segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Yes you can - "Meritocracia" ou "Coitadocracia"

Diante de impulsos estatais e programas assistencialistas, é preciso enaltecer o sucesso individual e mostrar que não é feio vencer por méritos próprios.

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Violência sem precedentes, corrupção e o Estado posto para arrecadar como nunca antes neste país, sem qualquer retorno de serviços palpável aos cidadãos.

Um paramento estatal montado num emaranhado burocrático quase intransponível, blindado que é por regramento protecionista que passa não a impressão, mas a certeza de que existe um Brasil que vive montado nas costas do outro.

A sociedade ascendente se curva à pouca instrução e às facilidades do assistencialismo estatal, que retira da frente de trabalho incontáveis braços que aquiescem ao binômio assistência-voto.

Foi importante e necessária a execução de programas de inclusão social, iniciados no governo do outro partido, então ampliados e aprofundados pelo governo atual.

Mas esses programas, como tudo, devem ter começo, meio e fim. O fim não é necessariamente, nesse caso, o encerramento, mas a sua melhoria e adequação à realidade atual, após duas décadas de aplicação.

É que o incluído socialmente, hoje com crédito e conta bancária, às vezes pendurado em prestações de bens de consumo, não deve e não irá continuar a se ver eternamente como um assistido social, mas antes deve dar o próximo passo, que é o de buscar galgar posições na sociedade por mérito próprio.

Mas aí existe um vácuo de discurso, de impulso e de exemplo estatal, pois não há um só partido político de peso que diga o que poderia ser dito.

No ambiente em que aquele que tem imóvel, emprego e automóvel, pagando tributos, é classificado de "elite dominante" pelos entes estatais, pejorativamente, em contraste à dignificação da pobreza e da miséria, o incluído verá seu próximo passo sem indicativo claro.

É nessa medida que os homens públicos precisam esquecer-se que o discurso que enaltece o coitado, malgrado justo e catalisador de votos, não resolve a intrincada equação que é a mudança de postura de assistido social para força de trabalho agregadora de ganhos para toda a sociedade.

O discurso público, assim como os programas assistencialistas, precisam ir um passo além, para passar a imagem e a mensagem de que não é feio vencer por méritos próprios. Precisam efetivamente dar com uma mão e indicar o caminho com a outra.

Nesse passo é que o país precisa se preparar melhorando a educação de primeiro e segundo graus, com maciços investimentos em qualidade, não apenas em quantidade estatística, bem como em saúde, dois elementos essenciais a qualquer sociedade que deseje melhor se qualificar como tal.

O discurso soviético ou o do bom e pobre cristão precisam ser complementados pela ideia de que não é feito olhar para o norte e dali extrair alguns exemplos, adaptando-os à nossa realidade.

Ainda não chegamos ao "yes we can" como sociedade, porque o Estado precisa primeiro adotar o discurso do "yes YOU can", e parar de recriminar o sucesso, sobretaxando-o e descrevendo-o como pecaminoso.

Um país é feito de indivíduos. O sucesso de um país é o sucesso desses indivíduos. Não se pode continuar a discursar com desprezo ou sem enaltecer os exemplos de sucesso individual.

Não me refiro a falsos casos de sucesso, que são fruto de safadeza e conchavos, mas sim àqueles casos dos indivíduos que estudaram, trabalharam e vingaram.

São esses casos que devem ser adotados como exemplo e como meta explícita do discurso de governo ou de algum partido político de visão, fixando norte claro a toda a classe ascendente da sociedade, para que se forme uma sociedade de sucesso, que constrói passo a passo sua realidade, não com retórica, mas com estudo e trabalho.

Pela meritocracia em substituição à coitadocracia.

____________

* Eduardo Dietrich e Trigueiros é advogado do escritório Newton Silveira, Wilson Silveira e Associados - Advogados

Atualizado em: 21/5/2013 16:21

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Carolina Amorim

Carolina Amorim

Migalheira desde 2020
Daniele Sampaio

Daniele Sampaio

Migalheira desde 2020
Cesar de Lima e Silva

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019
Levi Rezende Lopes

Levi Rezende Lopes

Migalheiro desde 2020
Julio Cesar dos Santos

Julio Cesar dos Santos

Migalheiro desde 2019
Vantuil Abdala

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008
Gilberto Giusti

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003
Justiliana Sousa

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020
Murillo de Aragão

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018
Agnaldo Bastos

Agnaldo Bastos

Migalheiro desde 2018
Sóstenes Marchezine

Sóstenes Marchezine

Migalheiro desde 2021
Gabriela Araujo Sandroni

Gabriela Araujo Sandroni

Migalheira desde 2020

Publicidade