segunda-feira, 30 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Planos de saúde e o descredenciamento de hospitais

Maria Helena Crocce Kapp

Ao entrar em vigor a lei 9.656/98, que dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde, passou a ser permitido às operadoras de plano de saúde o descredenciamento de entidade hospitalar, nos contratos firmados a partir de 1999, desde que preenchidos certos requisitos.

terça-feira, 16 de novembro de 2010


Planos de saúde e o descredenciamento de hospitais

Maria Helena Crocce Kapp*

Ao entrar em vigor a lei 9.656/98 (clique aqui), que dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde, passou a ser permitido às operadoras de plano de saúde o descredenciamento de entidade hospitalar, nos contratos firmados a partir de 1999, desde que preenchidos certos requisitos.

Entretanto, faz-se necessário discorrer sobre o assunto para entender a intenção da mencionada lei e ponderar até que ponto o descredenciamento, após a celebração do contrato é legal. Certamente, a rede de hospitais, clínicas e médicos credenciados são os fatores decisivos no momento de escolher e contratar um plano de saúde.

O consumidor busca no plano um hospital de qualidade, de preferência próximo à residência ou, ainda, o serviço de determinada clínica ou médico especializado e, quando efetivamente assina o contrato com a operadora de saúde, tem a certeza de que quando precisar contará com atendimento irrestrito naquela entidade hospitalar.

Assim, diante dessas considerações, pergunta-se: seria justo o descredenciamento imotivado por parte da operadora de saúde, depois de assinado o contrato? Obviamente que não. O artigo 17 da lei 9.656/98 é claro ao afirmar que a inclusão de qualquer entidade hospitalar implica compromisso para com os consumidores quanto à manutenção ao longo da vigência do contrato.

Cabe esclarecer, nesse aspecto, que embora a lei se refira apenas às entidades hospitalares, os órgãos de defesa do consumidor entendem que a prerrogativa também deve ser mantida para os demais prestadores de serviço, como laboratórios, clínicas e médicos.

Mas então quando seria permitido o descredenciamento? A lei confere a possibilidade de substituição em situações excepcionais, desde que obedecidos certos requisitos, como a substituição da entidade hospitalar por outro equivalente e mediante comunicação aos consumidores e à ANS com 30 dias de antecedência. Essa comunicação prévia é isenta para os descredenciamentos decorrentes de rescisão por fraude ou infração.

Dessa maneira, a ideia não é restringir o serviço ofertado, mas sim permitir que, em situações excepcionais e devidamente justificadas, haja a substituição do serviço por outro de nível equivalente e sem qualquer ônus ao consumidor. Simplesmente restringir o serviço inicialmente ofertado é prática ilegal e abusiva e fere não só a lei 9.656/98, mas também o CDC (clique aqui).

Deve-se ter em mente que o consumidor não pode, em hipótese alguma, ser prejudicado pelo descredenciamento de prestador de serviço, principalmente enquanto estiver em tratamento. Caso o descredenciamento - seja por iniciativa do plano de saúde, seja por iniciativa do prestador hospitalar - ocorra durante o período de internação, por exemplo, a operadora de saúde é obrigada a cobrir as despesas médico-hospitalares até a alta definitiva do paciente.

Na hipótese de descredenciamento por fraude ou infração às normas sanitárias, a operadora deverá transferir imediatamente o paciente para outro estabelecimento equivalente, arcando com todos os custos até a alta médica.

Da mesma forma, se a substituição da entidade hospitalar não for informada ao consumidor no prazo de 30 dias, estabelecido pelo artigo 17 da lei 9.656/98, e não houver a substituição por outra entidade equivalente, o que significa dizer de mesma qualidade e padrão de atendimento, o consumidor tem direito a reclamar a cobertura do tratamento realizado na entidade até então credenciada e pleitear, em determinadas situações, indenização por danos morais. Além disso, qualquer alteração na rede hospitalar informada no contrato de um plano tem que ser avaliada e autorizada pela ANS. Portanto, não pode haver o descredenciamento imotivado de um hospital ao longo do contrato.

______________________

 

 

*Advogada do escritório Vilhena Silva Sociedade de Advogados

 

 

 

 

 

________________

Atualizado em: 12/11/2010 10:02

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Ivo Ricardo Lozekam

Migalheiro desde 2020

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Camila Crespi Castro

Migalheira desde 2019

Pedro Dalese

Migalheiro desde 2020

Celso Wanzo

Migalheiro desde 2019

Leonardo Quintiliano

Migalheiro desde 2019

Publicidade