até então restrito aos impostos indiretos (ICMS e IPI) por força da Constituição Federal;
· a elevação da alíquota da contribuição para 1,65% sobre o faturamento, assim entendida a totalidade das receitas das empresas.

Desde dezembro de 2002, em razão dessa nova sistemática, para a apuração da contribuição devida, os contribuintes poderão descontar "créditos", relativos a despesas ou custos incorridos, dentre os quais podemos citar, entre outros, os relativos a:

· bens e serviços utilizados como insumo na fabricação de produtos destinados à venda ou à prestação de serviços, inclusive combustíveis e lubrificantes:

· aluguéis de prédios, máquinas e equIpamentos pagos a pessoa jurídica;

· equipamentos e máquinas adquiridos para utilização na fabricação de produtos destinados à venda.

Registre-se que com a razão da edição da Medida Provisória nº 107, de 10 de fevereiro de 2003 (publicada no Diário Oficial em 11.02.2003), a partir de 1º de fevereiro de 2003 as receitas decorrentes da venda de ativo imobilizado não integrarão a base de cálculo da referida contribuição, sendo permitido também o desconto dos créditos relativos às despesas com energia elétrica consumida nos estabelecimentos da pessoa jurídica. Além disso, com esta nova Medida Provisória, as cooperativas voltaram a ser excluídas da nova sistemática de apuração do PIS trazida pela Lei nº 10.637/02.

No entanto, a aplicação da "não-cumulatividade" na sistemática de apuração desta contribuição tem gerado diversas dúvidas e interpretações, especialmente em decorrência da novidade da matéria e das restrições legais em relação a certas deduções como, por exemplo, as relativas às aquisições no mercado externo.

Assim, eventual incorreção com relação à nova forma de apuração do PIS poderá onerar indevidamente as operações realizadas pelos contribuintes e/ou expor a empresa a riscos desnecessários de autuações fiscais.

_________________

*Sócio e Advogada do escritório Manhães Moreira Advogados Associados

__________________


Atualizado em: 1/4/2003 11:49

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Guilherme Alberge Reis

Migalheiro desde 2020

Luciane Bombach

Migalheira desde 2019

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017

Pablo Domingues

Migalheiro desde 2017

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Publicidade