terça-feira, 27 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

História e cultura afro-brasileira

A Lei n° 10.639, de 9/01/2003, em vigor desde 10/01/2003, alterou a Lei n° 9.394, de 20/12/1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira". Introduziu, também, no calendário escolar o dia 20 de novembro como "Dia Nacional da Consciência Negra".

quinta-feira, 21 de julho de 2005

História e cultura afro-brasileira


Stanley Martins Frasão*

A Lei n° 10.639, de 9/1/2003, em vigor desde 10/1/2003, alterou a Lei n° 9.394, de 20/12/1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira". Introduziu, também, no calendário escolar o dia 20 de novembro como "Dia Nacional da Consciência Negra".

Tornou-se obrigatório nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, oficiais e particulares, o ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira. O respectivo conteúdo programático incluirá o estudo da História da África e dos Africanos, a luta dos negros no Brasil, a cultura negra brasileira e o negro na formação da sociedade nacional, resgatando a contribuição do povo negro nas áreas social, econômica e política pertinentes à História do Brasil. Os conteúdos referentes à História e Cultura Afro-Brasileira serão ministrados no âmbito de todo o currículo escolar, em especial nas áreas de Educação Artística e de Literatura e História Brasileiras.

Perante o Conselho Nacional de Educação a Relatora Conselheira, Sra. Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva, propôs ao Conselho Pleno, que aprovou por unanimidade, em 10/3/2003: "a) instituir as Diretrizes explicitadas neste parecer e no projeto de Resolução em anexo, para serem executadas pelos estabelecimentos de ensino de diferentes níveis e modalidades, cabendo aos sistemas de ensino no âmbito de sua jurisdição orientá-los, promover a formação dos professores para o ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana, e para Educação das Relações Ético-Raciais, assim como supervisionar o cumprimento das diretrizes; b) recomendar que este Parecer seja amplamente divulgado, ficando disponível no site do Conselho Nacional de Educação, para consulta dos professores e de outros interessados."

Constitui princípio fundamental previsto na Carta Magna de 1988, art. 1o, VIII, o repúdio ao racismo. E a prática do racismo constitui crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei (art. 5°, XLII da CF).

A Lei n° 7.716, de 5/1/1989, que define os crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor, prevê em seu art. 20 (Redação dada pela Lei nº 9.459, de 15/5/97) que: "Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional" constitui crime, incidindo a pena de reclusão de um a três anos e multa. Assim, quer nos parecer que a omissão em dar cumprimento à Lei n° 10.639 constitui crime, em tese.

Espera-se da Sociedade Civil e do Poder Público a imediata tomada de providências visando sanar mais essa injustiça contra os afro-descendentes brasileiros, cabendo às Promotorias Públicas o dever de fiscalizar o cumprimento da Lei.
____________

*Advogado do escritório Homero Costa Advogados e Conselheiro Seccional da OAB/MG










______________

Atualizado em: 20/7/2005 10:05

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Publicidade