sexta-feira, 27 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Violência no futebol: qual o valor da vida?

O trágico episódio da morte do torcedor boliviano é revisitado pelo advogado.

quarta-feira, 6 de março de 2013

O episódio da morte do torcedor boliviano, lamentavelmente, caminha para ser apenas mais um nas tantas estatísticas da escalada da violência em nossa sociedade, o que seguramente não é privilégio apenas em nossa realidade brasileira ou da subdesenvolvida America Latina (vide episódios semelhantes provocados pela torcida do Barcelona e do Fenerbahce nesses últimos dias).

A questão esportiva, sinceramente deve ser relegada ao segundo plano, se de fato queremos tirar alguma lição e correção efetiva destra tragédia, ainda mais com a proximidade da Copa do Mundo no Brasil. O regulamento da Conmebol prevê que a torcida é extensão do clube e que, portanto, a entidade responde de forma objetiva por eventuais danos ou tumultos causados por seus torcedores. Se não há dúvida em relação ao disparo do sinalizador e que tenha advindo do espaço destinado a torcida do clube visitante, por conseguinte as penalidades elencadas devem ser aplicadas como fator inibitório ou, como muitos preferem, educativo, afinal reparatório nunca será, pois a vida de Kevin, ao menos nesse plano físico, foi ceifada.

O time boliviano também deveria ser punido? Acredito que sim, por conta da organização, segurança, fiscalização inerentes ao mandante, mas da entidade que rege o futebol em nosso continente, muito não se pode esperar, vide a mudança da sanção aplicada ao SPFC no tocante a perda do mando de jogo em decorrência do episódio ocorrido na final da Copa Sulamericana de 2012 (era para ser cumprida no confronto contra o Atlético/MG de maior dificuldade e importância, no entanto, foi alterada para o jogo da próxima semana contra o Arsenal-ARG).

O juiz brasileiro andou bem em conceder a liminar que possibilitou os quatro torcedores acompanhar a partida? Isso pode voltar a prejudicar o Corinthians? Começando pela segunda, sim, sem dúvida pode prejudicar, pois o julgamento sobre a extensão da penalidade ainda está por vir e seguramente levarão em conta, em especial para uma possível demonstração de força, a indolência de se levar uma questão esportiva para a Justiça Comum (o que sempre foi reprovado pela FIFA). Desta feita, o clube pode pagar um preço ainda mais alto pela atitude desses torcedores.

Voltando à questão da decisão proferida, acredito que o juiz não olhou para a pergunta que dá início a este pequeno texto: qual o valor da vida? Tecnicamente, a decisão tem lastro, sustentação jurídica e hermenêutica, mas será que basta para que possamos falar em distribuição de Justiça? É preciso olhar a coisa sob outro prisma, olhar a cidade e não o prédio isolado.

A mensagem que o silêncio advindo da ausência da torcida representaria ou, ainda além, a oportunidade de chamar, através da repercussão do caso, para o fato de que uma vida foi cerceada da continuidade em um ambiente esportivo, onde isso não deveria jamais acontecer, sugerindo inclusive que a própria competição fosse suspensa, por mais utópico que isso possa parecer por contrariar grandes interesses financeiros (não esqueçamos da tragédia do Estádio de Heysel que, seguramente, mudou em muito o comportamento dos torcedores europeus, ao menos dentro dos estádios), como forma de demonstrar que como em um ciclo imperceptível de perda de valores, respeito a vida, civismo e outras concepções morais, estamos nos aproximando cada vez mais das competições romanas vivenciadas no Coliseu, onde de fato a vida não tinha valor ou sentido maior se não o de propiciar o horrendo espetáculo em torno da morte. Hobbes parece estar cada vez mais certo e sua afirmação de que "o homem é o lobo do homem", impressionantemente atual.

____________

* Fabiano Zavanella é consultor jurídico e sócio do escritório Rocha, Calderon e Advogados Associados.

__________

Atualizado em: 5/3/2013 14:08

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

Leonardo Quintiliano

Migalheiro desde 2019

Cleanto Farina Weidlich

Migalheiro desde 2007

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Diogo L. Machado de Melo

Migalheiro desde 2008

Publicidade