sábado, 16 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O novo prazo do aviso prévio e o aumento de custo para os empregadores

Os autores analisam o aviso prévio sob a perspectiva das empresas que possuem uma baixa rotatividade de empregados.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Ariela Ribera Duarte

Luiz Fernando Alouche

O novo prazo do aviso prévio e o aumento de custo para os empregadores

A presidente Dilma Rousseff sancionou na última terça-feira - dia 11 de outubro de 2011 - a lei 3.941, de 1989 que dispõe sobre os novos prazos para cumprimento do aviso prévio dos empregados pelos empregadores.

O aviso prévio é exigido quando os contratos de trabalho por tempo indeterminado são rescindidos sem justa causa ou por pedidos de demissão. Em regra, era necessário que a parte que desejasse terminar o contrato de trabalho (empregado ou empregador) informasse a outra parte de maneira prévia, no prazo de 30 dias, possibilitando uma adequação do ambiente de trabalho, como também que o empregado se estruture pela perda do emprego.

A nova lei mantém o prazo atual de 30 dias de aviso prévio, entretanto, acrescenta três dias por ano trabalhado, até o máximo de 60 dias. Isso significa que aquele empregado que trabalha por mais de 20 anos em uma empresa passa a ter o direito a 90 dias de aviso prévio. Ademais, a alteração desta lei implicará diretamente nas empresas que possui uma rotatividade baixa de seus empregados, pois consequentemente, aqueles que possuem mais anos de casa terão maior tempo de aviso prévio. A nova lei custará um dispêndio maior aos empresários quando a concessão do aviso for feita de forma indenizada.

Atualmente, paga-se um salário ao empregado quando não cumprido o aviso prévio trabalhado. Com as modificações, esta indenização poderá ser de até três salários, o que vai depender da proporcionalidade dos anos trabalhados pelo empregado.

O intuito maior da lei é tentar diminuir a rotatividade nas empresas, pois a demissão ficará um pouco mais difícil. Entretanto, o tiro pode sair pela culatra, pois a nova regra pode causar maior rotatividade e até mesmo, aumentar os trabalhos informais.

Essa nova situação impactará, de maneira drástica, em todas as empresas. Por tal razão, os empresários deverão atentar à sanção da presidente, para logo se adaptarem ao novo regramento.

A mudança começou a valer a partir de quinta-feira, 13/11, com a publicação no Diário Oficial da União e será aplicada apenas para os empregadores.

__________

*Ariela Ribera Duarte e Luiz Fernando Alouche são, respectivamente, advogada e sócio do setor trabalhista do escritório Almeida Advogados

__________

Atualizado em: 14/10/2011 12:37

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Sílvio de Salvo Venosa

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019
Alessandra Okuma

Alessandra Okuma

Migalheira desde 2020
Lilia Frankenthal

Lilia Frankenthal

Migalheira desde 2020
Paulo Henrique Cremoneze

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019
Teresa Arruda Alvim

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006
Luís Roberto Barroso

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003
Gilberto Giusti

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003
Gabriela Araujo Sandroni

Gabriela Araujo Sandroni

Migalheira desde 2020
Allan de Oliveira Kuwer

Allan de Oliveira Kuwer

Migalheiro desde 2020
Marcelo Branco Gomez

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020
Luis Felipe Salomão

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Publicidade