segunda-feira, 30 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Alterações na apuração das contribuições previdenciárias

Embora as normas que tratam da desoneração da folha de pagamento tenham entrado em vigor neste ano, o processo foi deflagrado há aproximadamente 10 anos.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

A Constituição Federal no artigo 195 estabelece que a seguridade social será financiada, dentre outras hipóteses, pelas contribuições sociais do empregador incidente sobre a folha de salários e demais rendimentos do trabalho pagos ou creditados, a qualquer título, à pessoa física que lhe preste serviço, mesmo sem vínculo empregatício e, da empresa ou entidade a ela equiparada incidente sobre a receita ou o faturamento e o lucro. Com base na autorização constitucional foram criadas: a contribuição previdenciária incidente sobre a folha de salário ou remuneração; a Cofins incidente sobre a receita e o faturamento e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido - CSLL - incidente sobre o lucro.

Ocorre que em 2003 sobreveio uma alteração na Constituição Federal, que permitiu a substituição gradual, total ou parcial, da contribuição do empregador incidente sobre a folha de salário, por contribuição incidente sobre a receita ou o faturamento (§ 13 do art. 195 da CF/88, incluído pela EC 42/2003). Como se vê, muito embora as normas que tratam da desoneração da folha de pagamento tenham entrado em vigor neste ano de 2012, o processo foi deflagrado há aproximadamente 10 (dez) anos.

Realmente, somente agora foi implementada a substituição da contribuição previdenciária incidente sobre o salário e a remuneração, para incidência sobre a base de cálculo consubstanciada na receita bruta das empresas, excluídas as vendas canceladas, os descontos incondicionais concedidos e a receita das exportações.

Segundo as autoridades governamentais, as alterações na forma de apuração da contribuição previdenciária acarretarão redução da carga tributária. Muito embora a receita de uma sociedade seja superior do que o montante correspondente à folha de salário, no caso, as alíquotas aplicáveis sobre a receita (1% e 2%) são mais baixas do que aquelas aplicáveis à folha de pagamento (geralmente 20%). De acordo com as autoridades, isto leva à diminuição na tributação.

As modificações têm por objetivo aumentar a competitividade do setor industrial brasileiro, pela diminuição dos custos dos empregados e administradores. Além disso, têm por finalidade estimular a exportações; reduzir a informalização do mercado de trabalho pela transferência da carga tributária da folha de salários para a receita.

Contudo, o processo foi iniciado gradualmente. Tanto é assim, que a mudança não é aplicável a todas as empresas, mas especialmente para aquelas que estão previstas nas normas legais, a saber:

- Setor moveleiro; empresas aéreas; empresas de ônibus; autopeças, setor têxtil e de confecções; plástico; couro e calçados; material elétrico; aparelhos e instrumentos mecânicos, que recolherão a contribuição à alíquota de 1%.

- Call centers e design houses; setor hoteleiro e empresas de TI e TIC I, que prestam os serviços de: análise e desenvolvimento de sistemas; programação; processamento de dados e congêneres; elaboração de programas de computadores, inclusive de jogos eletrônicos; licenciamento ou cessão de direito de uso de programas de computação; assessoria e consultoria em informática; suporte técnico em informática, inclusive instalação, configuração e manutenção de programas de computação e bancos de dados; e planejamento, confecção, manutenção e atualização de páginas eletrônicas, que recolherão a contribuição à alíquota de 2%.

Um aspecto importantíssimo refere-se à forma de pagamento das contribuições para aquelas empresas que têm apenas uma parte de suas atividades englobadas pelas novas alterações. Nesses casos, a empresa deverá calcular proporcionalmente sua receita de acordo com os serviços e produtos abrangidos pelas novas mudanças e recolher a contribuição previdenciária sobre a receita e sobre a folha de forma equivalente.

Conforme Ato Declaratório Executivo nº 86 de 01/12/2011, as empresas que estão enquadradas na mudança passaram a recolher a contribuição por meio de DARF (Documento de Arrecadação de Receitas Federais), ao invés de GPS (Guia da Previdência Social), sob os seguintes códigos:

I - 2985 - Contribuição Previdenciária Sobre Receita Bruta - Empresas Prestadoras de Serviços de Tecnologia da Informação - TI e Tecnologia da Informação e Comunicação - TIC; e

II - 2991 - Contribuição Previdenciária Sobre Receita Bruta - Demais empresas.

Não serão atingidos pelas novas alterações, o cálculo e recolhimento das demais contribuições incidentes sobre a folha de salários e remunerações, tais como o Salário-educação, Incra, SENAC/SESC, SESI, Sebrae, GILRAT. Também não ocorrerá qualquer influência na apuração e recolhimento do FGTS.

Finalmente, importantíssimo lembrar que, nos termos das novas normas, a alíquota da COFINS/Importação fica acrescida em 1%, nas operações de importação dos itens atingidos pelas alterações (autopeças, setor têxtil e de confecções; plástico, borracha, couro e calçados, material elétrico, aparelhos e instrumentos mecânicos, etc.). Segundo explicações do governo, este aumento na alíquota da COFINS/Importação se justifica, para conferir tratamento tributário isonômico entre os produtos nacionais e os importados.

___________

*Amal Nasrallah é advogada militante na área de Direito Tributário no consultivo e contencioso judicial e administrativo no escritório Pacífico, Advogados Associados. É membro do IBDT - Instituto Brasileiro de Direito Tributário e do IBEF - Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças

A J Pacifico Advogados Associados

Atualizado em: 25/9/2012 10:05

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020

Guilherme Alberge Reis

Migalheiro desde 2020

Italo Bondezan Bordoni

Migalheiro desde 2019

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017

Pablo Domingues

Migalheiro desde 2017

Jocineia Zanardini

Migalheira desde 2020

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Publicidade