terça-feira, 24 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A PEC 473/01 e a nomeação dos ministros do STF

Luiz Fernando Gama Pellegrini

Entendemos que o projeto é pouco, muito pouco, mas sem dúvida um primeiro passo para que os ministros do STF sejam indicados pela OAB, MP e Magistratura, tornando-se assim um Tribunal efetivamente técnico, equilibrado, sem qualquer vínculo e subordinação aos poderes Executivo e Legislativo.

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010


A PEC 473/01 e a nomeação dos ministros do STF

Luiz Fernando Gama Pellegrini*

Temos observado que nos últimos meses que antecedem o novo governo um movimento dos mais elogiáveis, qual seja a libertação do MP - vide artigo anterior (clique aqui) - e do Poder Judiciário das injunções impostas pelo Poder Executivo e Legislativo, mais precisamente da Presidência da República que presentemente, sem dúvida alguma, violam o equilíbrio necessário existentes entre os três poderes, muito embora o quadro existente esteja previsto nos artigos 84, inciso XIV e 101, parágrafo único da mesma Carta Constitucional (clique aqui).

E agora através da proposta de Emenda Constitucional 473/2001 (clique aqui) já aprovada pela CCJ, sugere-se nova redação ao inciso XIV, do art. 84 da CF/88, seguintes termos:

"XIV - nomear os Ministros do Supremo Tribunal Federal, em seguida à escolha de que trata o parágrafo único do art. 101, e, após aprovação do Senado Federal, os Ministros dos Tribunais Superiores, os Governadores de Territórios, o Procurador-Geral da República, o presidente e os Diretores do Banco Central e outros servidores, quando determinado em lei."

Da mesma forma, sugere-se nova redação ao Parágrafo Único do art. 101, a saber:

"Os Ministros do Supremo Tribunal Federal serão escolhidos, alternativamente, pelo Presidente da República e pelo Congresso Nacional, nesse último caso, pela maioria absoluta de seus membros".

Muito embora e torcendo para que esse projeto seja aprovado, entendemos que é pouco, muito pouco, mas sem dúvida um primeiro passo para que os ministros do STF sejam indicados pela OAB, MP e Magistratura, tornando-se assim um Tribunal efetivamente técnico, equilibrado, sem qualquer vínculo e subordinação aos poderes Executivo e Legislativo - pois, na verdade, é esse último que dá a palavra final, - pois o presidente nada mais faz do nomear, muito embora a nomeação seja política - , ou seja, a nomeação pelo presidente somente se dá após aprovação pelo Congresso Nacional, que igualmente é outro poder interferindo no Poder Judiciário e que igualmente atua de maneira política.

Como bem aponta JOSÉ AFONSO DA SILVA: "Prevaleceu o sistema de nomeação pelo presidente da República, com aprovação do nome pelo Senado Federal, como ainda é hoje, com censuras que têm recrudescido, por se entender que este sistema dá àquele uma predominância que não favorece a democracia." (Comentário Contextual à Constituição, 6ª Ed., Malheiros, pág. 533, 2009).

É ainda o mesmo mestre acima que preceitua: "Tudo isso demonstra que os trabalhos do Legislativo e do Executivo especialmente, mas também do Judiciário, só se desenvolverão a bom termo se esses órgãos se subordinarem ao princípio da harmonia, que não significa nem o domínio de um pelo outro, nem a usurpação de atribuições, mas a verificação de que entre eles lha de haver consciente colaboração e controle recíproco (que, aliás integra, o mecanismo), para evitar distorções e desmandos. A desarmonia, porém, se dá sempre que se acrescem atribuições, faculdades e prerrogativas de um em detrimento de outro." (Ob., cit., pág. 44/45)

Por outro lado: "Em relação ao Supremo Tribunal Federal, a escolha é livre. A qualidade dos que hoje ocupam as cadeiras daquela Corte não impede que no futuro seu nível baixe em função da qualidade do presidente eleito. É mais difícil entrar nos concursos da Magistratura do que ser ministro do Supremo, se o indicado for amigo do Presidente." (CELSO RIBEIRO BASTOS e IVES GANDRA MARTINS, Comentários à Constituição do Brasil, 4º Tomo II, Ed. Saraiva, pág. 322).

Pelo que se depreende do projeto de emenda constitucional, infelizmente mantém-se a dependência do Poder Judiciário, na hipótese "nas mãos dos poderes legislativo e executivo", em que se chega ao absurdo de que a aferição dos requisitos constantes para a nomeação do(a) candidato(a) dependa da totalidade de aprovação do Senado Federal, o que só podemos entender como um non sense constitucional, posto que uma das premissas do Direito é o bom senso, ainda que se alegue que a "sabatina" e a própria "nomeação" sejam iniciativas políticas, o que efetivamente não se insere no contexto do art. 2º da Carta Magna.

Será que essa sabatina é efetivamente?

É necessário que as instituições operadoras do Direito e acima de tudo o Poder Judiciário exijam que esse Poder não possa ser tutelado por outros poderes, mesmo porque política e Direito são caminhos antagônicos.

Não se pode entender que esses poderes limitem a atuação do Poder Judiciário, principalmente tratando-se da mais alta Corte do país, em que a sociedade deve acreditar e confiar naquilo que há de mais sagrado no regime jurídico-democrático, ou seja, o Poder Judiciário.

Óbvio que nosso entendimento neste momento possa não passar de um delírio, mas o que vemos é que as coisas mudam ainda que não desejadas pelos políticos, pois o crescimento do país e a maior compreensão ou entendimento de toda a trama que disciplina os seus caminhos exigem mudanças.

Pensamos que os cidadãos e a sociedade devem ter presente o inciso IV, do art. 5º e art. 220, par. 2º, da CF/88, que disciplina os direitos e garantias individuais, um texto que sem dúvida faz inveja a muitos países de primeiro mundo, em que explicitamente consigna que "é livre a manifestação do pensamento, vedado o anonimato", de tal forma como preceitua o grande mestre constitucionalista acima invocado:

"2.2.Liberdade de opinião. De certo modo, esta resume a própria liberdade de pensamento em suas várias formas de expressão. Trata-se da liberdade de o indivíduo adotar a atitude intelectual de sua escolha: quer um pensamento íntimo; quer seja a tomada a posição pública; liberdade de pensar e dizer o que se crê verdadeiro." (JOSÉ AFONSO DA SILVA, ob. cit., 90)

Mudar sempre é objeto de defesas inclusive que inconscientes, mas é necessário, o que nos leva a pensar no grande poeta português, ao dizer "...tudo vale a pena se a alma não for pequena".

Quem imaginaria que um dia teríamos um impeachment, pois tivemos.

__________________

*Desembargador aposentado do TJ/SP





______________

Atualizado em: 22/12/2010 10:31

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Quésia Falcão de Dutra

Migalheira desde 2019

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Letícia Baddauy

Migalheira desde 2020

Guilherme Alberge Reis

Migalheiro desde 2020

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020

Láiza Ribeiro

Migalheira desde 2020

Carla Louzada Marques

Migalheira desde 2020

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Publicidade