sábado, 28 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Uma possível emenda ao novo CPC no que tange à assistência judiciária gratuita

É necessário fazer algumas reflexões acerca do projeto do novo CPC (PL 8.046/10), mais especificamente sobre a Assistência Judiciária Gratuita. Sabe-se que o sistema atualmente vigente tem admitido a mera declaração unilateral como único requisito formal para a concessão do benefício da isenção de custas, despesas processuais e honorários sucumbenciais e periciais.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Uma possível emenda ao novo CPC no que tange à assistência judiciária gratuita

Arthur Mendes Lobo*

1. Aspectos polêmicos da Assistência Judiciária Gratuita

É necessário fazer algumas reflexões acerca do Projeto de novo Código de Processo Civil (PL 8.046/10 - clique aqui), mais especificamente sobre a Assistência Judiciária Gratuita.

Sabe-se que o sistema atualmente vigente tem admitido a mera declaração unilateral como único requisito formal para a concessão do benefício da isenção de custas, despesas processuais e honorários sucumbenciais, periciais (conforme art. 3º e 4º da lei 1.060/50 - clique aqui).

A sistemática atual, ao dispensar a comprovação do estado de pobreza da parte requerente, tem sido alvo de inúmeras críticas na doutrina e jurisprudência, pois a um só tempo: i) contraria o texto constitucional que garante o benefício aos "comprovadamente" pobres, e não aos "declaradamente" pobres; ii) frustra o direito dos advogados de recebimento dos honorários sucumbenciais, dos oficiais de justiça aos emolumentos, dos peritos aos honorários periciais e assim por diante; iii) esvazia os cofres do Judiciário e impede a ampliação de sua infraestrutura; e iv) incentiva a cultura do "demandismo", diante da inexistência de risco de pagamento de verbas sucumbenciais, ou seja, não há óbice às chamadas aventuras jurídicas.

2. O Projeto do Novo CPC

O Projeto de Lei 8.046/10, que institui o Novo Código de Processo Civil, tenta solucionar o problema estabelecendo, na Seção IV, art. 99, que:

"Art. 99. A pessoa natural ou jurídica, brasileira ou estrangeira, com insuficiência de recursos para pagar as custas e as despesas processuais e os honorários de advogado gozará dos benefícios da gratuidade da justiça, na forma da lei.

§ 1º. O juiz poderá determinar de ofício a comprovação da insuficiência de que trata o caput, se houver nos autos elementos que evidenciem a falta dos requisitos legais da gratuidade da justiça.

§2º. Das decisões relativas à gratuidade, caberá agravo de instrumento, salvo quando a decisão se der na sentença." (g.n.)

O Novo CPC, portanto, prevê uma chamada cláusula geral, conferindo ao juiz a faculdade de dispensar ou não a comprovação da condição de pobreza.

Tal raciocínio, entretanto, contraria a Constituição. Já que o art. 5º, LXXIV, dispõe que "o Estado prestará assistência jurídica integral e gratuita aos que comprovarem insuficiência de recursos" (g.n.)

A comprovação é conditio sine qua non ao benefício.

Facultar ao juiz a determinação ou não da comprovação, além de ofender o texto constitucional, favorece o casuísmo e a insegurança jurídica, atrasa o andamento do processo e, imagina-se, dará ensejo a inúmeros recursos.

Por outro lado, exigir-se que qualquer requerente comprove, já no início do processo, a condição de pobreza, além de tumultuar o andamento do feito, obstrui, em certa medida, o amplo acesso à justiça.

Basta pensar nas ações em que o autor além da assistência judiciária pede tutela de urgência. A comprovação, ab initio, poderá agravar o risco de dano irreparável ou de difícil reparação.

Em suma, a despeito de solucionar alguns problemas, o art. 99 do Projeto de Novo CPC, em algumas situações, poderá apresentar "efeitos colaterais", tais como: i) dificultar o acesso à Justiça; ii) atrasar o andamento processual; iii) gerar insegurança jurídica, pois favorecerá o casuísmo; e iv) prejudicar a celeridade e economia do processo, pois todo esforço da parte requerente para demonstrar a situação de pobreza no curso da demanda poderá se mostrar inócuo se ela sair vencedora ao final da ação.

Como, então, solucionar o problema, sem ferir as garantias fundamentais?

3. Uma proposta de possível emenda ao Novo CPC

Sem ter a pretensão de esgotar o assunto, propõe-se uma nova sistemática, que parece ser um "meio termo" entre a sistemática do CPC atual e a sistemática contida no projeto de novo CPC, preservando-se as garantias constitucionais:

Art. 99. A assistência judiciária compreende as seguintes isenções:

I - das taxas judiciárias e dos selos;

II - dos emolumentos e custas devidos às Secretarias Judiciais, aos Cartórios, órgãos do Ministério Público e serventuários da justiça;

III - das despesas com as publicações indispensáveis no jornal encarregado da divulgação dos atos oficiais;

IV - das indenizações devidas às testemunhas que, quando empregados, receberão do empregador salário integral, como se em serviço estivessem, ressalvado o direito regressivo contra o poder público Federal, no Distrito Federal e nos Territórios; ou contra o poder público estadual, nos Estados;

V - dos honorários de advogado e peritos;

VI - das despesas com a realização do exame de código genético - DNA que for requisitado pela autoridade judiciária nas ações de investigação de paternidade ou maternidade;

VII - dos depósitos previstos em lei para interposição de recurso, ajuizamento de ação e demais atos processuais inerentes ao exercício da ampla defesa e do contraditório;

Parágrafo único. A publicação de edital em jornal encarregado da divulgação de atos oficiais, na forma do inciso III, dispensa a publicação em outro jornal.

Art. 100. A Assistência Judiciária Gratuita poderá ser requerida em qualquer momento processual e em qualquer grau de jurisdição, bastando para sua concessão, em caráter provisório, que o requerente junte declaração de pobreza, assinada de próprio punho ou a rogo.

Art. 101. Após o trânsito em julgado, se a parte sucumbente estiver no gozo do benefício provisório da assistência judiciária prevista no artigo 100, ela deverá comprovar o seu estado de pobreza ao Juízo, para ratificar o benefício.

§ 1º - O estado de pobreza ou de dificuldade financeira poderá ser provado por todos os meios de prova em direito admitidos, em autos apartados, em especial pelos seguintes documentos:

I - exposição de motivos assinada pelo requerente do benefício esclarecendo, objetivamente, as razões pelas quais não tem condições de pagar as custas, despesas processuais e honorários sucumbenciais sem prejuízo de seu próprio sustento e de sua família;

II - holerites, extratos bancários, balancetes contábeis ou outros comprovantes de remuneração, vencimentos de qualquer natureza ou aposentadorias;

III - declaração de imposto de renda;

IV - comprovantes de que o requerente do benefício tem dívidas perante terceiros e que tais dívidas foram assumidas antes da formação da relação processual ou foram assumidas em estado de necessidade;

V - comprovantes de despesas ordinárias do requerente e da família, caso tenha dependentes, tais como aluguel residencial, mensalidades escolares, planos de saúde, energia elétrica, dentre outros.

§2º - Os documentos referidos no parágrafo anterior são meramente exemplificativos e podem ser exigidos separada ou cumulativamente, a depender do caso concreto.

§3º - O juiz poderá determinar a expedição de ofício a empregadores, fazendas públicas e órgãos de proteção ao crédito para confirmar a veracidade dos documentos e informações apresentadas pelo beneficiário, respondendo o mesmo civil e criminalmente por eventual falsidade.

Art. 102. Durante a comprovação do estado de pobreza, se verificar que o assistido pode pagar ainda que parcialmente os ônus sucumbenciais mencionados no art. 99, o juiz poderá, segundo a possibilidade econômico-financeira do assistido, deferir parcialmente a gratuidade ou parcelar o débito.

Parágrafo Único - O deferimento do parcelamento ou da isenção parcial observará o princípio da proporcionalidade, de modo a harmonizar a garantia do acesso à justiça, com o interesse público das custas processuais e a natureza alimentar dos honorários periciais e advocatícios.

Art. 103. Caso fique comprovado que a parte beneficiada provisoriamente na forma do artigo anterior não tem condições econômico-financeiras para promover o pagamento das custas, despesas e honorários, periciais ou advocatícios, o juiz deferirá a isenção.

Art. 104. A parte beneficiada pela isenção do pagamento das custas ficará obrigada a pagá-las, desde que possa fazê-lo, sem prejuízo do sustento próprio ou da família.

§1º - Se dentro de cinco anos, a contar da decisão que julgou a comprovação referida no artigo anterior, o assistido não puder satisfazer tal pagamento, a obrigação ficará prescrita.

Art. 105. A parte que ver indeferido, total ou parcialmente, o seu pedido de concessão do benefício da assistência judiciária gratuita e não pagar as custas e despesas processuais e honorários, periciais ou advocatícios, no prazo e condições estabelecidos pelo juiz, terá seu nome inscrito no cadastro de inadimplentes e não mais poderá fazer jus ao benefício em outro processo, a menos que prove que fato superveniente tornou impossível o pagamento da dívida.

Art. 106 - Ficam revogados os artigos 3º e 4º da lei 1.060/1950.

4. Conclusão

Como visto, a jurisprudência predominante tem dispensado a comprovação do estado de pobreza da parte requerente. O projeto do Novo Código de Processo Civil estabelece que o juiz "poderá" exigir essa comprovação. Tanto um, quanto outro sistema são alvos de muitas críticas. O primeiro, porque assola o Judiciário e a classe dos advogados. O segundo, porque pode dificultar o Acesso à Justiça, bem como pode comprometer a celeridade e economia processual já que, não raro, a parte pobre sai vencedora da demanda, tornando inócua toda a discussão sobre a sua situação econômico-financeira.

A proposta aqui apresentada, sem ter qualquer pretensão de esgotar o tema, surge como uma semente para os debates. É uma alternativa que parece estar em harmonia com as garantias fundamentais que desde a vigência da lei 1.060/50 estão em conflito e prejudicam a eficiência da Função Jurisdicional.

_______________

*Vice-Presidente da Comissão de Advogados Corporativos da OAB/PR e advogado do escritório Wambier & Arruda Alvim Wambier Advocacia e Consultoria Jurídica

_______________

Atualizado em: 12/4/2011 09:05

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Ricardo Trajano Valente

Migalheiro desde 2020

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Carolina Amorim

Migalheira desde 2020

Publicidade