segunda-feira, 26 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O desafio dos BDRs no Brasil

Andrea Vaz Longo Pinheiro e Guilherme Sampaio Monteiro

Os advogados apontam que o obstáculo fiscal continua inviabilizando o desenvolvimento dos BDRs, certificados representativos de valores mobiliários de companhias abertas estrangeiras que permitem o investimento sem a necessidade da realização de operações de câmbio, transferência de recursos e manutenção de contas de custódia no exterior.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Guilherme S. Monteiro

Andrea Vaz Longo Pinheiro

O desafio dos BDRs no Brasil

Obstáculo fiscal ainda inviabiliza o desenvolvimento desses programas no Brasil

Há anos o mercado de capitais brasileiro busca intensificar a negociação de Brazilian Depositary Receipts (BDRs) na bolsa de valores. Os BDRs são certificados representativos de valores mobiliários de companhias abertas estrangeiras e se apresentam como uma alternativa tanto para o investidor nacional quanto para as companhias estrangeiras. Eles permitem o investimento em empresas estrangeiras sem a necessidade da realização de operações de câmbio, transferência de recursos e manutenção de contas de custódia no exterior. E são uma oportunidade para as companhias estrangeiras que enxergam o Brasil como um potencial centro de liquidez e financiamento.

Uma das características de um programa de DRs é a possibilidade de o investidor realizar uma operação de arbitragem, na qual pode obter lucro com a eventual diferença entre a cotação das ações no país de origem e no local em que o DR é negociado. O mecanismo da arbitragem é desejável ao mercado de capitais, pois se trata de uma operação corretiva de uma discrepância momentânea dos preços no mercado, conduzindo-os ao equilíbrio e conferindo maior liquidez às negociações.

Assim, caso um investidor deseje converter seus BDRs e resgatar as ações que os lastreiam, poderá solicitar o cancelamento deles e receber as ações subjacentes fora do Brasil. A essa transação dá-se o nome de flow-back. Para que operações de arbitragem continuem a ser possíveis, é necessária a realização do movimento contrário, o chamado inflow, que consiste na conversão das ações que o investidor detenha no exterior em seus respectivos BDRs.

Até a publicação da circular 3.525 do Banco Central do Brasil (Bacen), em fevereiro de 2011, era proibido ao não residente no país o depósito de ações para a emissão de um BDR, exceto no contexto de uma oferta pública de BDRs. Assim, como aos não residentes apenas o flow-back era permitido, os programas de BDRs eram fadados ao fracasso, pois uma vez convertidos os BDRs em ações estrangeiras, não poderiam ser reinseridos no mercado brasileiro.

A Circular 3.525 resolveu o problema cambial, consentindo a incorporação de BDR ao portfólio de não residente por meio de uma operação simultânea de câmbio ou de transferência internacional em reais, sem entrega efetiva dos recursos. Em outras palavras, a prática do inflow por investidores não residentes passou a ser expressamente regulada pelo Bacen.

Porém, o problema dos programas de BDRs não foi totalmente resolvido. Nos termos do decreto 6.306/07, da Presidência da República, é devido o imposto sobre operações financeiras (IOF/Câmbio) na operação simultânea de câmbio requerida para a montagem do BDR pelo investidor não residente. A incidência do IOF/Câmbio nessa operação pode chegar a 6,38% (6% na via de entrada da operação simultânea de câmbio, na medida em que tal operação é considerada como realizada fora da bolsa e os BDRs não são equiparados a uma ação, e 0,38% na via de saída, representado a aquisição das ações estrangeiras), tributação essa muito mais gravosa quando comparada à aplicável ao investimento estrangeiro em ações de companhias abertas no Brasil, atualmente com alíquota de 0%.

Apesar de solucionado o problema cambial, o obstáculo fiscal continua inviabilizando a realização do inflow e, consequentemente, o desenvolvimento dos programas de BDRs. A solução, imaginamos, seria ao menos a equiparação dos BDRs a ações, para que, na operação de câmbio necessária ao inflow, a alíquota do IOF também seja de 0%, a mesma que os investidores não residentes já estão acostumados a pagar em operações em bolsa.

__________

Guilherme S. Monteiro e Andrea Vaz Longo Pinheiro são advogados da área Empresarial do escritório Pinheiro Neto Advogados

* Este artigo foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico.

© 2012. Direitos Autorais reservados a PINHEIRO NETO ADVOGADOS

__________

Atualizado em: 2/2/2012 08:38

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

Fernando Hugo R. Miranda

Migalheiro desde 2016

Carolina Diniz Panzolini

Migalheira desde 2020

Maurício Zockun

Migalheiro desde 2020

Eduardo Behar

Migalheiro desde 2013

Liliam F. Yoshikawa

Migalheira desde 2010

Renata Calixto Andrade

Migalheira desde 2019

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Enricco Pasquali

Migalheiro desde 2020

Cristiano Colombo

Migalheiro desde 2020

André Pagani de Souza

Migalheiro desde 2019

Publicidade