quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Alianças argentárias

Durante o julgamento de Dirceu, Genuíno e Delúbio, por corrupção ativa, o ministro Britto afirmou ser "catastrófico e profanador" o estilo de fazer política, por meio de "alianças argentárias". Entenda a motivação poética do uso.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Durante o julgamento de José Dirceu, José Genuíno e Delúbio Soares, por corrupção ativa, o Ministro Carlos Ayres Britto afirmou, em seu voto, ser "catastrófico e profanador" o estilo de fazer política, por meio de "alianças argentárias".

Um amigo, avesso à temática jurídica, queixou-se comigo: "Com tanto juridiquês fica difícil!".

De fato, a expressão é pouco usual, mas não me parece juridiquês. Afinal, argentário significa algo que tem como base o argento, ou seja, a prata. E a prata, no caso, simboliza o dinheiro. Assim, "alianças argentárias" não seriam mais que acordos políticos feitos em troca de dinheiro. Acordos, portanto, que não eram acordos, pois o parlamentar que age por dinheiro vende a si mesmo, vende o mandato recebido, vende a confiança recebida de seus eleitores.

Durante o julgamento desses atos, o que se viu foi o Britto poeta fornecendo as ferramentas da linguagem simbólica da poesia, para que o Ministro Britto pudesse expressar, mais que um entendimento jurídico, o seu sentimento de indignação. Porque, no mundo poético-literário, admira-se o herói, que age por altruísmo; aceita-se o aventureiro, que se arrisca em busca do ouro e da glória; mas, repudia-se o traidor, que entrega os seus companheiros em troca da prata.

Nessa linha simbólico-poética, até a escolha do metal que representa o dinheiro tem uma razão de ser. Porque, sendo o ouro o mais nobre dos metais, não serve para simbolizar o dinheiro ganho por meios espúrios. Daí se dizer que o traidor agiu pela prata. Ou, pior, que entregou o seu melhor amigo em troca de alguns cobres.

Ao falar de "alianças argentárias", não creio que o Ministro Britto tenha agido movido pelo vício do juridiquês, e sim estimulado pelo Britto poeta. Como escrevi certa vez: "A poesia é presente/ No olhar do acusado,/ Seja quando ele é culpado/ Seja quando é inocente./ Na testemunha que mente/ E na que fala a verdade./ Na imparcialidade/ Que todo juiz queria./ Veja quanta poesia/ Em nossa realidade!

____________

* Marcos Mairton é escritor, compositor e juiz Federal em Quixadá/CE.






____________

Atualizado em: 23/10/2012 14:26

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Edvaldo Barreto Jr.

Migalheiro desde 2020

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Lilia Frankenthal

Migalheira desde 2020

Daniele Sampaio

Migalheira desde 2020

Quésia Falcão de Dutra

Migalheira desde 2019

Italo Bondezan Bordoni

Migalheiro desde 2019

Fernando Salzer e Silva

Migalheiro desde 2016

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

João Ibaixe Jr

Migalheiro desde 2019

Publicidade