quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

As recentes alterações na lei das parcerias público-privadas

Rodrigo da Fonseca Chauvet

As inovações conferem maior estímulo à utilização do instituto por entes federativos.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Por meio da edição da medida provisória 575, de 7 de agosto de 2012, foi alterada a lei 11.079/2004, que institui normas gerais para licitação e contratação de parceria público-privada (PPP) no âmbito da Administração Pública. A referida Medida Provisória traz novas disposições sobre o tema1, realçando-se (i) a instituição do mecanismo da remuneração variável, (ii) inovações em relação ao Fundo Garantidor de Parcerias Público-Privadas (FGP), e (iii) a autorização para que os Estados comprometam um percentual maior de suas receitas líquidas com o pagamento de contraprestações em PPPs .

Com relação à primeira novidade, o contrato celebrado com a Administração Pública "poderá prever o pagamento ao parceiro privado de remuneração variável vinculada ao seu desempenho, conforme metas e padrões de qualidade e disponibilidade definidos no contrato"2. De uma forma geral, o que se pretende com o mecanismo da remuneração variável é que a contraprestação a ser paga ao particular esteja subordinada a determinado resultado. Assim, tal remuneração será aferida de forma proporcional ao alcance de objetivos previamente estipulados. O contratado fará jus ao recebimento de uma remuneração maior, na medida em que atingir certas metas e padrões de qualidade previamente estabelecidos no edital da licitação e/ou no contrato3.

É possível afirmar que a remuneração variável está diretamente relacionada à aplicação prática do Princípio da Eficiência, consagrado no art. 37 do texto constitucional e de observância obrigatória pela Administração Pública4. Objetiva-se, com base em tal princípio, a melhor realização possível da gestão dos interesses públicos e aplicação dos recursos públicos, em uma incessante busca da satisfação dos administrados. Ora, nada como criar antecipadamente metas que, se alcançadas pelo particular, tornarão mais eficiente e célere a prestação dos serviços ou a execução de obras previstas em determinada parceria público-privada.

Tratando do Fundo Garantidor de Parcerias Público-Privadas (FGP), sua criação foi autorizada pelos arts.16 a 20 da lei das PPPs. Caracteriza-se como um ente dotado de personalidade jurídica própria, com a finalidade de "prestar garantia de pagamento de obrigações pecuniárias assumidas pelos parceiros públicos federais (...)"5 decorrentes dos contratos firmados mediante o regime de concessões administrativas ou patrocinadas previstos na lei 11.079/2004. A medida provisória 575/2012 previu a possibilidade de tal fundo "prestar garantia mediante contratação de instrumentos disponíveis no mercado, inclusive para complementação"6 de eventuais outras garantias já prestadas pelo ente contratante.

Quanto ao tema, a Lei das PPPs, antes das recentes alterações, elencava como modalidades de garantia: (i) a fiança, (ii) o penhor de bens móveis ou de direitos integrantes do patrimônio do FGP, (iii) a hipoteca de bens imóveis pertencentes ao fundo, (iv) alienação fiduciária, (v) outros contratos com efeito de garantia e (vi) garantias vinculadas a um patrimônio de afetação gerado a partir da separação de bens e direitos pertencentes ao FGP7. Com as recentes alterações, o rol das garantias deixa de ser taxativo, passando-se a admitir as demais formas disponíveis no mercado.

Certamente a possibilidade de prestação de novas garantias pelo Poder Público gera maior atratividade e segurança ao negócio. Tal fato poderá refletir na obtenção de um maior número de parceiros privados interessados na participação das futuras PPPs, aumentando a competitividade dos processos licitatórios a serem realizados.

Ainda tratando do FGP, a nova legislação possibilita ao parceiro privado acionar tal fundo nos casos de: "(i) crédito líquido e certo, constante de título exigível aceito e não pago pelo parceiro público após quinze dias contados da data de vencimento; e (ii) débitos constantes de faturas emitidas e não aceitas pelo parceiro público após quarenta e cinco dias contados da data de vencimento, desde que não tenha havido rejeição expressa por ato motivado"8. Nessas hipóteses, o fundo é obrigado a honrar faturas aceitas e não pagas pela Administração Pública, configurando-se como um reforço na segurança concedida ao parceiro particular no que tange ao recebimento dos valores a que faça jus.

Outra mudança que foi concretizada com a edição da MP consiste na possibilidade de que os Estados, o Distrito Federal e os Municípios comprometam até 5% (cinco por cento) de suas receitas líquidas com o pagamento de contraprestações em PPP's. Pela redação anterior, tal limite era de apenas 3% (três por cento)9. O novo percentual funciona como uma ferramenta de estímulo à adoção do instituto, que vem ganhando forças sobretudo com a realização de grandes obras de infraestrutura.

Em síntese, é possível constatar que a medida provisória 575/2012 atualizou o instituto das Parcerias Público-Privadas, buscando atribuir maior eficiência em relação ao cumprimento do contrato pelo particular, a exemplo da instituição do mecanismo da remuneração variável.

Ademais, as novas disposições normativas apresentam um leque maior de garantias a serem oferecidas pelo ente público ao parceiro privado, gerando maior atratividade ao negócio, e trazem maior segurança ao contratado diante das novas hipóteses de acionamento do Fundo Garantidor de Parcerias Público-Privadas, em caso de inadimplemento pelo parceiro público.

Por fim, conferiu-se maior estímulo à utilização do instituto pelos entes federativos. Isso porque, passou-se a admitir um endividamento maior de Estados, Distrito Federal e Municípios quando da realização de uma parceria público-privada com base na lei 11.079/2004.

___________

1 Além das alterações que serão tratadas do presente estudo, registra-se que a nova MP estabeleceu ainda, em seu art. 1º, a possibilidade de previsão, no contrato a ser firmado no âmbito da PPP, de "aporte de recursos em favor do parceiro privado, autorizado por lei específica, para a construção ou aquisição de bens reversíveis, nos termos dos incisos X e XI do caput do art. 18 da Lei nº 8.987, de 13 de fevereiro de 1995." Estabeleceu-se a possibilidade de exclusão do valor do aporte de recursos acima mencionado: "I - do lucro líquido para fins de apuração do lucro real e da base de cálculo da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido - CSLL; e II - da base de cálculo da Contribuição para o PIS/PASEP e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social - COFINS."

2 Art. 1º da Medida Provisória nº 575/2012.

3 O mecanismo não é novidade para a Administração Pública e foi também previsto quando da instituição do Regime Diferenciado de Contratações Públicas (Lei nº 12.462/2011, art. 10). Ilustrativamente, também costuma ser utilizado quando da contratação de serviços advocatícios pela Administração Pública. A legalidade de tal forma de contratação foi reconhecida pelo Tribunal de Contas da União, conforme decisão proferida por meio do Acórdão 589/2004, de 19 de maio de 2004. Disponível em https://portal2.tcu.gov.br/portal/pls/portal/docs/2045302.PDF, com acesso em 10.08.2012.

4 Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência (...)."

5 Art. 16 de Lei nº 11.079/2004. Nos artigos 16 a 20 constam as principais características do FGP, tais como ter natureza privada, a despeito de possuir capital inteiramente público a ser integralizado pelos quotistas (União, suas autarquias e fundações públicas e suas empresas estatais dependentes autorizadas a participar), no limite global de R$6.000.000.000,00 (seis bilhões de reais).

6 Art. 1º da Medida Provisória nº 575/2012.

7 Art. 18 da Lei nº 11.079/2004, §1º.

8 Nova redação do art. 18, §5º, da Lei nº 11.079/2004.

9 Art. 28. "A União não poderá conceder garantia ou realizar transferência voluntária aos Estados, Distrito Federal e Municípios se a soma das despesas de caráter continuado derivadas do conjunto das parcerias já contratadas por esses entes tiver excedido, no ano anterior, a cinco por cento da receita corrente líquida do exercício ou se as despesas anuais dos contratos vigentes nos dez anos subsequentes excederem a cinco por cento da receita corrente líquida projetada para os respectivos exercícios."

___________

* Rodrigo da Fonseca Chauvet é advogado do escritório Trigueiro Fontes Advogados

** O presente trabalho não representa necessariamente a opinião do Escritório, servindo apenas de base para debate entre os estudiosos da matéria. Todos os direitos reservados.

Trigueiro Fontes Advogados

____________

Atualizado em: 4/9/2012 14:36

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Luís Roberto Barroso

Luís Roberto Barroso

Informativo Migalheiro desde 2003
Guilherme Alberge Reis

Guilherme Alberge Reis

Informativo Migalheiro desde 2020
Júlio César Bueno

Júlio César Bueno

Informativo Migalheiro desde 2004
Justiliana Sousa

Justiliana Sousa

Informativo Migalheira desde 2020
Bruno Emanuel S Learte

Bruno Emanuel S Learte

Informativo Migalheiro desde 2021
Teresa Arruda Alvim

Teresa Arruda Alvim

Informativo Migalheira desde 2006
Fernando Salzer e Silva

Fernando Salzer e Silva

Informativo Migalheiro desde 2016
Selma Ferreira Lemes

Selma Ferreira Lemes

Informativo Migalheira desde 2005
Agnaldo Bastos

Agnaldo Bastos

Informativo Migalheiro desde 2018
Ivo Ricardo Lozekam

Ivo Ricardo Lozekam

Informativo Migalheiro desde 2020

Publicidade