sábado, 16 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O dever dos planos de saúde com os portadores de doença

Gabriela Cardoso Guerra Ferreira

As seguradoras não podem se negar a fechar contrato com pessoas portadoras de certas enfermidades, tampouco romper o vínculo contratual. É inaceitável a recusa de inclusão, em plano de assistência médica, de uma pessoa com deficiência, uma vez que tal atitude pode ser considerada discriminatória.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010


O dever dos planos de saúde com os portadores de doença

Gabriela Cardoso Guerra Ferreira*

As seguradoras não podem se negar a fechar contrato com pessoas portadoras de certas enfermidades, tampouco romper o vínculo contratual. É inaceitável a recusa de inclusão, em plano de assistência médica, de uma pessoa com deficiência, uma vez que tal atitude pode ser considerada discriminatória, conforme dispõe o art. 14 da lei 9.656/98 (clique aqui): "Em razão da idade do consumidor, ou da condição de pessoa portadora de deficiência, ninguém pode ser impedido de participar de planos privados de assistência à saúde."

De acordo com a lei dos planos de saúde e, segundo a ANSS, é garantido a todos o direito de contratar um plano de saúde e, mesmo nos casos de portadores de doença ou lesão preexistente, só pode haver restrição no uso do plano por dois anos, e ainda assim exclusivamente para procedimentos relacionados à doença declarada pelo consumidor no relatório de saúde.

O CDC (clique aqui) dispõe em seu artigo 39, inciso IX, que é considerada conduta abusiva "recusar a venda de bens ou a prestação de serviços, diretamente a quem se disponha a adquiri-los mediante pronto pagamento, ressalvados os casos de intermediação regulados em leis especiais."

Dessa maneira, impõe-se em determinadas circunstâncias o dever de celebrar o contrato, não se admitindo a recusa por parte da operadora. Com efeito, a lei dos planos de saúde define que, havendo lesão ou doença preexistente, deverá a operadora compensá-lo, realizando os cálculos que permitam a elevação adequada, ou seja, proporcional, de valores, o que é conhecido como agravo. E, como já dito, se for o caso restringir aos serviços ligados a doença por até dois anos.

No entanto, independentemente do que consta no contrato, devem ser respeitados os limites máximos de carências estabelecidos pelo artigo 12, inciso V da lei 9.656/98, os quais são: de 24 horas para atendimentos de urgência e emergência; de 300 dias para partos a termo; e de 180 dias para demais casos.

Neste sentido, os tribunais de justiça têm admitido apenas a extinção do contrato, seja ele individual ou coletivo, em caso de fraude e/ou de não pagamento do prêmio por período superior a 60 dias. Quando os planos de saúde cometem condutas abusivas, como as citadas acima, os magistrados condenam as operadoras ao pagamento de indenização por danos morais. O dever dos planos é preservar o vínculo contratual e garantir a assistência à saúde de seus beneficiários. Não se admite, em hipótese alguma, a exclusão e o impedimento do direito a usufruir de um seguro ou plano de saúde apenas pela presença de deficiência.

__________________

 

 

*Advogada do escritório Vilhena Silva Sociedade de Advogados

 

 

 

 

 

 

________________

Atualizado em: 16/9/2010 10:26

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Sérgio Roxo da Fonseca

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004
Sílvio de Salvo Venosa

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019
Carla Louzada Marques

Carla Louzada Marques

Migalheira desde 2020
Miguel Reale Júnior

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003
Fabricio Soler

Fabricio Soler

Migalheiro desde 2018
Diogo L. Machado de Melo

Diogo L. Machado de Melo

Migalheiro desde 2008
Murillo de Aragão

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018
Gustavo Abdalla

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019
João Paulo Saraiva

João Paulo Saraiva

Migalheiro desde 2019
Scilio Faver

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Publicidade