sábado, 28 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Plínio Barreto: primeiro presidente da OAB/SP e revolucionário de 32

Seus ideais ajudaram a forjar os pilares que sustentam o Estado Democrático de Direito no país.

terça-feira, 10 de julho de 2012

Este ano celebramos os 80 anos da Ordem dos Advogados do Brasil - Secção de São Paulo e do Movimento Constitucionalista de 1932. Naquele ano, o levante em defesa do Estado de Direito e contra o autoritarismo ganhou duas importantes frentes de luta: a Advocacia e a Imprensa. Transitando entre estes dois mundos estava o advogado e jornalista Plínio Barreto (1882-1958), também alvo de comemorações pelos 130 anos de nascimento.

No dia 22 de janeiro de 1932, às 14 horas, era constituída a OAB SP, em reunião realizada em sala cedida pelo então Instituto da Ordem dos Advogados de São Paulo. Estavam presentes Plínio Barreto, que presidiu a sessão, Henrique Bayma, que secretariou os trabalhos e, ainda, Francisco Morato, Vicente Ráo, Ernesto Leme, Christóvam Prates da Fonseca, José Joaquim Cardoso de Melo Neto e José Bennaton Prado.

Plínio Barreto foi aclamado primeiro presidente provisório da OAB/SP pelos participantes e tomou posse imediata do cargo. As atribuições da nova entidade eram "organizar os quadros dos advogados da Capital, nos termos dos artigos 102 e 103, do Regulamento da Ordem dos Advogados Brasileiros - que tratavam da implantação da Ordem no Distrito Federal e nos Estados e Territórios".

Coube a Plínio coordenar a preparar a posse da primeira diretoria regular da OAB/SP e liderar a entidade na participação do anteprojeto de programa de governo a ser adotado na eventual queda do governo Vargas, uma vez que estava em curso o Movimento Constitucionalista. O envolvimento da Ordem foi tão intenso que ata histórica de 25 de outubro de 1932 da OAB/SP registra que não havia quórum para a reunião do Conselho porque muitos diretores estavam presos por conta da participação na Revolução Constitucionalista. Desde suas origens, portanto, a OAB/SP traz arraigada em sua história a luta contra o obscurantismo e o despotismo.

A batalha de Plinio Barreto pelo Estado de Direito também acontecia no jornalismo. Ele ingressou aos 14 anos no jornal "O Estado de S. Paulo", então comandado por Júlio Mesquita. A inteligência de Plínio logo chamou a atenção do grande Euclydes da Cunha que o transferiu para a redação do jornal. Com a morte de Júlio Mesquita (1927), assumem o jornal Júlio de Mesquita Filho e Francisco Mesquita e Plínio Barreto passa a dar suporte à nova cúpula do jornal. A partir de 1933, após o Movimento Constitucionalista, torna-se diretor de "O Estado de São Paulo".

A despeito de sua intensa atividade como jornalista, nunca abandonou a advocacia e sempre prestou relevantes serviços à classe. Cursou a Faculdade de Direito de São Paulo, graduando-se em 1902. Depois de formado, foi para o interior e advogou em Araras de 1899 a 1902, por sugestão de Júlio Mesquita. Quando retorna a São Paulo, estabelece sua banca, onde continua a militar na profissão. Tinha sólidos conhecimentos jurídicos e deixou livros e pareceres na área do Direito Processual Penal.

Plínio Barreto também colaborou para a elaboração do Código de Ética Profissional dos Advogados, demonstrando sua preocupação com a disciplina da classe, e a ideia de criar a Caixa de Assistência dos Advogados, origem da CAASP, que já registra 76 anos de fundação em São Paulo e está presente em todos os Estados da federação para prestar auxilio pecuniário e outros serviços aos advogados.

O diálogo entre a Advocacia e o Jornalismo durante o levante de 1932 ficava geograficamente fácil para Plínio Barreto. A primeira sede da OAB/SP estava na Rua São Bento e a sede do jornal "O Estado de S. Paulo" era na Rua Boa Vista, ambas no centro velho. A imprensa e os estudantes de Direito ajudavam a mobilizar a população entusiasmada na luta contra a ditadura e por uma nova Constituinte. Mantinham aceso o mesmo idealismo e o destemor expresso no poema referência de Guilherme de Almeida: "Quando se sente bater no peito heroico a pancada, deixa-se a folha dobrada, enquanto se vai morrer!".

Às vésperas do Movimento Constitucionalista, em 1931, Barreto já demonstrava, mais uma vez, que os interesses do povo vinham em primeiro lugar, quando recusou a indicação de Vargas para ser interventor em São Paulo, com a renúncia do tenente João Alberto Lins de Barros, devido à insatisfação paulista em ter como interventor um pernambucano, sem vínculo com o Estado, representante do grupo mais radical que apoiou Vargas, que incomodou até o governo federal, por flertar com a classe operária e os comunistas.

A situação era tensa. O Partido Democrático, outro apoio de Getúlio, não ganhou o esperado comando do Estado. E Barreto se preocupava com a possibilidade de sua nomeação levar à luta armada, pois, apesar de considerado de fácil aceitação popular, era recusado pelo Partido Republicano Paulista, no poder até 1930, e pelos tenentistas da Legião Revolucionária, que apoiavam João Alberto.

Vargas sabia do risco, mas não retirou a nomeação e deixou o imbróglio nas mãos de Plinio Barreto, que sempre se disse a favor da Constituinte e da liberdade de imprensa. Com a instalação do Estado Novo, em 1937, e a intervenção arbitrária no jornal "O Estado de S. Paulo", Barreto fugiu para o Rio de Janeiro, e só voltou em 1945, quando o jornal retornou à família Mesquita, permanecendo no cargo de diretor, até sua morte, em 1958.

Dono de vasta cultura jurídica e humanística, Plinio Barreto deixou um grande legado à cidadania nestes 80 anos de comemoração da criação da OAB/SP e do Movimento Constitucionalista de 1932 e dos seus 130 anos de seu nascimento. Tanto a Ordem; quanto os ideais que nortearam a luta do povo paulista em 1932 e a imprensa livre ajudaram a forjar os pilares que continuam sustentando o Estado Democrático de Direito em nosso País.

__________

* Marcos da Costa é presidente em exercício da OAB/SP

 

 

_________

Atualizado em: 9/7/2012 14:51

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Diego Mancini Aurani

Migalheiro desde 2020

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Leonardo Quintiliano

Migalheiro desde 2019

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020

Láiza Ribeiro

Migalheira desde 2020

Fernando Salzer e Silva

Migalheiro desde 2016

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Quésia Falcão de Dutra

Migalheira desde 2019

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Publicidade