terça-feira, 26 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Visita protocolar?

Desde quando vimos o político da nação mais poderosa do mundo desembarcando com a mulher e filhas a tiracolo, e mais a sogra e a madrinha das pequenas, de mãos dadas com o pai o tempo todo, mostrando como este homem é inseparável da família e não sabe viver sem ela, apesar de toda sua projeção?

sexta-feira, 25 de março de 2011

Visita protocolar?

Gilberto de Mello Kujawski*

Certo matutino paulistano, no dia seguinte à partida do presidente americano para o Chile, publica um editorial com o título "Visita protocolar". Poucas vezes a imprensa escrita brasileira deu prova tão cabal de sua miopia quanto ao comentar a passagem de Obama pelo nosso país, agora em março.

A primeira visita de Obama ao Brasil foi tudo, menos "protocolar", isto é, formal, fria, cerimoniosa, convencional, sem calor humano nem criatividade. Pelo contrário, desde o começo a visita do primeiro presidente americano negro assumiu um caráter informal, descontraído, espontâneo, caloroso, e virtualmente criativo no apelo reiterado para o Brasil e USA iniciarem novo ciclo de relações dominado menos pela burocracia, pelo oficialismo, e mais pelo denominador comum de nosso futuro emergente.

Desde quando vimos o político da nação mais poderosa do mundo desembarcando com a mulher e filhas a tiracolo, e mais a sogra e a madrinha das pequenas, de mãos dadas com o pai o tempo todo, mostrando como este homem é inseparável da família e não sabe viver sem ela, apesar de toda sua projeção?

Como pode tanta gente, jornalistas experientes, diplomatas, políticos, economistas, estrategistas, ser tão insensível à novidade clamorosa trazida por Obama e seu estilo de apresentar-se em público, inseparável de Michelle, Malia e Sacha? Barack Obama surge aos olhos de todos como um homem integrado, isto é, no qual se consubstancia o estadista, o homem público, e o chefe de família, a pessoa privada. Nesta integração perfeita está a fórmula de sua felicidade. Obama irradia felicidade, vale dizer, é uma pessoa centrada em seu próprio eixo, fiel a si mesma, que não precisa improvisar-se em histrião quando sobe ao palanque para discursar.

Na verdade, o verdadeiro perfil de Barack Obama é o de supertalentoso garoto-propaganda do famoso e tão incompreendido american way of life. Este constitui um estilo de existência que tem sua tônica na celebração da vida privada. O americano só se sente feliz quando respira em meio à família, aos amigos e colegas, no clube, na igreja, no bairro, falando com o sotaque caipira do seu estado. Certo provincianismo faz parte do americano típico. E Obama está profundamente identificado com esta maneira castiça de ser.

Não seria essa identificação o segredo de sua vitória eleitoral?

No estilo vai a mensagem. A retórica de Obama é impressionante. Mas igualmente impressionante é sua linguagem corporal, sua descontração, sua economia gestual, seu tom de voz.

Esta é a melodia de seu estilo, que os ouvidos insensíveis dos jornalistas e economistas, ávidos de resultados imediatos, não sabem ouvir.

___________________




*Ex-promotor de Justiça. Escritor e jornalista

 

 



 

 

______________

Atualizado em: 23/3/2011 15:49

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

Publicidade