terça-feira, 24 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Rabulândia

Ronnie Duarte

Autor alerta para os problemas da educação superior, com foco na memorização das leis e no preparo para concursos públicos.

terça-feira, 22 de maio de 2012

Uma das regras de ouro do marketing empresarial é: agrade o seu cliente. O cliente feliz é um agente multiplicador de negócios. O cliente satisfeito retorna. É sempre uma receita infalível para a criação de um ciclo virtuoso que culmina com o sucesso de qualquer empreendedor.

O problema é que, na educação superior, o cliente é o aluno. E a alegria do aluno, por sua vez, é ser aprovado. Nos cursos jurídicos, o aluno chega buscando vencer uma etapa que se interpõe entre ele e a sonhada vaga ofertada nos concursos públicos. Frequentemente não se quer a formação jurídica, mas sim o título de bacharel.

Para agradar à freguesia, sempre ansiosa, as faculdades vão se transformando em grandes entrepostos de treinamento para concursos públicos. Vão horizontalizando o conteúdo, vão remodelando o formato das avaliações, vão afrouxando o rigor dos exames e aprovando uma legião de clientes que pensam poder sempre postergar a apreensão do conteúdo, deixando-a para depois da formatura. Instala-se a ditadura do alunado, clientela que sempre teima em apupar os mestres na convivência do ensino superior.

A reboque de tal estado de coisas, vem a proletarização dos docentes, aviltados pela remuneração cuja média é de pouco mais de duas dezenas de reais por cada hora em sala de aula. É inequívoco que a superficialidade no trato das matérias dispensa uma maior qualificação do professor. Agora, basta atender aos requisitos objetivos de titulação impostos pelos órgãos educacionais. A mediocridade em ambos os pólos da relação educacional passa a ser tolerada. Professores incompetentes e discentes inaptos se ajuntam numa convivência academicamente estéril.

Tal modelo de gestão da educação superior vem paulatinamente relegando a um segundo plano o conhecimento, a capacidade de pensar o direito enquanto ciência, imprescindível em qualquer carreira jurídica séria. Hoje, prestigia-se a memorização de artigos de leis, das posições dominantes dos tribunais superiores e das elaboradas técnicas de marcação de "xis". A qualidade dos profissionais formados, mesmos os melhores clientes (digo, alunos), é nivelada por baixo.

Um problema crítico do ensino superior privado é a aprovação sem critérios, onde campeia a mais completa frouxidão nas avaliações, estratégia de conveniência lançada pelas instituições pouco acreditadas para evitar a insatisfação do corpo discente, com a consequente evasão que sempre reflete negativamente no balanço empresarial.

É passada a hora de atentar para o problema. Urge o reforço da fiscalização dos conteúdos ministrados e da respectiva apreensão pelo alunado. O que se ensina e o quanto é realmente apreendido deve ser rigorosamente verificado pelos órgãos responsáveis.

Só a pressão financeira ensejada pela imputação de responsabilidade civil às faculdades pelos índices pífios de aprovação no exame de ordem, denunciador de uma insuficiência acadêmica, permitirá a reversão do nefasto cenário.

Do contrário, seguiremos a apressada marcha em direção a um destino inexorável: sermos uma nação de rábulas.

________

* Ronnie Duarte é advogado e diretor-geral da Escola de Advocacia da OAB/PE.

Atualizado em: 21/5/2012 12:28

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Luis Felipe Salomão

Migalheiro desde 2014

Diego Mancini Aurani

Migalheiro desde 2020

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Quésia Falcão de Dutra

Migalheira desde 2019

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019

Carolina Amorim

Migalheira desde 2020

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Publicidade