sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Direito Tributário- Contribuições sociais sobre verbas indenizatórias. Ilegitimidade

Clarissa Viana

As contribuições sociais a cargo do empregador devem incidir somente sobre verbas pagas a título de remuneração proveniente da relação de trabalho, e não sobre verbas de nítido caráter indenizatório, como auxílio doença e acidentário, horas-extras, auxílio alimentação, seguro de vida, entre outros.

segunda-feira, 5 de março de 2012

Clarissa Viana

Direito Tributário - Contribuições sociais sobre verbas indenizatórias. Ilegitimidade

Os contribuintes devem ficar atentos com o atual posicionamento da Procuradoria da Fazenda Nacional, bem como com a reiterada jurisprudência dos Tribunais Superiores, reconhecendo a não incidência da contribuição previdenciária sobre diversas verbas pagas pelos empregadores aos seus empregados e trabalhadores avulsos, tendo em vista ao caráter indenizatório que as reveste, parcelas estas tidas, por tempos, pelo INSS, atualmente Receita Federal do Brasil, como salariais.

As contribuições sociais a cargo do empregador, de acordo o texto constitucional e com a lei 8.212/91, devem incidir somente sobre verbas pagas pelo empregador a título de remuneração proveniente da relação de trabalho.

Ocorre que há muito os contribuintes vêm sendo compelidos a procederem ao recolhimento das contribuições sociais sobre verbas pagas a título de (i) auxílio doença e acidentário referente aos primeiros 15 (quinze) dias de afastamento; (ii) aviso-prévio indenizado, (iii) terço constitucional de férias e férias indenizadas, (iv) horas-extras, (v) auxílio-alimentação e (vi) seguro de vida, verbas essas que possuem nítido caráter indenizatório.

No entanto, virando o jogo, atualmente o Judiciário tem proferido decisões favoráveis aos contribuintes, reconhecendo o caráter indenizatório das verbas assinaladas.

Consentindo parcialmente com a reiterada jurisprudência, houve pronunciamento, no final de 2011, da Procuradoria da Fazenda Nacional, acatando a não incidência da contribuição previdenciária sobre o pagamento in natura do auxílio-alimentação (PARECER PGFN/CRJ/Nº 2117/2011, DOU de 24/11/2011, ATO DECLATÓRIO Nº 03/2011) e sobre o seguro de vida em grupo contratado pelo empregador em favor do grupo de empregados, sem que haja a individualização do montante que beneficia a cada um deles (PARECER PGFN/CRJ/Nº 2119/2011, DOU de 09/12/2011, ATO DECLARATÓRIO Nº 12/2011).

Foi determinado nos referidos Atos Declaratórios que nenhuma manifestação/recurso será apresentada em processos sobre tais verbas, nem será constituído crédito tributário novo.

No entanto, não houve qualquer menção da União acerca da compensação/restituição dos valores porventura pagos a tal título pelos contribuintes, pelo que recomendável a busca do Judiciário para reaver o montante.

No que tange ao (i) auxílio doença e acidentário referente aos primeiros 15 dias de afastamento; (ii) aviso-prévio indenizado, (iii) terço constitucional de férias e férias indenizadas e (iv) horas-extras, como realçado acima, a jurisprudência atual dos Tribunais Superiores também é favorável aos contribuintes.

No entanto, considerando a omissão acima relatada, dos Atos Declaratórios publicados pela Procuradoria, que nada mencionam acerca da repetição dos valores indevidamente recolhidos por anos pelos Contribuintes, e tendo em vista que o valor envolvido referente a todas estas verbas ilegitimamente tributadas é bastante impactante para os cofres públicos, é patente o receio de que seja conferido pelo Supremo Tribunal Federal efeito modulatório à matéria posta, de forma a reconhecer a ilegitimidade da cobrança, mas conferir o direito à restituição apenas àqueles contribuintes que já tiverem ingressado com medida judicial quando da prolação da decisão.

Tendo como fontes o Supremo Tribunal Federal e a Advocacia-Geral da União, têm sido divulgados os impactos que eventuais julgamentos do Supremo podem causar aos cofres federais, em relação a matérias tributárias, números que realçam a preocupação da União. Exemplificativamente, vale citar a ações que pretendem afastar a cobrança de ICMS da base de cálculo da COFINS, sendo apontado um possível desembolso de R$ 76 bilhões , caso o governo tenha que restituir os contribuintes pelos últimos 5 anos de recolhimento indevido.

Por óbvio, a União está pressionando os Tribunais Superiores, pelo que não é recomendável uma estratégia passiva.

Portanto, é extremamente importante que os contribuintes acompanhem a questão, de forma a resguardar seus interesses.

__________

* Clarissa Viana é gerente do departamento de Direito Tributário do escritório Décio Freire e Associados

Decio Freire e Associados

__________

Atualizado em: 2/3/2012 08:44

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Pablo Domingues

Migalheiro desde 2017

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Fernando Salzer e Silva

Migalheiro desde 2016

Daniele Sampaio

Migalheira desde 2020

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Pedro Dalese

Migalheiro desde 2020

Celso Wanzo

Migalheiro desde 2019

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002

Publicidade