sábado, 24 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O racismo está no Supremo Tribunal Federal

Cientificamente, estudos recentes comprovam a não diferenciação dos seres humanos em raças. Porém, mesmo que as diferenças não existam biologicamente, são elas uma categoria de exclusão e dominação, criando vítimas na realidade.

sexta-feira, 30 de maio de 2003

 

O racismo está no Supremo Tribunal Federal

Flávia Naves Santos Pena*

Questão de extrema relevância passa sob o jugo do Supremo Tribunal Federal, suscitada quando do julgamento do pedido de Habeas Corpus (HC 82424) de Siegfried Ellwanger, que foi condenado pelo TJ/RS, por ter editado e distribuído obras de conteúdo anti-semita de sua autoria e de terceiros, representativas de discriminação racial contra judeus.

Após ter sido suspenso pela segunda vez o julgamento do Habeas Corpus, está em discussão na Corte Suprema a interpretação de um crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão (CF, art. 5º, inc. XLII). Mais precisamente, discute-se o que vem a ser racismo, elemento principal do tipo penal.

A edificação, pelo legislador pátrio de 1988, da abolição de toda e qualquer forma de preconceito ou discriminação, à objetivo fundamental da República Federativa do Brasil e do repúdio ao racismo, à princípio regedor de suas relações internacionais, insculpidos nos artigos 3º, inciso IV e 4º, inciso VIII, da Constituição Cidadã, deve-se pelo longo período de dominação de um povo sobre outro, seja ela de brancos sobre negros ou de alemães sobre judeus ou de ricos sobre pobres.

Cientificamente, estudos recentes comprovam a não diferenciação dos seres humanos em raças. Porém, mesmo que as diferenças não existam biologicamente, são elas uma categoria de exclusão e dominação, criando vítimas na realidade.

A discriminação é real, mesmo que a distinção de raças não o seja. Também real tem sido a reiterada escolha a critério político dos representantes da Corte Constitucional do País, ao alvedrio de interesses não menos políticos.

O ponto fulcral se encontra na admissibilidade ou não de interpretação do que venha a ser racismo pelo STF para aplicação à sentença condenatória de réu preso.

Ao Órgão guardião da Constituição cabe sopesar, dentre os princípios básicos que a insculpem, garantidores dos direitos humanos fundamentais, a interpretação mais escorreita, sem que para isso inobserve direitos igualmente consagrados como o direito à liberdade e o princípio da anterioridade da lei penal (CF, art. 5º, inc. XXXIX).

Interpretar-se o objeto essencial do tipo penal após a condenação, mesmo que pendente de recurso, é tão ou mais grave que a própria discriminação. O que não se admite, é que o Órgão Máximo, defensor da Constituição, da qual emana todos os direitos e garantias fundamentais inerentes às relações humanas, coadune com tal dissenso jurídico. Urge aprimorar-se a escolha dos membros do Supremo Tribunal Federal, para que haja um órgão eminentemente constitucional e não político e discriminante.

________________

*advogada, especializada em Direito Civil em curso pela Universidade Federal de Uberlândia/MG.

_____________________

Atualizado em: 1/5/2003 16:42

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

Paula Raccanello Storto

Migalheira desde 2020

Damásio de Jesus

Migalheiro desde 2007

Lucca Innecco

Migalheiro desde 2020

Claudia Elena Bonelli

Migalheira desde 2004

Gláucia Mara Coelho

Migalheira desde 2014

Ticiane Moraes Franco

Migalheira desde 2019

Marcela Waksman Ejnisman

Migalheira desde 2003

Marcelo Frullani Lopes

Migalheiro desde 2013

Fernanda Medina Pantoja

Migalheira desde 2017

Clito Fornaciari Júnior

Migalheiro desde 2016

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Remo Higashi Battaglia

Migalheiro desde 2011

Publicidade