sexta-feira, 22 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Crime Político

Matar alguém: Pena - reclusão de seis a vinte anos. Essa a norma do Código Penal aplicável, no Brasil, a assassinos.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011


Crime Político

Almir Pazzianotto Pinto*

Matar alguém: Pena - reclusão de seis a vinte anos. Essa a norma do Código Penal (clique aqui) aplicável, no Brasil, a assassinos.

Segundo a lição de Nelson Hungria, "O homicídio é o tipo central de crime contra a vida e é o ponto culminante na orografia dos crimes. É o crime por excelência. É o padrão da delinquência violenta, ou sanguinária, que representa como que uma reversão atávica às eras primitivas".

A lei admite que, sob determinadas circunstâncias, o autor atua impelido por motivo de relevante valor social ou moral, ou dominado de violenta emoção, após ser injustamente provocado ou agredido. Em casos tais, faculta-se ao julgador reduzir a duração da pena.

Cuidou o legislador, por outro lado, de prescrever que não haverá crime quando alguém mata em estado de necessidade, legítima defesa, ou no estrito cumprimento de dever legal.

A Constituição concede ao criminoso, se brasileiro nato, o benefício de não ser extraditado. O naturalizado poderá sê-lo, em casos excepcionais. O crime político e o delito de opinião, entretanto, garantem asilo ao estrangeiro, que permanecerá em nosso território, protegido pela nossa lei.

Isso coloca-nos diante da pergunta: quando matar deixa de ser crime comum e passa à categoria de crime político?

Explodir bar, rodoviária, estação de metrô, prédio ou banca de jornal, como instrumento de contestação a regime político de direita, centro ou esquerda, democrático ou ditatorial, provocando a morte de inocentes, caracteriza crime privilegiado e garante a impunidade dos autores?

O atentado contra o presidente Prudente de Morais, em 1897, que resultou na morte do Marechal Carlos Machado Bittencourt, pertenceria à espécie do crime político? E quanto à bomba detonada no Aeroporto de Gurarapes, à época do governo Castelo Branco? Como qualificar a morte do Ministro Aldo Moro, vítima das "Brigadas Vermelhas", as execuções de Celso Daniel e Toninho do PT, o assassinato do Juiz paulista Antonio José Machado Dias, e outras muitas ações do PCC e do Comando Vermelho?

Daquilo que se sabe, desde os tiros que abateram o arquiduque Francisco Fernando da Áustria, precipitando a eclosão da primeira Guerra Mundial, revelou-se impossível tipificar com rigor científico o crime dito político. Sabe-se, porém, que houve crime. Na repulsiva ética dos extremistas, toda brutalidade é permitida, quando praticada em nome da ideologia que professam. O caso Cesare Battisti, é simples: ele permanece vivo, saudável e forte. Escreve livros, concede entrevistas. Deixou na Itália, contudo, quatro defuntos, quatro famílias desamparas, e um paraplégico.

A conduta dos defensores do patibular criminoso é pueril. Confirmam os fatos, mas contestam a autoria. Fazem-no sob dois argumentos: o celerado foi condenado à revelia e, à época dos homicídios havia requerido a baixa do PAC - Proletários Armados do Comunismo.

Quanto ao primeiro, a resposta não pode ser outra: a revelia ocorreu porque se evadira da prisão, após ser condenado por crimes de assassinatos. Quando ao segundo, é notório que organizações terroristas não funcionam como partidos políticos ou clubes, nos quais, para se filiar, preenche-se ficha de inscrição e, para se demitir, protocola-se pedido de desligamento.

O terrorista age no escuro. Não tem nome, endereço, CNPJ, RG ou CPF. Nada de assembleias, atas e livros de presença. Dependendo do humor, ou de conflitos interno, desloca-se de uma sigla a outra com as armas e o produto das pilhagens.

Entre as vítimas de Cesare Battisti uma sobrevive: o filho de Pierluigi Torregiani, que aos 13 anos assistiu a morte do pai, e está em cadeira de rodas. A palavra deste homem tem alguma validade, ou só merece crédito a do facínora? As quatro condenações resultaram de aberrações jurídicas? Encerram erros judiciais? A magistratura italiana deixou-se conduzir por mero impulso vingativo?

São perguntas que os Srs. Ministros do Supremo Tribunal Federal, - colegas dos falecidos magistrados Giovani Falcone e Paulo Borsolini - devem responder antes de abrigar no seio da nossa sociedade a patibular figura de Battisti.

Tal como aqui sucede, o povo italiano trava desigual batalha contra a corrupção, o narcotráfico, o crime organizado e o inorganizado. O PAC talvez não mantivesse aliança com a "Cosa Nostra". Descendia, porém, das temidas "Brigadas Vermelhas".

Deixemos por conta do país dos nossos avós o encargo de cuidar do delinquente. O indivíduo é perigoso e indesejável em solo brasileiro.

___________________



*Ex-Ministro do Trabalho e ex-presidente do TST





________________

Atualizado em: 5/1/2011 16:55

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Justiliana Sousa

Justiliana Sousa

Informativo Migalheira desde 2020
Ivo Ricardo Lozekam

Ivo Ricardo Lozekam

Informativo Migalheiro desde 2020
João Paulo Saraiva

João Paulo Saraiva

Informativo Migalheiro desde 2019
João Ibaixe Jr

João Ibaixe Jr

Informativo Migalheiro desde 2019
Luana Tavares

Luana Tavares

Informativo Migalheira desde 2021
Allan de Oliveira Kuwer

Allan de Oliveira Kuwer

Informativo Migalheiro desde 2020
Taciana Santos Lustosa

Taciana Santos Lustosa

Informativo Migalheira desde 2020
Edvaldo Barreto Jr.

Edvaldo Barreto Jr.

Informativo Migalheiro desde 2020
Luís Roberto Barroso

Luís Roberto Barroso

Informativo Migalheiro desde 2003
Paulo Henrique Cremoneze

Paulo Henrique Cremoneze

Informativo Migalheiro desde 2019

Publicidade