quinta-feira, 26 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Escrituração Digital: oportunidades e riscos

A novidade é um avanço na relação entre fisco e os contribuintes, mas exigirá cautela na análise e envio das informações para os órgãos fiscalizadores.

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Os avanços tecnológicos estão cada vez mais presentes na apuração de tributos. A cada ano são desenvolvidos sistemas capazes de realizar cruzamento de informações fiscais com os registros contábeis e financeiros dos contribuintes.

A última novidade nessa matéria foi a criação da Escrituração Fiscal Digital do Imposto sobre a Renda e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido da Pessoa Jurídica, também denominado de "EFD-IRPJ", realizada pela IN 1.353/13.

A escrituração fiscal digital do imposto de renda integrará o SPED - Sistema Público de Escrituração Digital, que reunirá em um único ambiente nacional informações sobre a escrituração contábil, apuração de PIS e de COFINS e folha de pagamento das empresas.

É inegável o avanço na relação entre fisco e os contribuintes, com a redução de arquivos físicos, agilização no envio de informações, redução de obrigações acessórias e integração das administrações tributárias das três esferas governamentais.

A título exemplificativo, a criação da EFD - IRPJ vai eliminar a necessidade de preenchimento da DIPJ - Declaração de Informações econômico-fiscais da Pessoa Jurídica, bem como do LALUR - Livro de Apuração do Lucro Real.

Por outro lado, esta modernização no cumprimento das obrigações acessórias exigirá dos contribuintes uma especial cautela na análise e envio das informações para os órgãos fiscalizadores.

Além de existirem penalidades pela falta de entrega e preenchimento incorreto de informações nos arquivos transmitidos, mister se faz mencionar que as autoridades fiscais, através da escrituração contábil terão acesso à movimentação econômico-financeira dos contribuintes.

Denominados por alguns como "big brother fiscal", o fato é que o SPED torna muito mais fácil a identificação de irregularidades, equívocos e a falta de recolhimento dos tributos.

Conforme dados divulgados nos meios de comunicação, houve um crescimento de 16,8% no volume de autuações na comparação entre 2011 e o último ano.

Para usufruir dos benefícios dos referidos avanços tecnológicos e afastar eventuais riscos decorrentes da maior exposição perante as autoridades fiscais é essencial a adoção de medidas preventivas.

Neste contexto, inicialmente deve ser realizado o mapeamento das operações realizadas pelo contribuinte visando à identificação de vulnerabilidades nos controles internos relacionados à escrituração contábil-fiscal.

Após corrigidas eventuais falhas, é fundamental desenvolver uma política permanente de acompanhamento e revisão das obrigações acessórias, assim como manter uma equipe de profissionais qualificados, constantemente treinados e atualizados, que contem com o suporte de consultorias especializadas.

_________

* Luciano Alves da Costa é advogado do escritório Piazzeta e Boeira Advocacia Empresarial

Atualizado em: 29/5/2013 15:47

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Celso Wanzo

Migalheiro desde 2019

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Guershom David

Migalheiro desde 2020

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Márcio Aguiar

Migalheiro desde 2020

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019

Marcelo Branco Gomez

Migalheiro desde 2020

Publicidade