segunda-feira, 30 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Guerra Fiscal - o inimigo é outro

"Devemos permanecer unidos ou certamente seremos enforcados separadamente". Foi por ocasião da assinatura da Declaração de Independência América que Benjamim Franklin proferiu a frase acima, em resposta à manifestação de John Hancock no sentido de que os revolucionários deveriam ser unânimes em suas posições. E pluribus unum, ou, "de todos, um", como sabemos, veio a tornar-se o lema americano.

quinta-feira, 7 de julho de 2011


Guerra Fiscal - o inimigo é outro

Vinicius Ochoa Piazzeta*

"Devemos permanecer unidos ou certamente seremos enforcados separadamente".

Foi por ocasião da assinatura da Declaração de Independência América que Benjamim Franklin proferiu a frase acima, em resposta à manifestação de John Hancock no sentido de que os revolucionários deveram ser unânimes em suas posições. E pluribus unum, ou, "de todos, um", como sabemos, veio a tornar-se o lema americano.

Temos acompanhado com interesse o debate sobre a legalidade, constitucionalidade, eficiência e eficácia da utilização de incentivos fiscais por parte dos Estados brasileiros, que através da concessão de desonerações fiscais/financeiras têm procurado fomentar o desempenho de atividades empresariais em seus respectivos territórios, e nos parece que a lição transmitida pela célebre frase faz sentido ainda hoje.

É preciso que nos unamos em torno de um objetivo comum para o Brasil e que em seu alcance permaneçamos unidos. Ou seremos enforcados separadamente por nossos competidores.

O que estamos colocando para reflexão é que a discussão pontual que se está travando, sobre tal ou qual incentivo concedido por determinado Estado, ignora o cenário global, a posição do nosso país e suas indústrias na competição por mercados para os produtos brasileiros.

A discussão sobre qual a melhor estratégia para o Brasil competir está ausente. Em meio a essa crise de liderança, e restando aos governadores pouco mais do que gerir programas federais, é compreensível que cada um procure soluções por si e para si.

Entredevoramento fratricida é a consequência mais clara desta dinâmica de guerra fiscal. Enquanto irmão ataca irmão permanece muito caro agregar valor em solo brasileiro.

Nossa economia tem menos e menos empresas, nosso mercado é invadido por produtos importados e sentimos a perda de competitividade de nossos produtos no exterior. No biênio 2009-2010 o número de demissões foi maior que o de admissões nas faixas de remuneração superiores a dois salários mínimos e a indústria da transformação respondeu por cerca de um terço dessa perda, segundo dados oficiais do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados - CAGED.

Como disse Carlos Goshn, CEO da Nissan, "Incentivos não são estratégia, são táticas. Medidas defensivas." Sendo a indústria automobilística um dos melhores exemplos de globalização e na medida em que o autor da frase é reconhecidamente competente administrador, sua fala parece comungar com nosso entendimento. É preciso parar de tangenciar o tema estratégico de redução do custo Brasil.

O inimigo é outro, e somente com melhor infraestrutura, custos trabalhistas e tributários compatíveis, taxas de juro e câmbio alinhadas à estratégia de desenvolvimento da indústria nacional é que poderemos ganhar a 'guerra'.

_____________

*Advogado e sócio do escritório Piazzeta e Boeira Advocacia Empresarial








_____________

Atualizado em: 6/7/2011 10:48

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Ivo Ricardo Lozekam

Migalheiro desde 2020

Ronaldo de Jesus

Migalheiro desde 2019

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Levi Rezende Lopes

Migalheiro desde 2020

Letícia Baddauy

Migalheira desde 2020

Diogo L. Machado de Melo

Migalheiro desde 2008

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Publicidade