quarta-feira, 25 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Explica para eu ver se entendo

José Vitor Rabelo de Andrade

Comentários sobre a utilização da técnica de modulação temporal dos efeitos da decisão.

terça-feira, 2 de abril de 2013

Na CF/88 havia uma regra sobre MPs (aqueles atos que baixados pela presidência da República em caso de relevância e urgência. A propósito, tudo é relevante e urgente, dado o número de MPs baixadas desde o início de vigência da CF/88).

E elas tinham que ser convertidas em lei no prazo de 30 dias da sua publicação sob pena da perda de eficácia.

Em setembro de 2001 foi aprovada a EC 32/01 que alterou a regra das MPs. E sabem o que ela estabeleceu? Estabeleceu que "as medidas provisórias editadas em data anterior à da publicação desta emenda continuam em vigor até que medida provisória ulterior as revogue explicitamente ou até deliberação definitiva do Congresso Nacional". Ou seja, o que está feito está feito, muda-se a partir de agora. Pode?

Temos também algo chamado de modulação. E o que é modulação? Modulação, na realidade, é o processo de variação de altura (amplitude), de intensidade, frequência, do comprimento ou da fase de onda sonora que deforma uma das características de um sinal portador (amplitude, fase ou frequência).

E no mundo jurídico é também uma deformação? É. Veja por quê:

A modulação, ou modulação temporal, foi trazida ao ordenamento jurídico brasileiro pela lei 9.868/99, que, no artigo 27, autorizou o STF, ao "declarar a inconstitucionalidade de lei ou ato normativo, [...] restringir os efeitos daquela declaração ou decidir que ela só tenha eficácia a partir de seu trânsito em julgado ou de outro momento que venha a ser fixado". A lei, no mesmo artigo, fixou razões que, em tese, autorizam a modulação: segurança jurídica ou excepcional interesse social.

É de se perguntar: interesse social de quem? Ao largo de várias controvérsias sobre o esse tema, inclusive sobre a constitucionalidade da lei 9.868/99, o STF vem utilizando a modulação. Já surgiu também a modulação invertida. Na modulação, dita normal, o STF declara a inconstitucionalidade de um dispositivo legal, retirando-o do mundo jurídico, mas, por razões de segurança jurídica ou interesse público, os atos praticados com base no ato normativo inconstitucional são considerados válidos. Na modulação invertida o STF diz que a lei é constitucional, porém os atos contrários a essa lei devem ser mantidos porque o aplicador dela, de boa-fé, entendia que a lei era inconstitucional.

Enfim, é como aquela brasileira que, estando em Portugal, gritou, como no Brasil (onde as únicas solidariedades são no câncer e na porta aberta do automóvel) : "Ei! A porta do automóvel está meio aberta", ao que ouviu como resposta: "Não. Ela está é meio fechada".

E assim vamos vivendo. Uns cometendo erros e outros fazendo que esses erros sejam acertos até uma determinada data. Só depois é que viram erros. É o que se pretende fazer com a cobrança de PIS e COFINS sobre o ICMS na importação. O governo vinha cobrando, o STF julgou inconstitucional, mas vai se pedir a tal "modulação", ou seja, pode-se cobrar até o julgamento da ação, mas não depois.

Faz-me lembrar a história da galinha Bankivia que aqui não posso contar.

____________

* José Vitor Rabelo de Andrade é "adevogado" (isso mesmo, "adevogado") do escritório Martorelli Advogados.

____________

Atualizado em: 28/3/2013 11:51

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Diogo L. Machado de Melo

Migalheiro desde 2008

Gustavo Santiago Martins

Migalheiro desde 2019

Lilia Frankenthal

Migalheira desde 2020

Carla Louzada Marques

Migalheira desde 2020

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Publicidade